Indice A imprensa em questao O circo da noticia Caderno da cidadania Entre aspas Caderno do leitor

QUESTÃO DE MÉTODO
Tática diversionista

 

Ana Lúcia Amaral (*)

Em tempos nos quais são decantados direitos fundamentais como à privacidade, à intimidade etc., é bom prestar atenção em quem os invoca. Coincidentemente, ou não, são invocados por quem tem alguma coisa a esconder.

Assim é que aqueles pegos com a mão na botija sempre vêm invocar seus "direitos". Só não têm obrigação de ter vergonha na cara!

Ora, pedir informação sobre como se faz uma maracutaia – furar a lista de precatórios do DNER – sem que o "prestador da informação" se preocupe em saber a quem está prestando tão "valiosa" informação não é problema a ocupar a quem pergunta. Ao que consta parece que o repórter não precisou de muito esforço para saber o caminho das pedrinhas.

A corrupção está tão generalizada e arraigada que já está com ares de normalidade! "Todo mundo faz", " Sempre foi assim!" Quantos já ouviram estas frases? Se o repórter está investigando, como anunciar: "Atenção, senhor corrupto, isto é uma investigação jornalística"?

Criticar o repórter por não ter declinado tal condição aos seus "entrevistados" é tentativa estúpida de desqualificar um trabalho que não foi contestado, contrariado. Deve ser uma tática diversionista para fazer cair o conteúdo da matéria no vazio. Só para preservar a "fonte" de recursos necessárias a tanta ganância.

(*) Procuradora regional do Ministério Público Federal em São Paulo

 

RATINHO
Futuro imaginário

 

Rosa Nívea Pedroso (*)

O Programa do Ratinho, do SBT, produz um discurso destinado às massas (bem neste sentido, pois esse público não é concebido como cidadão) tecido e entrelaçado na comunicação sensacionalizada, nas pulsões do inconsciente, na punição dos miseráveis e no eros des(in)vestido de libido [veja remissões abaixo].

A representação do povo é cruelmente verdadeira. E sendo cruelmente verdadeira autoriza simbolicamente a construção do Superego Ratinho como a personagem mediática capaz de banir do programa, punir no programa, vigiar pelo programa de televisão os deserdados da nação brasileira. A condição de deserção dos participantes do programa é a condição real das populações periféricas ali representadas. Condições essas transformadas em não-riqueza, não-beleza e não-saúde. Pobre, feio e doente constituem as condições de representação. O discurso é constituído por uma linguagem clichê que aponta para a necessária repressão das pulsões de vida-e-morte. O Super-Ratinho é capaz de punir e infrigir a Lei. Ele é a Lei.

O entrelaçamento lingüístico dos enunciados construídos pelo apresentador Carlos Roberto Massa (O Ratinho? Quem representa quem? Ratinho ou Carlos?) referem-se aos campos semânticos dos significados de morte, violência e perversões.

Morte no sentido de também estar fora da existência das instâncias institucionais dominantes. O não-acesso ao mundo das riquezas. Ao mundo encantado que a publicidade oferece nos intervalos. O não-acesso ao mundo do Outro.

Criatividade perversa

Violência no sentido de manter a sobrevivência das condições culturais reais das populações representadas. Nada se transforma no universo televisivo do Super-Ratinho. Tudo é clichê. A sobrevivência do universo simbólico representado é reenergizada no extravasamento das emoções represadas dos participantes. Super-Ratinho (Herói Pós-Moderno da Mídia Índice de Audiência) rege a orquestra do circo/arena das neuroses urbanas pós-industrializadas.

Perversões no sentido do eros pervertido, não-eros. A pulsão de sobrevivência erotizada perversamente na exploração dos índices-clichês do comportamento desviante dos participantes.

Eis alguns traços do discurso de um programa de televisão cujo processo de enunciação/inspiração se assemelha à concepção do filme O exterminador do futuro. A versão televisiva brasileira se apresenta radicalmente mais criativa, pois figura nas páginas da imprensa como mais perversa que as versões similares na televisão-mãe americana. Eis quando o id se torna espetáculo real e simbólico, construindo o futuro imaginário do Brasil, século 21.

(*) Professora adjunta do Curso de Jornalismo do Departamento de Comunicação da UFRGS

 

LEIA TAMBEM

Questão de método: 1, 2 e 3

Domingão dos ratinhos e ratões

Ratinho, quem diria, virou mártir da liberdade de expressão

O rato moralista

O rato e seu clone leão



Mande-nos seu comentário

Início do Jornal de debates





Observatório | Índice da edição | Busca | Objetivos | Purposes
Caderno do Leitor | Edições anteriores | Observatório impresso
Modo de Usar | Banca | Jornalistas na Net | Equipe | Quem é você