SAÚDE PÚBLICA

Dengue, o nome do mosquito

Por Deonisio da Silva em 01/04/2008 na edição 479

Parece uma das dez pragas do Egito. Aliás, até pelo nome científico do mosquito transmissor: Aedes Aegypti, Casa do Egito.

A dengue continua assolando o Rio de Janeiro. No domingo (30/3), morreram duas mulheres. Uma no frescor dos 21 anos. A outra estava na flor dos 40, o equivalente a 20, pois a expectativa de vida dobrou no Brasil nos últimos cem anos, e com 40 a pessoa ainda não chegou à velhice.

As tendas da Aeronáutica e os hospitais de campanha montados à beira de avenidas e ruas mostram que as Forças Armadas, preparadas para enfrentar outro tipo de inimigo, estão combatendo os mosquitos.

O Hospital São Lucas, particular, de Copacabana, organizou área específica para atender as vítimas do minúsculo inimigo, entretanto terrível. E num cartaz que traz o inseto assassino, explica os sintomas: "Fezes pretas; vômitos freqüentes; muito sono ou agitação; dor abdominal; tontura; vista escura; desmaio; pele pálida, fria e seca; dificuldade respiratória; sangramento e diminuição no volume da urina".

Remédio oficial

Um verbo está sendo muito usado pelos cariocas. É parecido com o original latino que está na Bíblia. Escreveu São Jerônimo, tradutor da Bíblia para o latim, contando providência tomada pelos egípcios para combater uma das dez pragas, justamente aquela que transformou a água em sangue:

"Foderunt autem omnes Aegyptii per circuitum fluminis aquam, ut biberent; non enim poterant bibere de aqua fluminis".

O verbo "fodere" em latim não é palavrão. Seu significado é cavar. O conhecido palavrão português tem outra origem. É o latim vulgar "futere", que já estava na língua portuguesa no século 13.

O descalabro da saúde em nosso país não está apenas na falta de prevenção das doenças. Está presente também na língua portuguesa. Escrevi em "O Português das Bulas" (A Língua Nossa de Cada Dia, Editora Novo Século, pág. 217):

"As bulas de remédios são inúteis para os consumidores. Além de trazerem informações desnecessárias e assustadoras, vêm carregadas de advertências confusas, que podem abalar a confiança que os clientes têm nos médicos. O objetivo é fornecer argumentos aos advogados dos laboratórios em eventuais ações judiciais. Os consumidores que se danem".

E depois lembro o óbvio, ao comentar as cores que identificam medicamentos que requerem receita:

"Com faixas vermelhas ou pretas, os remédios custam sempre uma nota preta".

Será que o carioca vai precisar recorrer às famosas garrafadas para combater a dengue? Como se sabe, antigamente a embalagem mais comum dos remédios era uma garrafinha. Pendurada num cordão vinha a bula que tinha o fim de atestar que não era uma garrafada, era um remédio oficial. A garrafinha passou a ser denominada frasco. A substância, que era líquida, passou a ser oferecida em comprimidos.

O nome do bicho

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – parece nome de cartão de crédito – tomou a iniciativa de modificar as regras para a redação das bulas. Que os laboratórios chamem profissionais que saibam escrever. Por enquanto, as bulas continuam escritas em hieróglifos.

Os redatores das notícias sobre a dengue que assola o Rio de Janeiro estão errando a grafia do nome do mosquito que a transmite.

Podem consultar os dicionários, mas neste caso é preciso esclarecer que dentre os mais consultados do país, apenas o Michaelis diz que é Aedes aegyptii, errando o segundo nome. O Aurélio, o Aulete e o Houaiss grafam corretamente o nome do inseto, que é Aedes Aegypti, Casa do Egito. O Michaelis, usualmente muito confiável, ao mudar Aegypti para aegyptii, muda o nome para Casa do egípcio.

***

Escritor, doutor em Letras pela USP e professor da Universidade Estácio de Sá, onde é vice-reitor de pesquisa e pós-graduação; seu livro mais recente é o romance Goethe e Barrabás (Editora Novo Século); www.deonisio.com.br

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

Nenhum comentário.

Deonisio da Silva

OS LARANJAS

Estranhos redentores de abacaxis

Deonisio da Silva | Edição nº 701 | 03/07/2012 | 0 comentários

MERCADO FINANCEIRO

Bancos embromam a presidente

Deonisio da Silva | Edição nº 693 | 08/05/2012 | 1 comentários

CULTURA & MEMÓRIA

A presença judaica no Brasil

Deonisio da Silva | Edição nº 687 | 28/03/2012 | 0 comentários

ECOS DE MOMO

Carrus navalis, carnevale, carnaval

Deonisio da Silva | Edição nº 682 | 22/02/2012 | 1 comentários

BETTY MILAN

Todos querem ser ouvidos. E lidos

Deonisio da Silva | Edição nº 677 | 18/01/2012 | 0 comentários

Ver todos os textos desse autor