segunda, 17 de fevereiro de 2020 ISSN 1519-7670 - Ano 20 - nº 1074

Jornalistas recebidos como heróis em Paris

Numa base aérea de Paris, o primeiro-ministro e o presidente da França, Jean-Pierre Raffarin e Jacques Chirac, recepcionaram como heróis os jornalistas franceses Christian Chesnot e Georges Malbrunot, libertados após quatro meses em poder de seqüestradores iraquianos. O governo declara oficialmente que nenhum resgate foi pago e, com o final feliz, a campanha popular organizada em apoio aos dois repórteres parece ter sido um sucesso. No entanto, a oposição deve pressionar Chirac para saber os motivos da demora na libertação.

Fontes de inteligência apontam que a possibilidade de que um resgate tenha sido pago não pode ser afastada. Segundo Le Monde, até 20 agentes da contra-espionagem francesa, baseados na Embaixada de Bagdá, negociaram a libertação de Chesnot e Malbrunot.

Jornalistas iraquianos reunidos em Amã, na Jordânia, em evento da Federação Internacional de Jornalistas [22/12/04], também comemoraram a notícia da soltura dos colegas de profissão. Eles enviaram aos franceses, que fizeram escala na capital jordaniana em seu caminho para casa, uma mensagem de solidariedade. Os jornalistas presentes lembraram que ainda há, em todo o mundo, entre 150 e 200 jornalistas presos em conseqüência do exercício de sua profissão. Com informações do Guardian [20 e 23/12/04] e da AP [22/12/04] .