CENTRO SIMON WIESENTHAL vs. CARLOS LATUFF

Cartunista brasileiro acusado de antissemitismo

Por Mário Augusto Jakobskind em 03/01/2013 na edição 727

O Centro Simon Wiesenthal, organização que leva o nome de um célebre caçador de nazistas, passou dos limites em matéria de credibilidade ao divulgar uma lista de 10 pessoas e entidades consideradas mais antissemitas do mundo. O terceiro da lista é o chargista brasileiro Carlos Latuff.

Este centro e outros segmentos sionistas misturam alhos com bugalhos ao acusarem de antissemita todos os que criticam as ações de Israel contra os palestinos. Latuff é um militante dos movimentos sociais e sempre manifestou solidariedade com a causa palestina.

Ser solidário com os palestinos e denunciar a política extremista do governo israelense não significa antissemitismo, como querem os defensores da política truculenta de Israel. Na verdade, o atual sionismo se nutre do antissemitismo e, para este segmento, quem critica a política de Israel é antissemita. O Centro Simon Wiesenthal segue essa lógica, que deve ser combatida com todo o rigor, e ainda por cima promove a política de Israel.

Crítico da truculência

Por essas e outras, as manifestações de solidariedade a Carlos Latuff vêm crescendo. O cineasta Silvio Tendler – que há poucos dias tinha sido obrigado a depor numa delegacia do Rio de Janeiro atendendo a uma intimação do presidente do Clube Militar, general da reserva Renato Cesar Tibau da Costa – conhecendo Latuff, ficou indignado com o posicionamento do Centro Simon Wiesenthal e escreveu uma carta solidarizando-se com ele. Várias pessoas, entre os quais Eduardo Galeano, Anita Leocádia Prestes, Emir Sader, entre outros, subscreveram a carta de solidariedade a Latuff escrita por Tendler.

Stella Calloni, conhecida jornalista argentina, quando informada da existência da carta que se transformou em abaixo-assinado, fez questão de dar seu apoio e lembrou que um grupo de argentinos – entre os quais o Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel – que haviam organizado uma manifestação em favor dos palestinos também ganharam a absurda acusação de antissemitas.

Stella Calloni não conhece pessoalmente Carlos Latuff, como boa parte dos signatários, mas disse que fazia questão de subscrever o texto porque tinha vivido a mesma experiência, apenas não sendo ainda citada pelo Centro Simon Wiesenthal.

Na verdade, Latuff não poderia ser antissemita até porque é de origem semita, do ramo libanês, e o fato de ser um crítico da truculência de sucessivos governos de Israel – sobretudo o atual, de Benyamin Netanyahu – não poderia ser motivo para ser difamado de forma absurda como foi.

Latuff apareceu numa lista junto com partidos de extrema direita da Ucrânia, Hungria, Grécia e até integrantes de uma torcida de um clube de futebol londrino. Entre os dez maiores antissemitas, na visão do Centro Wiesenthal, encontra-se também o presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad, que tem recebido em várias oportunidades religiosos judeus iranianos críticos do sionismo, o que é pouco divulgado. Mas esta é outra história, que valeria ser aprofundada pelas editorias internacionais dos meios de comunicação brasileiros, que até agora foram incapazes disso, limitando-se a repetir declarações mal traduzidas (pelas agências internacionais de notícias) do próprio acusado, um crítico da política do Estado de Israel.

Apoios à carta

Como afirma Sílvio Tendler em sua carta de solidariedade a Latuff, “suas charges não são mais antissemitas que um artigo de Ury Avnery, Amira Haas ou de Gideon Levy, todos judeus, israelenses”.

Na verdade, a direita de Israel se tornou um grande foco de antissemitismo, e não os críticos da sua política expansionista e genocida. Esta é uma discussão que deveria também ocupar as páginas internacionais dos meios de comunicação, geralmente tão complacentes com as ações guerreiras do governo israelense.

E o que dizer do ex-chanceler Avigdor Lieberman, que acabou renunciando ao cargo ao ser acusado de ter protegido um empresário para evitar que sofresse as consequências de atos de corrupção? É também por isso que se deve entender a indignação de Sílvio Tendler e de seus seguidores no apoio ao cartunista Carlos Latuff. Sua carta de solidariedade acabou se transformando em abaixo-assinado que circula nas redes sociais.

Eis o texto:

Prezado Latuff:

Dia 19/12 fui depor na quinta delegacia a respeito de uma acusação mentirosa de constrangimento ilegal por parte de um grupo de militares sediciosos. No dia seguinte, você veio à minha casa hipotecar solidariedade, me entrevistou e colocou no Youtube.

Conversamos muito, inclusive sobre sionismo, semitismo etc. Te desafiei a irmos juntos a Israel e Palestina. Você me disse que não conseguiria entrar e, se entrasse, não te deixariam sair. Duvidei.

Você, infelizmente, tem razão.

Um centro criado para caçar criminosos nazistas, que perseguiram, mataram, deportaram, torturaram judeus durante a Segunda Guerra, agora é utilizado, de forma equivocada, para embaralhar sionismo com semitismo. Te consideraram como o terceiro maior antissemita da atualidade. Depois de você vem um clube inglês que, num bairro judeu de Londres, louva Hitler e as câmaras de gás; partidos efetivamente antissemitas na Grécia e na Ucrânia vêm depois do nome de um cartunista que usa sua arte para defender suas ideias.

Antissionista, sim; antissemita, não. Até porque, de descendência árabe, você também é semita e, afinal, somos todos igualmente circuncisos. Tuas charges não são mais antissemitas que um artigo de Ury Avnery, Amira Haas ou de Gideon Levy, todos judeus, israelenses.

O moldavo Lieberman, sim, é antissemita com o comportamento racista que destila ódio entre árabes e judeus, habitantes ancestrais de uma terra onde ele vive há pouco mais de dez anos.

Tua charge com Bibi espremendo uma árabe para tirar votos dos eleitores israelenses reflete uma triste realidade.

Esse rabino que te colocou nessa lista não sabe do que está falando.

Caminhemos junto rumo a um mundo laico e fraterno que congregue árabes e judeus num espaço de paz, progresso, respeito mútuo e fraternidade.

Solidariamente, Silvio Tendler

[Além de Silvio Tendler até o momento subscrevem o abaixo assinado, entre outros, Eduardo Galeano, Emir Sader, Eric Nepomuceno, Anita Leocádia Prestes, Stella Calloni, Bruno Altman, Max Altman, Urariano Mota, Fetera Flores (coletivo de base da Federación de Trabajadores de la Energía de la República Argentina, en CTA), Aurora Tumanischwili Penelón (Argentina), Igor Calvo (Miilitante del FNRP – Honduras)]

***

[Mário Augusto Jakobskind é jornalista]

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Lúcia Adélia Fernandes
 Enviado em: 05/01/2013 13:55:15
Minha total solidariedade ao jornalista.
 Arnaldo Mandel
 Enviado em: 08/01/2013 17:11:32
Uma coisa é defender o Latuff e questionar as acusações de antisssemitismo. Elas são, no mínimo, debatíveis. Outra é usar o argumento idiota de que ele não pode ser antissemita por ter "origem semita". Isso é pura ignorância; o termo antissemita é e sempre foi, desde sua origem na Alemanha do século 19, um sinônimo politicamente correto (avant la lettre) para anti-judeu. "Semitas" não existem.
 Eugenio Pacelli Lara Lara
 Enviado em: 15/01/2013 08:39:01
Não é novidade para mim as ações de setores de Israel, são piores que qualquer outra Nacionalidade, um povo escolhido por DEUS, mas nem por isso jugaram ele injustamente e mataram, queremos mais o que, que são os mesmos de 2013 anos atraz.

Mário Augusto Jakobskind

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Mentiras em nome da liberdade

Mário Augusto Jakobskind | Edição nº 694 | 15/05/2012 | 0 comentários

CUBA

O papel da imprensa no processo de mudanças econômicas

Mário Augusto Jakobskind | Edição nº 637 | 12/04/2011 | 0 comentários

LEITURAS DO GLOBO

Na seara da desinformação

Mário Augusto Jakobskind | Edição nº 631 | 01/03/2011 | 0 comentários

A QUEDA DE MUBARAK

Na luta pelos direitos humanos

Mário Augusto Jakobskind | Edição nº 629 | 15/02/2011 | 0 comentários

ONDAS DO RÁDIO

Quem não quer a Voz do Brasil?

Mário Augusto Jakobskind | Edição nº 624 | 11/01/2011 | 6 comentários

Ver todos os textos desse autor