quarta, 19 de fevereiro de 2020 ISSN 1519-7670 - Ano 20 - nº 1075

Projeto de assinaturas aposta na parceria com jornais

O Journalism Online, projeto que combina o conteúdo online de jornais e revistas com um pacote único de assinaturas, já conta com 176 diários como parceiros. No total, mais de 500 veículos de comunicação, entre jornais, revistas e outros sites, concordaram em se juntar à iniciativa, o que representa mais de 90 milhões de usuários únicos ao mês. O projeto foi desenvolvido por três jornalistas – Steven Brill, fundador do canal Court TV; Gordon Crovitz, ex-publisher do Wall Street Journal; e Leo Hindery, ex-executivo do canal a cabo Yankees Entertainment and Sports Network.

A idéia é que o usuário pague uma taxa mensal de US$ 15 a US$ 20 para ter acesso ao conteúdo online. Os lucros seriam divididos pelas editoras participantes, com base nos artigos mais acessados por mês. Também seria oferecida ao internauta a opção de pagar para ter acesso ao conteúdo apenas por um dia. ‘Ao criar uma plataforma que maximiza o lucro publicitário online enquanto se cria uma nova fonte de lucros de leitores, o Journalism Online ajudou a mudar o debate sobre cobrança de conteúdo online de ‘se’ para ‘quando e como’’, afirma Brill.

Debate concreto

Segundo ele, muitas editoras já deixaram para trás o ‘debate abstrato’ e trabalham agora em direção a algum tipo de modelo pago. Executivos do Journalism Online especulam que, ao focar 10% em leitores ávidos, em geral um site mantém 88% das page views e 91% de lucros publicitários, se usar alguma estratégia de conteúdo pago. Para Crovitz, há uma mudança de pensamento entre fornecedores de conteúdo nos últimos meses. ‘Cada editor que encontramos está agora pensando em gerar lucros com acesso online, o que é uma grande mudança de estratégia’.

Uma das ferramentas da empresa permite que leitores tenham uma conta para acessar conteúdo por meio de múltiplos sites. ‘Todas as decisões com respeito a como, o quê, ou a quem cobrar ficam a cargo de cada editora’, explica Brill. ‘Elas podem tomar inúmeras decisões, incluindo decidir não fazer nada uma vez que avaliarem todas as opções que desenvolvemos’. Informações de Jennifer Saba [Editor & Publisher, 13/8/09].