COBERTURA DA GRIPE

Tamiflu, o que é? A imprensa não explica

Por Paulo Rebêlo em 04/08/2009 na edição 549

Quanto mais casos de morte por gripe suína são reportados na América Latina, maior é o tom alarmista da imprensa e menor é o real conhecimento da população sobre variáveis presentes na cobertura. Da noite para o dia, o nome do remédio "tamiflu" ganhou as principais manchetes, diariamente, de jornais, revistas e televisão. Mas na maioria dos países latinos, pouco ou nada se ouviu falar sobre o medicamento até agora.

Excetuando-se reportagens isoladas e específicas sobre saúde, publicadas no passado e sem vínculo algum com a gripe suína, o Tamiflu é uma grande novidade para a maioria da população que desconhece esse remédio tão popular nos Estados Unidos. Por que? Ninguém sabe explicar ao certo e, até agora, a imprensa tem falhado em ir além do noticiário factual.

Críticas sobre potenciais efeitos adversos do Tamiflu também estão fora das manchetes, mesmo quando há precedentes até hoje pouco explicados, como mostra uma reportagem do Japan Times publicada no dia 20 de março de 2007. O Japão é o país que mais compra Tamiflu e há dezenas de casos de suposto suicídio por pacientes que usavam Tamiflu.

Estudos sobre efeitos colaterais do Tamiflu em crianças e efeitos nocivos à pele também não fazem parte da cobertura.

Santo Graal

No Brasil, após forte pressão dos médicos, o governo resolveu liberar de vez a prescrição de Tamiflu para pacientes que não estejam enquadrados no chamado "grupo de risco avançado". Há poucas semanas, somente a rede pública de saúde podia receitar o Tamiflu. E até cinco dias atrás, os médicos da rede particular podiam receitar somente em casos avançados da doença. Agora, qualquer médico pode receitar Tamiflu de acordo com seus próprios critérios.

O uso de drogas contra gripe é uma novidade para a maioria dos países latinos, os quais conhecem e usam apenas formas de vacina contra gripe e, mesmo assim, somente implementada em larga escala há poucos anos.

A falta de profundidade na cobertura da gripe suína não é exclusividade da América Latina. Há menos de duas semanas, o colunista do Los Angeles Times, James Rainey, criticou a superficialidade da imprensa americana, enquanto no Brasil diversas críticas tratam da irresponsabilidade dos jornais nas manchetes e notícias sobre a epidemia.

Muito pouco se fala ou se explica sobre o Tamiflu, uma espécie de santo graal da medicina atualmente em prática na América Latina contra a gripe.

***

Da equipe do blog do Knight Center for Journalism in the Americas

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Ivan Moraes
 Enviado em: 05/08/2009 12:09:14
"http://www.youtube.com/watch?v=cWr8sauk8CY&": Tamiflu eh arma terrorista apontada contra a populacao desde 1976. Aqui esta a prova: http://www.youtube.com/watch?v=cWr8sauk8CY&
 Fernando Moreira
 Enviado em: 06/08/2009 11:25:44
Tampouco este artigo esclarece qualquer coisa. Os jornalista não fazem mais pesquisa, apenas copiam blogs. Depois ficam espantados porque cai o número de leitores da imprensa tradicional. Obtem-se mais informação sobre qualquer assunto com uma pesquisa nos portais de busca.
 Nathaly Garcez
 Enviado em: 06/08/2009 22:40:54
Também achei que o artigo pecou em não trazer nenhuma informação sobre o Tamiflu. Faz a crítica à imprensa, mas no fim o autor não foi se informar pra dizer o que realmente é o remédio... a crítica se tornou vazia.
 Lúcia Nunes
 Enviado em: 07/08/2009 00:56:44
Ivan! Sou jornalista diplomada e fui até o Youtube ver a "propaganda" de uma vacina para gripe suína em 1976. Nada a ver com "vacina". Esta gripe não é suína e sim humana, portanto não há vacina. A gripe aviária já existe há anos e foi tratatada com tamiflu. Este, do laboratório Roche tem um concorrente que é o Relenza (Glaxo...) O princicípio ativo de ambas marcas comerciais é pura e simplesmente FOSFATO DE OSELTAMIVIR. Descobri há pouco que é o componente para tratar a GRIPE AVIÁRIA. Portanto podemos contornar nas primeiras 48 horas a Influenza A - H1N1 com a vacina para Gripe Aviária (fosfato de Oseltamivir). Não adianta pensar em efeitos colaterais: se tivermos confirmação de H1N1, ao administrarem nas primeiras 48 horas dos sintomas graves (ainda que parecidos com a gripe comum grave) temos a chance de sobreviver. A gripe A - H1N1 ou Influenza A - H1N1 é humana, tanto que infecta porcos. No Canadá um funcionário voltou do México (espirro/tosse) e infectou o ambiente da criação de milhares de porcos... Os especialistas insistem que esta gripe - Influenza A - H1N1 - não deve ser chamada de suína. A gripe comum, também sazonal é também Inluenza A, mas há H3N2, H5N3, que pode mutar com H1N1. Nada de pensar em efeitos colaterais. Se for H1N1, conforme o organismo dá complicações como pneumonia.http://castelointerior.wordpress.com/mundo/mundo-geral/. A omissão também mata.
 Marcelo Corazza
 Enviado em: 07/08/2009 01:24:58
Se a imprensa não noticia é porque não corre atrás da informação. O Tamiflu e o Relenza são as únicas drogas capazes de tratar a gripe A. Como qualquer droga nova (como é o caso do Tamiflu) ou não, ela está sujeita a efeitos colaterais. Todos os médicos (no Brasil) podem receitar o Tamiflu em caso de suspeita de gripe A para que não ocorram óbitos, pois a burocracia retardava a aquisição do medicamento de imediato. Sendo assim, a partir deste momento é que a imprensa deve tomar seu papel, noticiando informações sobre o Tamiflu, principalmente na iminência da resistência viral por parte deste medicamento pelo uso descontrolado; nossos médicos estão preparados para prescrever Tamiflu? mycorazza@uol.com.br
 Arturo Fatturi
 Enviado em: 07/08/2009 11:31:33
Cara Jornalista Lúcia Nunes: você diz "Portanto podemos contornar nas primeiras 48 horas a Influenza A - H1N1 com a vacina para Gripe Aviária (fosfato de Oseltamivir)". Mas antes disse não ser uma vacina, suas palavras são "Nada a ver com "vacina". Esta gripe não é suína e sim humana, portanto não há vacina". Isto está contraditório! Você deve ter se enganado quanto ao termo "vacina". Não?
 Lúcia Nunes
 Enviado em: 07/08/2009 12:58:28
Leiam abaixo, por favor, alguns dados sobre a Influeza A-H1N1, mas desconsiderem minha troca de palavras, já que meu texto afirma enfaticamente que não há vacina para gripe H1N1. O que há é o uso do FOSFATO DE OSELTAMIVIR - componente básico do Tamiflu ou Relenza, marcas de dois laboratórios. O Tamiflu foi usado como tratamento para Gripe Aviária (não lembro ao certo - H5N3), e a OMS está aplicando para a H1!N1, que é uma cepa humana, portanto não é suína. Nós é que contaminamos os porcos. O que há é mutação entre todas. Sobre o vídeo, tal como comento abaixo, é uma propaganda que anuncia "vacina para gripe suína", em 1976. Como é suína (talvez mais branda, tal como a comum, do tipo B) usaram com eficácia em seres humanos a aplicada nos porcos. Vejam bem, como afirmo abaixo, os especialistas dizem que é inexato chamar a Influenza A-H1N1 de "gripe suína". Ela é humana. Na verdade surgiu misteriosamente no México a partir de uma multinacional de produtos suínos.... A manipulação para fabricação de vacinas é perigosa. Minha tese é que a "pura" - H1N1 (viram que tanto a aviária como a de porcos tem na nomenclatura "HN"?) escapou do laboratório... Agronegócios.///
 nilton franzoi
 Enviado em: 07/08/2009 13:13:44
o objetivo da imprensa nao é informa,é vender noticia,nao importa a gravidade do assunto o que vale é quanto custa,lembram do BUG do Millennium quando tudo sera um apagao geral,todos compravam velas,chegou 2000 e a desculpa esfarrapada nos estados unidos é que um garoto descobrio um geito de enganar o computador sendo que o proprio computador processaria automático o 00 como ultimo digito no ano e nada de anormal aconteceria,mas a imprensa criou uma polêmica para gerar lucros. O que a imprensa nao acordou ainda,é que a gripe A nao é um Bug,é um caso de vida ou morte,é hora de parar com a hipocrisia e cumprir com seus compromisso informativo.
 Mário Silva
 Enviado em: 07/08/2009 13:37:44
Meu Deus, Lúcia Nunes, como você conseguiu um diploma de jornalista escrevendo mal desse jeito? Você tem a redação de uma criança de ensino fundamental! Aprenda a expressar suas idéias antes de sair falando do seu diploma. Você está envergonhando a sua classe.
 Marcelo Corazza
 Enviado em: 08/08/2009 01:03:57
Concordo com o Sr. Mário Silva; eu não entendi nada do que ela escreveu! Saliento ainda que o Tamiflu e o Relenza não são medicamentos que possuem o mesmo princípio ativo; o Tamíflu é o oseltamivir e o Relenza é o zanamivir. mycorazza@uol.com.br
 Arturo Fatturi
 Enviado em: 10/08/2009 01:42:19
Era só o que faltava....engenheiro fazendo correção de redação. É bico? O texto da Lúcia está bom. Meu Deus, como alguém pode ser tão ofensivo. Contudo, não se preocupe Sr. engenehiro e Sr. famaceutico os suínos são apenas hospedeiros e não vetores. Os Srs. estão isentos.
 Lúcia Nunes
 Enviado em: 10/08/2009 02:27:09
Sou diplomada sim, e não escrevo como uma "criança do fundamental". É tanta a desinformação de vocês sobre a Influenza "A "-H1N1, que resta o espanto. Mas, isto não é novidade país, dada a tentativa do Governo e poderosos da imprensa de mascararem os fatos. Vou informá-los da "última": a H1N1 foi recriada do DNA de um corpo de vítima da gripe espanhola, no início dos anos 90. Um virologista e um bacteriologista da Fiocruz já haviam dado entrevista à Veja, em 2003, e isto foi publicado na internet. Está na imprensa do Brasil deste final-de-semana, já que saiu na Nature e Science. Portanto, vocês possuem uma dificuldade assustadora para compreender a semântica de um texto. Pudera! Se trata de um engenheiro e e um farmacêutico desinformados, e que acham que o que não conhecem é mal escrito... O nível da ofensa me indica o grau de informação e de inteligência de ambos, já que o assunto é complexo. Se vocês são profissionais como compreendem um texto, Deus! Que Ele nos livre de morar em um edifício com a sua assinatura, sr. engenheiro, ou então, sr. farmacêutico, que nos impeça de tomar uma vacina produzida sob sua "orientação". Para os demais leitores do OI informo que há, por vezes, "linha cruzada" entre cientistas e especialistas da OMS sobre a evolução e letalidade da Gripe A - H1N1: http://castelointerior.wordpress.com///

Paulo Rebêlo

MANUAL DE VERIFICAÇÃO

Como checar o conteúdo divulgado em redes sociais

Paulo Rebêlo | Edição nº 806 | 08/07/2014 | 0 comentários

INTERAÇÃO & DESINFORMAÇÃO

Não fale conosco

Paulo Rebêlo | Edição nº 766 | 01/10/2013 | 0 comentários

JORNAL DIÁRIO

Reforma não sai porque o gesso não quebra

Paulo Rebêlo | Edição nº 743 | 23/04/2013 | 0 comentários

CONTEÚDO PAGO

Paywall à brasileira

Paulo Rebêlo | Edição nº 686 | 20/03/2012 | 0 comentários

THE DAILY

Jornal para iPad é uma frustração

Paulo Rebêlo | Edição nº 628 | 08/02/2011 | 0 comentários

Ver todos os textos desse autor