DESMISTIFICAÇÃO NECESSÁRIA

Deus e o diabo na terra do marketing

Por Ricardo Vernieri de Alencar em 30/01/2006 na edição 366

Na fase do cinema brasileiro denominada Cinema Novo, o filme Deus e o diabo na terra do sol, do cineasta Glauber Rocha, aborda a dualidade entre o bem e o mal, onde os personagens ora representavam o Diabo, ora representavam Deus. Porém, todos tinham Deus e o Diabo dentro de si e externavam ambos em determinadas situações da trama, desenrolada em pleno sertão brasileiro.

Sim, mas o que isto tem haver com marketing? Lembrei do filme por conta de minhas inquietações a respeito da percepção das pessoas sobre marketing. Em conversas, assistindo a reportagens, lendo jornais e sites na internet, sempre me deparo com opiniões sobre o marketing que o distorcem de seus princípios básicos, geralmente, abordando o assunto por um único ponto de vista. E, na maioria das vezes, ele é tratado como o vilão da história – o mal.

Acontecimentos recentes divulgados pela imprensa colaboraram para que as atividades de marketing e publicidade fossem percebidas por grande parte da sociedade brasileira como "ferramentas do Diabo". Bem, quando não se conhece algo tende-se a generalizar seu entendimento por meio do pouco do que se já ouviu falar sobre ele. É o que aparentemente esta acontecendo com o marketing e seus instrumentos de ação, como a propaganda, as ações promocionais, o merchandising e demais aplicações mercadológicas. Geralmente, o estereotipo sobre o marketing que é mostrado pela grande mídia de massa ajuda a fortalecer essa percepção por parte da sociedade. Porém, pouco se percebe que o "marketing" existia bem antes da Revolução Industrial e que não é invenção do capitalismo, embora o capitalismo o tenha aprimorado.

O marketing, em sua essência, existe desde que o homem sentiu necessidade de consumir algo que não poderia coletar da natureza ou produzir; a partir desse momento o homem precisou procurar em sua aldeia ou tribo alguém que possuísse o que ele necessitava e então tentar suprimir essa necessidade, a princípio, por meio de um processo de troca, hoje em dia conhecida como permuta. Portanto, marketing tem haver com pessoas e suas necessidades de consumo.

Já na complexa sociedade contemporânea os processos de troca evoluíram, a territorialidade do consumo passou da pequena aldeia ao universo virtual. Dependendo do tipo de necessidade, o consumidor pode optar por comprar o que vai consumir na esquina de sua casa ou pela internet. As relações sociais e profissionais exigem que o homem contemporâneo desempenhe vários papeis, portanto, suas necessidades aumentaram em relação ao homem da aldeia.

Objetivo e ética

Como necessidades são problemas a serem resolvidos, as pessoas se servirão muito mais do marketing do que o consumidor de antigamente. Podemos concluir então que é praticamente impossível viver no mundo moderno sem o marketing. Tudo que está ao nosso redor, literalmente, é fruto de uma (ou mais) ação de marketing. Alguém ou alguma organização teve que identificar uma necessidade, estimar a demanda, desenvolver um produto ou serviço, fabricá-lo e comercializá-lo, para que ele esteja suprindo a nossa necessidade.

Por isso, torna-se inevitável a desmistificação do marketing como algo negativo, já que todos de uma forma ou outra se beneficiam dele. É importante que a sociedade perceba o lado positivo do marketing, sua contribuição para a sobrevivência de todos os tipos de organizações, ou será que organizações como o Greenpeace, a Cruz Vermelha, a Rede Feminina de Combate ao Câncer, a Caminhada da Fraternidade e Órgãos Governamentais não precisam planejar e executar ações de mercado voltadas para seu público-alvo?

Será que um profissional liberal de sucesso consegue prescindir de uma boa estratégia mercadológica? Assim como um avião que pode transportar pessoas em menos tempo e também ser arremessado contra um aranha-céu, matando milhares de seres inocentes, o marketing pode contribuir para o bem e para o mal, dependendo do objetivo e da ética de quem o pratique.

***

Professor universitário, administrador e mestre em Administração

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Atílio Alvares
 Enviado em: 01/02/2006 22:23:00
O autor aborda apenas um lado da questão, usando as mesmas técnicas da propaganda para ocultar os resultados maléficos do marketing. As estratégias mercadológicas são usadas para nos convencer a adquirir produtos dos quais não precisamos; para comprarmos produtos que não têm qualidade ou que fazem mal à saúde (a indústria precisa lucrar); e até mesmo - e esse é o verdadeiro instrumento do diabo como cita o autor - a induzir a população a eleger políticos que aprofundam nossa miséria, enquanto os donos de empresas de propaganda mantêm contas no exterior e cinicamente não devem gastar seus dólares nas mercadorias que ajudam a empurrar goela abaixo do consumidor.

Ricardo Vernieri de Alencar