MÍDIA & SOCIEDADE

Os meios de comunicação e a juventude

Por Dal Marcondes em 31/03/2009 na edição 531

O jovem é o público preferencial dos meios de comunicação voltado para o entretenimento. Isto é reforçado pelo mercado publicitário que vê no público jovem um grande potencial de consumo. No entanto, o jovem não é notícia para os meios de comunicação considerados "adultos" ou formadores de opinião, como os grandes jornais ou telejornais de redes. Neste caso, o jovem é visto como agente de problemas e conflitos, e não como parte substancial da sociedade brasileira.

A sociedade brasileira tem uma certa incapacidade de ver o jovem como uma parcela de sua estrutura. Para a maioria das pessoas, quando o indivíduo chega aos 18 ou 20 anos, é visto como um adulto e não como um cidadão jovem que tem direitos e necessidades inerentes à sua idade. Sequer sob o ponto de vista econômico existe um olhar conseqüente e responsável de forma generalizada sobre a juventude. E os meios de comunicação não fogem a esta regra. Tratam o jovem em conflito com a lei como "menor infrator". Se "de maior", passa a ser simplesmente bandido.

A incapacidade da sociedade absorver o coletivo "juventude", em contrapartida à superproteção que as classes média e alta querem oferecer aos seus filhos, é uma das contradições mais marcantes do nosso tempo. Trabalha-se para oferecer mais educação e melhorar a qualidade desta oferta, mas sem uma conexão muito clara com a realidade. O mercado, formado por empresas e organizações que geram e distribuem riquezas, está sempre buscando alternativas mais eficientes e econômicas para otimizar seus ganhos. Enquanto isso, não existe uma reflexão sobre os impactos que algumas ações podem causar na juventude.

E os meios de comunicação, que deveriam estar mais preparados para apurar e mostrar estes impactos, em verdade não se dão conta, pois embarcam no discurso da eficiência empresarial. Um exemplo deste processo de otimização de resultados que afetou, e continua afetando, de forma negativa milhões de jovens, além de tornar-se um problema urbano importante em nossas cidades é a troca que as empresas fizeram dos antigos office boys por motoboys. Esta mudança fechou uma das mais importantes portas de acesso de jovens ao mercado de trabalho, sem nenhuma contrapartida, pois, enquanto os office boys transitavam dentro das empresas, conhecendo secretárias, colegas, gerentes e diretores, os motoboys vão de portaria a portaria, sem conhecer ninguém significativo para uma carreira profissional.

Padrão de consumo irreal

É muito comum entre pessoas mais velhas aqueles que entraram como office boy em uma empresa e cresceram em sua hierarquia. Cabe aos meios de comunicação esta visão mais ampla da realidade, em perspectiva, de forma a oferecer à sociedade uma reflexão sobre os impactos de suas ações individuais quando transformadas em padrões coletivos. Existem outros exemplos de fechamento de oportunidades de acesso de jovens aos degraus do mercado de trabalho, enquanto não há quase exemplos de novos canais com capacidade de absorver tantos jovens de baixa renda como este. Por outro lado, a "profissão" de motoboy está provocando uma verdadeira chacina nas ruas das grandes cidades, com jovens mutilados e mortos. E ninguém se responsabiliza por isso, a culpa é transferida aos próprios jovens, que precisam trabalhar e não têm alternativas.

Os grandes meios de comunicação têm na educação o seu tema social predileto. Nenhum outro tema social recebe tanta atenção nas páginas de jornais e nas telas da TV. Isso acontece porque existe um consenso social de que a educação é a única alternativa com alguma garantia de transformação social e de promover a mobilidade em uma sociedade com recordes de desigualdade. Mas, mesmo este tema de alta relevância e claramente voltado para a juventude, não tem este link imediato. Para muita gente, jovem é uma coisa, estudante é outra coisa. A condição de estudante coloca o jovem em um outro pano de fundo, a escola. E este universo é distinto do universo da rua.

A incapacidade dos meios de comunicação em oferecer à sociedade um quadro mais claro do que é juventude está expressa na formação dos guetos de percepção. Um sentimento que separa filhos, estudantes, "de menor" e "de maior". Não consegue uma unificação em uma categoria social chamada juventude, que tem definições claras sob o ponto de vista sociológico.

A Secretaria Nacional de Juventude, organismo ligado à Presidência da República, caracteriza jovens como as pessoas que têm entre 15 e 24 anos. Portanto, adolescentes e jovens adultos. A mesma diversidade que o Brasil tem sob o ponto de vista étnico e de estrutura social está representada na juventude. Existem muitas juventudes e cada uma delas tem uma relação distinta com os meios de comunicação. A mais perversa é aquela em que os meios de comunicação, principalmente aqueles dedicados ao entretenimento, mostram um mundo e um padrão de consumo além das possibilidades de serem alcançados. Esta relação é enfrentada de forma desigual nas escolas públicas, onde professores com pouco ou nenhum equipamento têm de contrabalançar os impactos desta comunicação desproporcional nas mentes jovens.

Práticas sociais sustentáveis

A desagregação dos padrões culturais vem com força, também, porque as diversas juventudes não se vêem representadas ou retratadas cotidianamente nos meios de comunicação. Mas sim, influenciadas para uma homogeneização em padrões que não necessariamente são possíveis e alcançáveis. Esta massificação de padrões, principalmente de comportamento e beleza, provoca tragédias. Nas periferias dos grandes centros, os jovens têm no crime organizado sua porta de acesso ao consumo, uma vez que, assim, conseguem dinheiro para comprar. Ou mesmo, roubam para ter. Este é um padrão que também está afetando a classe média, na medida em que estes jovens são ainda mais susceptíveis aos apelos de consumo.

No caso de meninas, o pior exemplo são os casos de morte por bulimia em uma tentativa extrema de ser "bonita" como as modelos. Estamos vivendo neste momento uma revolução nos processos de comunicação. Não se está mais limitado a uns poucos jornais e revistas, a meia dúzia de canais de TV e ao rádio. A sociedade brasileira e global está sendo bombardeada por centenas ou milhares de fontes de informações diferentes e ainda não sabemos direito o que fazer com isso e como trafegar nisto que se convencionou chamar sociedade do conhecimento. Esta questão tem duas vertentes importantes em relação à juventude: a primeira é que os jovens são a linha de frente em relação ao uso de novas tecnologias de comunicação; a segunda é que os jovens pobres ficam defasados em relação a este acesso.

Mas há uma terceira vertente para reflexão, e que tem a ver com a sociedade como um todo, que é o que fazer com as novas possibilidades de meios de comunicação que se abrem cotidianamente. A internet não é mais a última novidade, é apenas mais um meio de transmissão de dados, que agora são portáteis e que contam com penduricalhos como ipods e outros para carregar sons, textos e vídeos. A mídia, focada no consumo e nos aspectos meramente econômicos da decisão, que beneficia um grupo de tecnologia em detrimento de outro, não está enfrentando o debate substantivo que é a multiplicação potencial dos canais de TV aberta e com alta qualidade que a sociedade terá a oportunidade de ter. Serão dezenas de novos canais com possibilidades imensas de programação e de políticas editoriais.

Comunicação é concessão pública e a sociedade não questiona isso. TV e rádio dependem de concessão direta do Estado, enquanto jornais e revistas são agraciados com "imunidade tributária constitucional", como forma de impedir o cerceamento da opinião por parte dos governantes e oferecer informação a custo menor para a sociedade. Esta revolução do universo da comunicação, com o amadurecimento da internet e a multiplicação dos canais de TV e rádio através das tecnologias digitais, deve levar a uma reflexão maior sobre o compromisso dos meios de comunicação com práticas sociais mais conseqüentes e sustentáveis.

Grandes grupos são empresas familiares

E a juventude se encaixa aí. Ela precisa se ver representada e, ao mesmo tempo, devemos fazer uma reflexão social sobre como enfrentar as necessidades de mais de 35 milhões de brasileiros que, neste momento, têm entre 15 e 24 anos. Muitas possibilidades serão abertas sob o ponto de vista da comunicação comunitária com as novas tecnologias digitais. As rádios comunitárias, que hoje enfrentam boicotes por parte de governos e empresas graças a uma legislação absolutamente coercitiva, poderão ter mais espaço no espectro legal das emissoras porque haverá mais freqüências disponíveis. Hoje, estas emissoras são uma oportunidade de acesso aos meios de comunicação para uma parcela importante da população excluída de representação digna nos meios tradicionais.

É preciso que a sociedade esteja atenta ao que será feito de centenas de novos canais de TV e emissoras de rádio que estarão disponíveis com as novas tecnologias digitais. Assim como a ampliação do acesso à internet está dando chance a milhares de jovens de entrar neste universo virtual, onde meios de comunicação tradicionais, segmentados e alternativos têm a chance de se engajar no debate da juventude e da sustentabilidade. Tempos atrás, as várias pautas de desenvolvimento da sociedade eram tratadas de forma estanque. Problemas sociais não se misturavam a problemas ambientais ou econômicos. Isto não é mais válido para uma abordagem de sustentabilidade e as organizações econômicas e da sociedade civil já se aperceberam disto. Apenas ainda não sabem como fazer com que a visão integrada gere soluções que também estejam organizadas de forma sustentável.

O sentido de urgência da juventude, a sensação de rapidez das tecnologias da informação e o discurso da eficiência dos atores econômicos não correspondem à capacidade da sociedade de gerar soluções para o desenvolvimento. Não este do crescimento dos índices econômicos, mas sim, o crescimento sustentável, onde as atividades econômicas tenham por fim não apenas garantir o lucro dos acionistas, o que é legítimo, mas também cumprir objetivos e metas sociais, de sustentabilidade em seu tripé econômico, social e ambiental. Precisamos estar atentos ao caráter e objetivos dos meios de comunicação.

No Brasil, pela lei, uma empresa de comunicação deve pertencer a um brasileiro nato. Isto faz com que sejam controladas por pessoas físicas e acabam sendo dirigidas por famílias. Os grandes grupos de comunicação, quase todos, são empresas familiares. Alguns já estão sendo controlados por organizações religiosas, que também têm interesses muito definidos. Esta legislação, que garante acesso ao controle dos meios de comunicação a uns poucos privilegiados é retrógrada e precisa ser revista. Mas isto pode ser tema de um outro artigo.

***

Jornalista, diretor de Redação da Envolverde

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Pedro Celso Campos
 Enviado em: 31/03/2009 15:07:42
Dal, Tinha certeza que um batalhador da causa ambiental como você não poderia pensar diferente. O segmento da juventude é muito amplo. É um universo muito complexo que passa pelas variáveis de renda, formação cultural, costumes etc. A mídia não pode ignorar essa pauta. Aqui também, na Unesp, temos essa preocupação e um dos nossos projetos em andamento é exatamente a preparação do jovem estudante para uma outra pauta igualmente importante do jornalismo: exatamente o envelhecimento demográfico. Nosso país está envelhecendo. O Brasil terá 30 milhões de idosos antes da metade do século. Mas isto em nada invalida a preocupação com os jovens. Na verdade v. acertou em cheio: a maior preocupação dos meios é vender idéias, serviços e coisas para esse público exacerbando o consumo. Mas falta um jornalismo mais reflexivo, mais sério, mais profundo, mais comprometido com o futuro deste país e não apenas com modismos imediatistas. Um abraço. Pedro Celso Campos

Dal Marcondes

MÍDIA & MERCADO

As agências e o modelo de financiamento à informação

Dal Marcondes | Edição nº 741 | 09/04/2013 | 3 comentários

SUSTENTABILIDADE

A mídia e a opinião pública

Dal Marcondes | Edição nº 558 | 09/10/2009 | 2 comentários

Ver todos os textos desse autor