BLOGUEIRO MALIGNO

O boato nefasto da 'bolsa-prostituição'

Por Sergio da Motta e Albuquerque em 21/05/2013 na edição 747

A credulidade inocente de boa parte da população usuária das mídias sociais é um risco e um problema que ainda não foi suficientemente abordado pela imprensa. Uma postagem absurda em um blog (10/5) quase desconhecido espalhou-se pela blogosfera, pelo Facebook e o Twitter, e quase convenceu muita gente que o governo federal iria subsidiar garotas de programa em 2 mil reais ao mês. Por alguns dias, muita gente acreditou que a administração Dilma Rousseff iria pagar algum tipo de auxílio às profissionais do sexo.

A Rádio Criciúma (16/5) comentou o bizarro fato, mas não captou a malícia do autor da mentira publicada: “Mesmo a ‘notícia’ sendo totalmente descabida e o blog ser exclusivamente preenchido com textos de humor, muitos internautas compartilharam nas redes sociais, sem conferir a veracidade, causando revolta dos indignados – que também não procuraram se informar, com a suposta ajuda às garotas de programa. Foram tantas pessoas tomando a informação como verídica que levaram à ira a senadora petista Ana Rita (PT), do Espírito Santo”.

O problema é que o blogueiro atribuiu a proposta supostamente aprovada no Senado à senadora do PT, que desmentiu tudo e prometeu colocar a Polícia do Senado atrás do autor da falsa notícia. O diário Estado de Minas (16/5) e a Agência Senado (no mesmo dia) publicaram a notícia. O blogueiro desconhecido, que se identifica como “Joselito Müller, o homem do jornalismo destemido” permaneceu altaneiro e desafiador: “Podem processar que eu não tenho medo”, dizia “Joselito”. Ao mesmo tempo, desculpou-se à senadora, prometeu revelar seu nome e reconheceu o erro.

Sempre a manter o tom agressivo e desafiador: “Devo admitir, vá lá, que foi leviano de minha parte atribuir à parlamentar a autoria de um projeto inexistente.Minha conduta é passível de reparação, caso sua Excelência queira me processar e, no âmbito do processo, comprove que sofreu danos em função de meu humilde post. Redijo o presente não com escopo de me retratar, mas para expressar minha preocupação com o fato de que mentiras descabidas, redigidas em linguagem supostamente jornalística são verossímeis atualmente no Brasil. Isso é um sintoma de que algo vai mal na política nacional, e demonstra que representantes dos poderes da República vêm protagonizando atos capazes de deixar o povo estarrecido. Por isso qualquer absurdo se torna crível no Brasil de hoje em dia!”

Finge ser semianalfabeto

O blogueiro aproveitou a situação para atacar a atual administração, que segundo ele é a principal responsável pela disseminação de mentiras na web. Ele diz-se apartidário e anarquista, mas seu alvo invariavelmente é o PT nas sandices que publica. O homem é perigoso e mal intencionado. É, na realidade, um elemento nocivo ao trabalho de todos os blogueiros políticos sérios que existem no Brasil. Seu blog é um espaço para piadas e brincadeiras de péssimo gosto e inclinações fascistoides. E registra imensa disseminação a partir dele da informação falsa no Facebook e no Twitter.

Quem partilhou aquela imensidade de informação falsa na web agiu com ingenuidade perigosa. E acabou como piada para o blogueiro não-identificado, que debochou de todos que embarcaram em sua loucura. Postou insultos e deboches no Twitter sobre todos os que acreditaram nele. Chegou a enganar algumas rádios do interior do país e muitos e muitos outros blogueiros, além de publicações de pouca importância.

“Joselito” é uma invenção suspeita: esconde-se atrás de uma alcunha e de seu blog, que apresenta fotos falsas como sendo suas. A última usada foi a do falecido ator Warren Oates. O blog mostra ainda um homem apontando uma pistola em direção de quem lê e uma antiga ficha da censura dos tempos da ditadura militar. “Joselito” fez questão de afirmar no Twitter que “não é réu primário” e já cumpriu pena por “por homicídio e extorsão mediante sequestro com resultado de morte”, ameaçou. Ele intimida explicitamente quem lhe faz oposição, a menos que seja uma autoridade. Ele finge ser semianalfabeto, mas quem lê a fundo o que ele escreve vê que a coisa não é tão simples assim: ele conhece a lei, e parece usar um português vulgar como instrumento para esconder sua verdadeira identidade.

“Deficientes cognitivos”

Não é difícil estabelecer um perfil aproximado do “Joselito”:

>> Ele ataca todos os partidos políticos;

>> Proclama-se anarquista, mas isso não é compatível com suas ideias;

>> Tem uma agenda ultraconservadora e uma veia agressiva;

>> Parece também bem sustentado por gente mais poderosa do que o alcance de suas mentiras;

>> Dispara seu fel contra tudo e contra todos;

>> Usa a democracia para desacreditá-la;

>> Segue gente importante no Twitter. De todas as tendências políticas.

Seu perfil sugere conexões com a ultradireita e com os opositores antidemocratas de um governo democraticamente eleito e bem aceito pela população. Mas o homem pode muito bem ser um “franco-atirador” a operar sozinho. Pessoalmente, não acredito nisso, mas é uma possibilidade concreta.

Joselito desmentiu tudo (17/5), quando viu que a coisa estava a esquentar. Mas o fez em seus termos: entre o material publicável que encontrei ele chamou de “deficientes cognitivos” todos aqueles que acreditaram em sua postagem, e depois de desmentir a mesma sobre a senadora e seu suposto projeto de financiamento a prostituição, publicou uma série de links para publicações que fazem oposição sistemática ao governo, incluindo algumas que envolvem a senadora Ana Rita. O blogueiro quase sempre mira o PT em suas postagens.

Postagem maligna

A “experiência” iniciada por “Joselito Müller” demonstra que grande parte dos usuários das redes sociais contenta-se em ler a penas os títulos dos artigos. Depois, se aprovam os mesmos, partilham na mídia social. Mesmo não tendo tido qualquer contato com o conteúdo da postagem. Como foi o caso aqui relatado: a postagem falsa era passada adiante aparentemente sem qualquer verificação ou um mínimo de senso-comum. Principalmente no Facebook. É o que eu chamo, nas redes sociais, de “síndrome de incêndio australiano”: a coisa se alastra com uma velocidade tamanha que pouco há a ser feito. Mas também foi muito mais do que isto: foi uma tentativa de desacreditar as instituições democráticas, um governo eleito, a imprensa e o público incauto das redes sociais que não verifica a autenticidade do que lê e partilha na rede.

Postagens com as do blogueiro que se esconde atrás do nome “Joselito” são comuns na web. Ele mesmo confessou que não esperava tanta repercussão do post. O aumento das visitas em seu blog foi de 1.700% a partir da postagem sobre a suposta “bolsa-prostituição”, segundo a Alexa, o site da Amazon que faz a contagem de visitas e classificação hierárquica dos sites e blogs na web. Antes disso, suas estatísticas eram nem mesmo registradas pela controladora de estatísticas na rede. Também podemos suspeitar que uma postagem daquelas jamais seria tão popular sem a colaboração daqueles que querem a derrocada deste governo a qualquer custa e qualquer meio, seja ele qual for. O título era conveniente, e eles o partilharam na web. Sem ler o que estava escrito. O tiro acabou saindo pela culatra.

O “caso Joselito” serve como alerta contra a excessiva credulidade de boa parte dos internautas que não conferem nada do que lêem na web: se está escrito lá, em tom de notícia séria, então é verdade. Grande parte dos usuários das mídias sociais precisa mudar seu comportamento com relação ao que compartilha nas mídias sociais. O atual padrão de não ler (ou ler parcialmente) o conteúdo é irresponsável: nem tudo que é publicado lá é verdade, e a credulidade de alguns utentes pode ser manipulada para causar problemas de proporções inesperadas e danos de grande extensão a sociedade.

Se os cidadãos contemporâneos também são informadores hoje em dia, é necessário que comecem a comportar-se como gente de imprensa: tudo o que é lido e partilhado deve ser verificado. Não custa nada, não é difícil e com apenas alguns cliques uma mentira pode ser desmascarada facilmente. Em alguns casos não é preciso chegar a tanto: a mentira é tão óbvia que um pouco de bom senso basta. Joselito debochou do povo que acreditou nele. Chamou todos de “deficientes cognitivos”. Agora ficou sem apoio e marcado pelos que foram enganados e ofendidos, os que já desconfiaram desde o início, e aqueles que tomaram conhecimento do caso e condenaram sua postagem absurda e maligna.

***

Sergio da Motta e Albuquerque é mestre em Planejamento urbano, consultor e tradutor

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Alex Mamed
 Enviado em: 23/05/2013 11:21:55
Não resisti. Aguentei o quanto pude, mas findei por não resistir em comentar. Seu texto é a negação de tudo que você escreve. A prova absoluta de que estamos mesmo com dezenas de milhões de [ ] a achar que têm alguma opinião, quando na verdade apenas abusam do argumento ad hominem. Texto recheado de suposições, achismos, contradições, e há até um perfil estabelecido... Jesus! Eh, e quanto aos acessos, quem diria? Seus textos aqui, o mais polêmico foi comentado por cinco indivíduos. Quanta influência, né não?
 João de Paiva
 Enviado em: 23/05/2013 19:27:15
Aos que crêem ser atingível a verdade absoluta, um aviso: ela não existe. A verdade sociológica é uma construção humana, já que depende do tempo, lugar, contexto social e, sobretudo, de quem testemunha os fatos (e argumentos) a partir dos quais e com os quais é construída. Não existe neutralidade nem mesmo em reportagens com alto valor jornalístico. Em artigos opinativos, o que conta é a boa argumentação, com base em premissas verossímeis; e nesse quesito o artigo tem boa nota. Quem acompanhou o processo eleitoral nas últimas décadas sabe muito bem como agem os conservadores de ultradireita e os neoconservadores (os piores e mais perigosos e sobre os quais escrevi uma crônica, que futuramente publicarei).
 Ricardo de Almeida
 Enviado em: 24/05/2013 03:46:23
Não concordo com o comentarista acima em nada do que ele disse. O autor prestou um grande serviço ao desmascarar um boato que ainda engana muita gente. E o fez no veículo de maior credibilidade da imprensa brasileira. Não encontrei “achismos” aqui. E não há nada de errado com suposições sobre a identidade de alguém que se esconde atrás de um pseudônimo e outras artimanhas para ocultação de sua real identidade. Com todo meu respeito, o comentarista acima parece pouco familiarizado com a imprensa editada das cidades grandes. Há muitos jornalistas excelentes e muito conhecidos que publicam aqui que muitas vezes acabam sem comentários. As redes sociais tiram muito espaço dos comentaristas.
 Dante Caleffi
 Enviado em: 27/05/2013 11:56:51
Com Viagra subsidiado, faz sentido a "Bolsa Prostituição".Reprimir a demanda nesses casos, pode ser prejudicial a saúde... Joselito ,mostra que é possível impingir qualquer absurdo. Vai além do "analfabetismo funcional".Aqui, as pessoas entendem e acreditam. Isso explica a legião de crédulos em discos voadores e mitos sobrenaturais.
 Alexandre Guimaraes
 Enviado em: 27/05/2013 13:54:21
Não acho tão absurdo acreditar em bolsa-prostituta quanto acreditar em papai do céu ou em anjos mensageiros da boa nova. Tem gente que acredita até no Malafaia, Macedo e, pasmem, Valdomiro. As coisas estão tão loucas que outro hoax que rolou foi sobre a mudança constitucional proposta pelo Feliciano sobre o hebraico como língua oficial no Brasil por ser a língua de Jesus. Pô, teve gente que acreditou, mas será que por burrice ou por supor que sendo do Feliciano podemos esperar de tudo? Portanto, o que o tal Joselito fez, apesar de ridículo, foi um favor para quem tem vontade de entender o mecanismo mais profundo da sociedade humana, a comunicação. Acho que dá boas teses acadêmicas.
 sergio ribeiro
 Enviado em: 28/05/2013 19:02:54
Acho que o tal Joselito fez mais um favor; mais contra ele do que a quem queria ferir. Ficou evidente para muita gente o quanto corre de má fé pela internet. São tantos os exemplos que não caberia aqui. Eu mesmo já alertei amigos antipáticos ao governo de quantas besteiras repassam sem ver. Um dos exemplos mais bizarros foi a revelação "bombástica" de que o filho de Lula teria comprado uma enorme fazenda: a foto era da Esalq, uma das faculdades da Universidade de São Paulo. Há um sem número de notícias improváveis, montagens mal feitas, preconceitos em geral, etc. dia a dia na internet, e o papel do bom jornalismo será desmascarar essas sandices.
 renata pinho
 Enviado em: 04/06/2013 23:53:07
"O homem é perigoso e mal intencionado. É, na realidade, um elemento nocivo ao trabalho de todos os blogueiros políticos sérios que existem no Brasil" - perigoso é classificar de perigoso e mal intencionado o autor de um site de piadas. PT é o partido do governo e, por isso mesmo, acaba sendo alvo preferencial! Observatório da imprensa faria um post como esse, se o alvo da piada fosse FHC e seus comparsas?!
 Ivan Prado Prado Silva
 Enviado em: 10/06/2013 22:34:13
Eu gostaria de dizer o seguinte: não acreditei de início, achei um absurdo que chegava a ser insano, mas confesso que quando conferir a reportagem no portal de notícias RO, fiquei achando um absurdo possível. não sou deficiente cognitivo, como diz esse desocupado e psicopata cibernético, e por fim o fato de muita gente ter acreditado nessa mentira, vem da insegurança e da falta de credibilidade que o atual governo passa.
 Silni de Lima
 Enviado em: 13/06/2013 00:05:29
Sr. Sérgio Parabenizo-o por seu texto tão esclarecedor e trazendo preciosos argumentos para reflexão. Aproveito para expressar a minha indignação e angustiante preocupação. Fiquei sabendo do "auxílio às prostitutas" ontem, 11 de junho, no colégio em que trabalho, através de uma colega, a qual manifestava revolta quanto ao dito "auxílio", ou seja, ela falava de algo como verdadeiro. Isto me fez buscar na Internet informações. Verifiquei, portanto, que era uma mentira. Então, como pode ver, o fato, que já foi desmentido, ainda está sendo divulgado como uma verdade. Estou assustada, isso é uma forma de terrorismo, coisas terríveis podem acontecer a partir destes usos irresponsáveis dos recursos de comunicação, ou assim deveriam ser. A História traz documentados vários eventos hediondos cometidos pelos seres humanos com base nessas ações deploráveis. Peço a Deus que nos ilumine. Atenciosamente Silni
 Henrique Santos
 Enviado em: 01/09/2013 00:27:15
É... o O.I. já teve dias melhores, com artigos que instigavam, que propunham o embate de ideias e a crítica inteligente ao que acontecia na mídia em geral. Agora, virou um arremedo de seus alvos do passado, publicando algo pior que aquilo tudo que combatia. Pena.
 Ronaldo Longo
 Enviado em: 24/01/2014 00:19:14
Sr. Sergio, Um boato só emplaca como verdadeiro se a situação é propícia para isso. É o caso desse bolsa-piranha. São tantas as lambanças cometidas pelos políticos que qualquer pessoa, não precisa ser tão inocente assim, acaba acreditando em qualquer informação, por mais absurda que possa parecer. Fica mais ou menos na linha de que para ser respeitado a pessoa precisa se dar ao respeito. Se o presidente da república vem a público e diz que o sistema de saúde brasileiro é quase perfeito, que respeito ele merece ? Nenhum , depois deste tremendo deboche na cara de todos os brasileiros. Ronaldo Longo / Joinville - SC
 Rinaldo Paes
 Enviado em: 26/01/2014 00:30:41
Sérgio, achei boas suas colocações sobre o assunto. Porém "se os cidadãos hoje em dia também são informadores é necessário que comecem a comportar-se como gente de imprensa" ??? Qual imprensa? Seria como a Folha, quando divulgou a tal ficha da Dilma? Seria como o Estadão que depois de muita campanha contra o PT acabou admitindo apoiar o psdb? ou seria como a globo, com a transmissão do mensalão e as centenas de crises entoadas diariamente em todos os seus programas jornalísticos? Qual a diferença entre o tal joselito e estes que eu citei? Talvez a penetração, não é mesmo???
 Gustavo Cescato
 Enviado em: 02/03/2014 09:11:56
Em tempos de consumo rápido de informação, devemos sempre ficar atentos à nossa responsabilidade.
 Newton Saraiva
 Enviado em: 07/03/2014 09:42:23
O erro não está em acreditar naquilo que está lendo, pois o "impossível" está ocorrendo a cada dia. Porém, devemos ter o cuidado de pesquisar se a notícia é verdadeira ou não, antes de compartilhar. Até hoje, tem gente que ainda, repassa esta notícia acreditando ser verdadeira. Atualmente, os jornalistas estão sendo substituídos por fofoquistas (presentes no Terra, Veja e muitos outros) que na ânsia de se tornarem famosos, com "furos" de reportagem, inventam estórias, manchetes tendenciosas (mentirosas), e realmente acabam dando muitas furadas, envergonhando o verdadeiro jornalista.

Sergio da Motta e Albuquerque

SOLIDARIEDADE INTERESSEIRA

Publicidade expõe máscara de egoísmo

Sergio da Motta e Albuquerque | Edição nº 794 | 15/04/2014 | 1 comentários

GLOBONEWS NA MARÉ

‘Nós nos importamos’

Sergio da Motta e Albuquerque | Edição nº 794 | 15/04/2014 | 0 comentários

PROTESTOS URBANOS

ONGs acusam Brasil de ‘estado de exceção’

Sergio da Motta e Albuquerque | Edição nº 792 | 01/04/2014 | 3 comentários

MARCHA SAUDOSISTA

A marcha murcha

Sergio da Motta e Albuquerque | Edição nº 791 | 25/03/2014 | 1 comentários

LEITURAS DO ‘GLOBO’

Marcha reacionária quer militares de volta ao poder

Sergio da Motta e Albuquerque | Edição nº 789 | 11/03/2014 | 5 comentários

Ver todos os textos desse autor