ENTREVISTA / TOBIAS ANDERSSON

Facebook deveria ser substituído por outra rede social

Por Marianna Aragão em 09/07/2013 na edição 754

Reproduzido da Folha de S.Paulo, 6/7/2013

Cofundador de um dos sites mais longevos e populares da internet, o The Pirate Bay, de compartilhamento de arquivos, Tobias Andersson, 35, acredita que uma nova rede social, “totalmente independente de governos e empresas”, possa substituir o Facebook nos próximos anos. “Eles têm sido muito bons em conectar pessoas, companhias e veículos de comunicação em um só local”, disse o sueco, que esteve nesta semana no Brasil, à Folha. Segundo ele, porém, políticas frágeis de privacidade e a necessidade de monetização do negócio tornaram a rede social uma ameaça à liberdade da internet. “Adoraria que uma nova empresa, com as mesmas funções do site, porém independente, surgisse nos próximos anos.”

Fundado há dez anos, o Pirate Bay tornou-se o maior site de compartilhamento de conteúdo gratuito do mundo. Com o sucesso, entrou em confronto com gravadoras, que acusaram o site de facilitar a pirataria. Em 2009, três dos fundadores foram condenados na Justiça sueca – um deles permanece preso.

Andersson, que não foi processado, estuda sistemas de informação e prepara um livro sobre a história do site. Leia trechos da entrevista.

“A computação em nuvem ajudou muito”

Como o The Pirate Bay conseguiu sobreviver e se firmar como o maior site de downloads do mundo?

Tobias Andersson – Quando começamos, achávamos que iríamos durar um ou no máximo dois anos, que foi o tempo de vida de outros sites de compartilhamento, como o Kazaa. Mas continuamos e já temos dez anos. Isso aconteceu porque decidimos logo que não iríamos desistir diante de problemas técnicos ou ameaças legais. Algumas pessoas que estavam lá eram muito boas em tecnologia e tomaram como questão de honra manter o site no ar. Outra questão é porque estamos estabelecidos na Suécia, que tem uma legislação relativamente tranquila quanto às questões de propriedade intelectual.

O que mudou para o site após as condenações de 2009?

T.A. – Tivemos de mudar os servidores para fora da Suécia e os fundadores precisaram se afastar: um está preso na Suécia; outro mudou-se para o Vietnã e um terceiro aguarda revisão da sentença. Mas a internet é grande: não importa se tivermos que mudar de um país para outro, sempre há para onde ir. A computação em nuvem ajudou muito nisso, pois com ela poucas pessoas no mundo sabem de fato onde os servidores estão hospedados.

“No futuro, o governo dos EUA terá o controle da internet”

Qual é o futuro do Pirate Bay?

T.A. – Acredito que o site deveria fechar pois há novas revoluções ocorrendo, como a provocada pela impressão 3D, e é preciso dar espaço para que outras ideias, que lidem com essa realidade, surjam. Por estar há dez anos no ar, as pessoas estão confortáveis, pensando que o site sempre estará lá. Se fechasse, alguém sentiria necessidade de construir algo novo.

Serviços de streaming, como o Spotify, diminuíram a relevância da plataforma?

T.A. – De alguma forma, sim. O Spotify tornou o download menos útil porque é um serviço fácil, em que se encontra quase tudo. Mas há problemas na plataforma, como a ausência de artistas independentes e o fato de que ela é controlada por grandes gravadoras, como Sony, EMI e Warner. No fim, a maior parte do dinheiro vai para essas empresas.

Como o sr. avalia o crescimento das redes sociais?

T.A. – Quando o Facebook surgiu, achávamos que iriam ser populares por dois anos e depois entrariam em declínio – o mesmo que pensamos na criação do Pirate Bay, em 2003. Mas eles têm sido muito bons em conectar as pessoas com empresas, veículos de comunicação. Há questões problemáticas. Como o caso Snowden mostrou, tudo o que todos dizem em qualquer lugar nesses sites é observado pela NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA). Talvez não pareça um grande problema hoje, mas se continuar assim, no futuro o governo dos EUA terá o controle de toda a internet. Adoraria que uma nova empresa surgisse, como o Facebook, todas as suas funções, mas que fosse independente. É hora de substituir o Facebook.

A revolução das impressoras 3D

O sr. acredita que esses sites possam se tornar uma nova forma de organização política, no futuro?

T.A. – Eles são uma ótima forma de mostrar ao governo o que você pensa. Mas é só uma ferramenta, e não a revolução em si. É como levantar um cartaz em um protesto. A real revolução ocorre nas ruas.

Com o crescimento dos serviços de streaming, a batalha com as gravadoras acabou?

T.A. – A próxima grande batalha virá em consequência da revolução causada pelas impressoras 3D, que está apenas começando. Quando pessoas comuns começarem a produzir produtos como carros e eletrônicos, a briga vai ser mais pesada, pois vai ameaçar indústrias poderosas – como a automobilística e a do petróleo – e até países. Quando isso ocorrer, siglas como o Sopa (projeto antipirataria dos EUA) se tornarão irrelevantes.

***

Marianna Aragão, da Folha de S.Paulo

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

Nenhum comentário.

Marianna Aragão

ENTREVISTA / MARCOS GALPERIN

Há excesso de projetos para a internet no Brasil

Marianna Aragão | Edição nº 719 | 06/11/2012 | 0 comentários

ENTREVISTA / SCOTT CLELAND

Google consegue saber tudo sobre usuários

Marianna Aragão | Edição nº 707 | 14/08/2012 | 0 comentários

BLOGOSFERA

Internauta brasileiro é o que mais entra em blog no mundo

Marianna Aragão | Edição nº 687 | 27/03/2012 | 0 comentários

Ver todos os textos desse autor