LEITURAS DO GLOBO

Fé nos universos paralelos

Por Michelson Borges em 20/11/2012 na edição 721

O jornal O Globo publicou recentemente matéria sobre a teoria dos multiversos e entrevistou o cosmólogo sul-africano George Ellis, que esteve no Brasil como um dos convidados do 17º Ciclo de Cursos Especiais (CCE) do Observatório Nacional. Segundo o jornal, as teorias sobre a existência de muitos universos são variadas e foram classificadas em quatro tipos básicos pelo também cosmólogo Max Tegmark: multiversos de níveis um, dois, três e quatro, cada um deles abarcando aspectos do nível anterior. Segundo Ellis, o multiverso nível 1 é praticamente um consenso entre os cientistas: “Ele prevê que no nosso próprio Universo há uma parte que podemos ver e outras partes além do que podemos ver”, conta. “Só porque há um limite até onde podemos ver, um horizonte para nosso Universo observável, isso não impede o Universo de continuar existindo além dessa fronteira. É como estar na Terra e ver o horizonte: a Terra não acaba no horizonte.”

Já os multiversos de nível 2 têm que ver com a tal “inflação caótica”. Diz Ellis: “Há centenas de versões da inflação e algumas delas implicam o surgimento dos multiversos, que respondem a essa questão de por que as leis da física do nosso Universo são favoráveis para a vida existir. A única explicação que temos é que, se há suficientes variações das leis da física no multiverso, eventualmente, em algum lugar, as constantes terão os valores certos.”

Com respeito aos multiversos de nível 3, o cosmólogo comenta: “Essas ondas [quânticas] continuam se dividindo em mais e mais partes, e cada uma corresponde a um universo diferente, é o multiverso de múltiplas histórias. Mas essa visão de que há infinitas cópias de nós em infinitos universos paralelos me parece mais com um tipo de sonho. Não entendo como alguns dos meus colegas acreditam que isso é uma boa teoria.”

Um universo perfeitamente “tunado”

Por fim, os multiversos de nível 4 estão relacionados com a Teoria das Cordas e Ellis admite: “O problema é que a Teoria das Cordas ainda não foi bem testada nem sequer bem formulada. Assim, não é verdade que os multiversos são um resultado necessário da física que conhecemos, mas um resultado possível da física que pode ser que esteja certa.”

Mas a maior admissão de Ellis se refere ao fato de que todas essas teorias não podem ser verificadas com observações e experiências. “Temos que perguntar a nós mesmos: Na ciência é mais importante ter uma boa explicação ou uma teoria que seja verificável por observações? As teorias de multiversos são todas muito especulativas, então tudo que podemos fazer é dizer: ‘Não sei o que está acontecendo lá fora, mas conheço a física que vai nos dizer o que está acontecendo.’ É da natureza dos multiversos nunca termos qualquer evidência deles. Os multiversos são uma boa teoria explicatória, mas acreditar neles continuará a ser uma questão de fé e por isso chamaria estas teorias de filosofia cientificamente inspirada.”

Aparentemente, a teoria dos multiversos visa a convenientemente “explicar” o fato de o Universo ter as condições ideais para o “surgimento” e a manutenção da vida (princípio antrópico). Como explicar a origem de um universo perfeitamente “tunado”, com leis e constantes finamente ajustadas que sugerem a ideia de que o cosmos parecia já estar esperando por nós?

As evidências da “cena do crime”

Para fugir à constatação do óbvio (o Universo foi inteligentemente projetado para conter vida), apela-se à hipótese (sonho!) de que, em lugar de um, deve haver inúmeros universos. Então, com tantos universos “à disposição”, num deles, pelo menos, deve ter havido condições para o “aparecimento” da vida. Só que, como compara William Craig, em seu livro Em Guarda, imaginar que nosso universo “tunado” pudesse simplesmente “surgir” seria como acertar com uma flecha uma mosca pousada numa parede a muitos quilômetros de distância. Pensar nos multiversos seria como acrescentar muitas e muitas moscas na mesma parede, o que não resolve o problema, pois o arqueiro teria que acertar a mesma flecha na mesma mosca, afinal, é o nosso universo que está configurado para conter vida.

Agora, por favor, leia novamente a última declaração de George Ellis, acima. Note que ele admite que a teoria dos multiversos não dispõe de evidências e que se deve acreditar nela pela fé. Curiosamente, tanto o criacionismo quanto a teoria do design inteligente contam com inúmeras evidências de design inteligente e intencional na natureza. Evidentemente que a ciência experimental não pode afirmar nada sobre a natureza do Designer (isso pertence ao campo da teologia), mas pode, como ocorre com a ciência forense, destacar as digitais do Criador, as evidências da “cena do crime”. No entanto, porque abraçam a priori o naturalismo filosófico (não aceitam que exista nada além do natural), cientistas ateus descartam as evidências favoráveis à ideia de design inteligente enquanto abraçam e defendem “sonhos” hipotéticos desprovidos de qualquer evidência empírica, como é o caso da teoria dos multiversos.

Entre uma fé e outra, prefiro aquela que dispõe de mais evidências e maior razoabilidade.

***

[Michelson Borges é jornalista e editor do blog www.criacionismo.com.br]

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Rafael Schroder
 Enviado em: 21/11/2012 08:26:19
Realmente, quando se observa as probabilidades de tais fatos, vemos o impossível tornando-se possível em um oceano infinito de condições desfavoráveis. Assim, particularmente, fica extremamente complicado dar crédito a visão naturalista. Crer que tudo veio do nada e caminha para o nada, ao meu ver, é uma decisão bastante audaciosa e solitária. Rafael S. ultimolivro.blogspot.com.br facebook.com/ultimolivro
 Edson marcon
 Enviado em: 22/11/2012 12:27:57
Ninguem precisa ter FÉ nessas teorias, elas são apenas especulações teóricas, e talvez TODAS estejam erradas. Mas o que é importante ressaltar aqui é que, mesmo se elas estiverem erradas, isso NÃO SIGNIFICA que o CRIACIONISMO esteja certo. Não existe isso que muitos acham, de que se uma teoria científica estiver errada, então e religião está certa. ISSO É BOBAGEM!! Se uma teoria científica estiver errada, ela é descartada e se procura OUTRA teoria CIENTÍFICA, ao invés de se recorrer a supertições sobre a criação do universo.
 A.Porto Rosa Filho
 Enviado em: 23/11/2012 12:23:19
O pior é que os neo ateus engolem estas balelas, simplismente pórque o cientista que as espalha, geralmente é ateu. As evidências que se danem.
 Edson Marcon
 Enviado em: 23/11/2012 14:09:42
interessante ver pessoas criticando a ciência, achando defeitos, até os que não existem. Mas fazem isso usando internet, computador, telefone celular... Por acaso essas coisas foram presentes dos deuses? E quando doentes, correm pro hospital (medicina é ciência também). Só porque a ciência não te dá a resposta que vc quer ouvir, ela é ruim?
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 23/11/2012 16:36:46
Prezado Edson, com todo o devido respeito à sua pessoa, esta sua última crítica pareceu-me frágil e inapropriada. Explico-lhe o porquê: Teístas em geral (criacionistas, inclusive) não creem que recursos tecnológicos sejam "presente dos deuses"... até onde eu saiba, no máximo, eles creem que a inteligência e habilidades humanas que possibilitaram o advento de tais invenções, estas sim, sejam "dádivas divinas". Agora, por favor, esclareça-nos o seguinte: Que ligação isso tem com o assunto em foco no presente artigo? Acaso telefones celulares, computadores e internet foram desenvolvidos com base nessa teoria dos multiversos, que você mesmo chama de "especulações teóricas que podem estar todas erradas"? Ora, diferente do que você parece querer fazer que acreditemos, ninguém aqui está advogando a ideia de que a ciência seja algo ruim ou uma "coisa do capeta". Até mesmo porque vários cientistas do passado e da atualidade foram e ainda são crentes, e isso não os impediu e não os impede de serem honestos intelectualmente e nem de produzirem uma ciência relevante.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:43:15
Argumentos do desespero Bom, o texto “Fé nos Universos Paralelos” nos brinda com um show de argumentos da ignorância, não a parte que se refere ao artigo científico, mas àquela que o sr. Michelson começa a tratar de seu designer. Aqui ele adentra o meu universo, o mundo da física teórica... O multiverso realmente não se trata de um resultado necessário para que o universo exista. Todavia é um cenário possível que vem se desenhando com a teoria das cordas. Esta teoria ainda se encontra em seu nível matemático e ainda não temos tecnologia para testá-la. Imagine o seguinte: Se a Terra fosse d tamanho do universo, as cordas teriam o tamanho de uma árvore de uns 6 metros de altura, ou seja, elas se encontram n comprimento de Planck (1,6 X 10 ^-35 m). Ainda não chegamos nesse nível de “pequenez”. O que temos na teoria das cordas é o que se denomina evidência indireta, onde reside a maioria das pesquisas científicas. Ex. quem já mediu a temperatura de Alfa Centauri A, quem mediu quanto de nitrogênio tem na atmosfera de Jupiter, quem até hoje viu a macroevlução atuar, quem já viu um átomo ou um elétron, quem já viu pausadamente uma reação química ocorrer e descrever seu mecanismo com base em orbitais (quem já viu um orbital). Pois é, isso tudo se baseia na evidenciação indireta.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:44:31
Ou seja, não precisamos ir ao laboratório e repetir um trilhão de vezes um experimento para se considerar uma teoria válida. O multiverso, ao menos por enquanto, não se trata de uma circunstância fática, porém há indícios de que ele possa existir. Para mim, vejo como mais provável aquele de nível 4. A teoria das cordas elimina problemas que ocorrem com as singularidades, comuns na física clássica, pois trabalha com dimensões. Há esperanças de que ela seja uma teoria do tudo, o que explicaria a gravitação quântica e as demais forças do universo (eletromagnética nuclear forte e nuclear fraca), integrando-a ao modelo padrão da física. Esta teoria também tem levado a descobertas na teoria da supersimetria, a qual pode ser testada no Grande Colisor de Hadrons. A dividirmos o átomo, chegamos às partículas elementares, para as quais a teoria das cordas, as considera como formadas por energia vibrando de forma distinta, o que resulta no grande zoológico de partículas que conhecemos. De início a teoria das cordas surgiu para explicar o comportamento dos hadrons (partículas compostas por quarks devido à interação forte), no que se refere ao momento angular de um hádron que é exatamente proporcional ao quadrado de sua energia.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:45:45
Assim, criou-se um modelo onde cada hádron era de fato uma corda rotatória, movendo-se de acordo com a teoria da relatividade especial. Nasce a teoria das cordas bosônicas. A teoria das cordas também prediz o número de dimensões que o universo deve possuir e vai além das 4 dimensões da teoria da relatividade geral, pois a invariância de Lorentz (as leis da física têm que tomar a mesma forma em todos os marcos de referência inerciais) somente se satisfaz com 26 dimensões para as cordas bosônicas!!! Na teoria das supercordas e há 10 dimensões e, na teoria-M, 11 dimensões. Porém há que se considerar como essas dimensões se reduzem ao espaço em 4 dimensões Este problema se resolve das seguintes formas: A primeira é a compactação das dimensões extras. As 6 ou 7 dimensões extras são tão pequenas que não são detectadas em nossos experimentos. Obtém-se a solução de modelos em 6 dimensões por espaços Calabi-Yau. Em 7 dimensões, elas são chamadas distribuições G2 (grupos de Lie simples). Essencialmente estas dimensões extras estão "compactadas" pelo seu enrolamento sobre elas mesmas. Outras possibilidades é que nós estejamos presos em subespaço com 4 dimensões de um universo com mais dimensões, onde 3 são dimensões espaciais e uma é temporal, sendo que este subconjunto excepcional pode ser parte de um conjunto maior de dimensões.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:46:57
Outras possibilidades é que nós estejamos presos em subespaço com 4 dimensões de um universo com mais dimensões, onde 3 são dimensões espaciais e uma é temporal, sendo que este subconjunto excepcional pode ser parte de um conjunto maior de dimensões . Todavia estas excepcionalidades são onipresentes nas variedades “n” de Calabi-Yau, descritas como subespaços sem deformações locais. O espaço-tempo pode ser estratificado, em várias dimensões, permitindo-nos habitar o estrat de 4 dimensões. Estas geometrias ocorrem naturalmente nas variedades de Calabi-Yau e envolvem objetos chamados D-branas, definidas pelo fato de que as fronteiras do universo se unem a elas, onde as cordas abertas se conectam, o que leva às teorias de calibre . Os multiversos têm sua explicação a partir da Teoria –M . Esta teoria é formada pela conexão das 5 teorias de cordas(tipo IIA, IIB, I, SO32, E8XE8), descritas como a mesma coisa, porem vista de formas distintas, que é a teria da membrana (o provável significado de M). Pela teoria M, nosso universo e outros são criados por colisões entre p-branas num espaço com as dimensões 11 e 26 (o número de dimensões depende da quiralidade do relógio), sendo que cada universo toma a forma de uma D-brana.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:47:58
Os objetos em cada universo estão confinados a sua D-brana, podendo interagir com outros universos através da gravidade, que não se restringe a D-branas. O multiverso com seus infinitos Universos é onde todas as probabilidades quânticas de eventos podem ocorrer, pois há espaço suficiente para acoplar outros universos nessa estrutura dimensional maior. Para que as equações representativas da teoria das cordas sejam matematicamente consistentes, uma corda deve vibrar em 10 dimensões de espaço-tempo, o que implica a existência de seis minúsculas dimensões adicionais. O quadro da teoria das cordas é bem mais complicado que aquele apresentado pela teoria de Kaluza e Klein, mas sua matemática é mais unificada e completa. O tema de ambas é o mesmo: as leis físicas que enxergamos dependem da geometria de dimensões adicionais ocultas. A questão de porque existem certas leis físicas em detrimento de outras se refere à energia de vácuo. Esta é energia do espaço-tempo, quando as quatro dimensões grandes estão completamente livres de matéria ou de campos. A geometria das dimensões pequenas tenta se ajustar, a fim de minimizar esta energia, tal como a bola sobre o topo de uma rampa que rola para baixo.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:48:59
Para melhor compreender leia aqui em, “O Panorama das Cordas” http://cienciaxreligiao.blogspot.com.br/2010/06/maus-usos-da-filosofia-e-ignorancia_26.html e sobre a afinação do universo ler aqui: http://cienciaxreligiao.blogspot.com.br/2010/06/introducao-em-minhas-andancas-pela.html A questão do universo se resume á natureza propriamente dita, no que concerne as suas leis físicas, dependentes da aleatoriedade de flutuações quânticas que podem ou não gerar as condições para que universos ocorram, com as propriedades físicas mais esdrúxulas e bizarras que possamos imaginar possíveis de abrigar vida ou não. Dessa forma, estabelecer o determinismo de um “universo inteligentemente projetado”, não passa de um “argumento da ignorância”. A parede a muitos quilômetros da flecha é uma alusão completamente errada. Porém se eu estiver próximo a esta parede e me colocarem uma venda e dentre infinitas moscas eu tiver que acertar em umas poucas, sendo que eu indefinidamente me mantenha atirando nas “mosquinhas do Craig”, certamente que acertarei aquelas poucas escolhidas. Craig fala o ululante, é claro que este universo é configurado para a vida, afinal estamos aqui!!! O que há de brilhante neste argumento?
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:50:05
A teoria dos multiversos sequer pode ser ainda uma teoria, pois não sabemos se isso se trata de uma circunstância fática, para então explicarmos como esse fato ocorreu. O que temos no momento é uma “curiosidade matemática” chamada teoria das cordas que pode solucionar muitos problemas da física quântica, como explicar a gravidade no modelo de forças e qual a razão das partículas elementares serem como são. Se tomarmos grupos de Lie (estudos de Garret Lisi), veremos que muitas partículas que já conhecemos se enquadram em seus modelos, sendo que eles predizem a existência de coisas como o gráviton e prediziam o bóson de Higgs que parece ter sido encontrado. Ou seja, há um caminho e um fundo de “teoria” na teoria das cordas, que ainda deve ser vista cm cautela. Discordo de Ellis ao se referir à questão como meramente de fé, pois nenhum cientista crê em multiversos. Eles apenas apareceram quando brincamos com a teoria-M e mostram suas propriedades malucas. Se eles existem ou não, é uma outra história que pode ser que um dia desvendemos. O resto é o festival de balelas criacionistas. Michelson, pela “N” ésima vez: O DESIGNER E O DESIGN NA NATUREZA EXISTEM SIM. PARA A VIDA SE CHAMA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES E PARA O UNIVERSO SE CHAMA 4 FORÇAS FUNDAMENTAIS, SENDO ESTAS DEFINIDAS POR PROPRIEDADES DE EM QUE VÁCUO SE SITUA O NOSSO UNIVERSO.
 elyson scafati
 Enviado em: 23/11/2012 20:50:54
A comparação do designer com a ciência forense foi bárbara!!! Michelson, à medida que o conhecimento científico avança, deus ou o diabo do designer (o eufemismo de deus) se esconde cada vez mais nas lacunas ainda não exploradas. Ou seja, as digitais desse ser metafísico se esvanecem dia-a-dia. Gostei, finalmente vc foi honesto e confessou que o designer é uma questão de teologia, ou seja este é deus não o predador, o ET, a galera do 4 de julho de guerra dos mundos ou o carinha de Prometeus. Ou seja, DI É CRIACIONISMO DISFARÇADO DE CIÊNCIA. Mis uma vez Michelson sobre o naturalismo (vc parece ter bloqueio contra o que questiona e derruba sua ideologia; isso é lavagem cerebral!!!), leia aqui: http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_pior_cego_e_o_que_nao_quer_ver a ciência se vale do naturalismo metodológico e não do naturalismo filosófico. São conceitos muito diferentes, como explicado no link. As evidências de design na natureza não são descartadas, pois elas estão ai para quem quiser ver (é claro que o “criador demente”, digo, “inteligente”, cometeu muitos erros de projeto e desperdícios incalculáveis). O que se descarta é a possibilidade do designer atuar na natureza e mesmo de existir. Não há evidencia empírica do multiverso, mas há uma matemática. E do designer cadê? Oppsss! É proibido falar sobre ele nesta [SIC] teoria
 Wagner Cortes
 Enviado em: 23/11/2012 22:03:02
Ola, eu sou cristao, professor e pesquisador na area da matematica. O nosso caro senhor Ellis esqueceu que muitas teorias em fisicas que foram comprovadas tiveram sua prova existencial pela matematica. Um exemplo bem claro disso e os buracos negros, matematicamente estava comprovado que tinham que existir e so algum tempo depois que conseguiram verificar atraves dos telescopios e tecnologias que dispomos. Existem cinco equacoes matematicas, que agora nao me lembro os nomes que estao em convergencia para provar matematicamente a existencia de universos paralelos ( ou multiversos). Isto comecou a ganhar forca de novo com os estudos da materia escura. Feliz sabado para todos!!!!
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 24/11/2012 00:15:07
Tudo depende da visão das coisas. Misturar as coisas leva grande problema de raciocínio. Mas se existe problema, ao menos na matemática, isso pode ser solucionado. Não sou físico, mas qualquer teoria a respeito do universo, é só isso mesmo. Não se pode provar, apenas conjecturar idéias, "sonhar" com o que pode ser, ou mesmo pode ter sido. Por isso teoria a respeito do universo, não deve ser entendida como ciência, visto que não se tem certeza do que se estuda, nem mesmo do que vê, e também não pode ser analisado em laboratório. Comentar a respeito do universo, com as várias teorias que assim surgiram ou mesmo surgem, está mais para filosofia, do que para ciência experimental, real. "Deixemos as estrelas onde elas estão", pois não podemos alcançá-las para estudo. Expansão do universo, se há mais de um universo, ou somente este... tudo isto são conjecturas que não levam a nada. Não traz proveito nenhum para a humanidade.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 24/11/2012 00:20:11
Comentários acerca do universo são apenas ilusões sem proveito. Estudos acerca da expansão do universo, ou qualquer outro tema relativo a isso, não passa "sonhos" inalcançáveis para a humanidade, além de perda de tempo.
 elyson scafati
 Enviado em: 24/11/2012 09:15:54
[Teorias sobre o universo não devem ser entendidas como ciência...] De onde vc tirou esta pérola? Quando começamos a estudar algo não fazemos ideia de onde chegaremos. Como já lhe disse não é somente o que se faz em laboratório que pode ser considerado como experimento. Aliás, vc conhece alguém que enfiou um termômetro no Sol ou na atmosfera de Plutão? Como será que eles sabem qual a temperatura no centro da Terra? Será que cavaram um buraco e foram até lá? Filosofia, Etevaldo, possui uma metodologia bem diferente da científica. Ela não recorre a procedimentos empíricos sobre suas questões, somente em argumentação racional. Se apontarmos um telescópio visual, de infravermelho ou de raios gama para um ponto no universo, colheremos muitos dados sobre o que estamos vendo (não vemos aquelas fotos lindas, vemos quase nada e, conforme os comprimentos de onda emitidos, é que construímos as cores. Assim, podemos estudar novos sistemas solares, galáxias estrelas e mesmo detectar coisas bizarras como a matéria escura, que não sabemos o que é, por meio de algo chamado lente gravitacional (imagine vc estar na sala de sua casa e de repente a luz de sua TV mudar de direção e apontar 90 graus a sua direita. Pois é isso existe no universo e alguma coisa faz isso.
 Elyson scafati
 Enviado em: 24/11/2012 09:16:53
Quer dizer que estudar o universo não leva a nada? Então meu caro, comece desligando e se livre de seu computador, celular, máquina fotográfica digital, GPS, forno de microondas e Tv LCD, pois toda a tecnologia deles é baseada na física quântica (que integra o eletromagnetismo, a força nuclear forte e a fraca) que começou com o estudo do efeito fotoelétrico e se tornou a adversária da teoria da relatividade (que trata da gravidade) na explicação de como o universo funciona. A teoria das cordas é, até o momento, a única teoria que deu um lampejo em unir essas duas teorias e formar uma teoria de tudo integrando as 4 forças. Para que isso serviria? Imagine se entendermos com a gravidade funciona e por que as coisas têm massa. Poderemos ter algo como o inversor gravitacional, que facilitaria as viagens espaciais e poderíamos sintetizar matéria a partir de energia e mesmo teleportar materiais por meio de um buraco de minhoca. Mas isso é ficção e está bem longe de nossa realidade, porém é o que esta fronteira da física promete.
 elyson scafati
 Enviado em: 24/11/2012 09:18:38
Acho que vc deve reconsiderar seus conceitos, pois a visão que vc tem acerca cosmologia (ramo da astronomia que estuda a origem, estrutura e evolução do Universo), astronomia (ciência natural que estuda corpos celestes e fenômenos que se originam fora da atmosfera da Terra), astrofísica (ramo da Astronomia que lida com a Física do Universo, incluindo suas propriedades físicas relacionadas a objetos astronômicos e também das suas interações) e física quântica (teoria física que estuda sistemas físicos cujas dimensões são próximas ou abaixo da escala atômica, e de outras partículas subatômicas, que também descreve fenômenos macroscópicos em diversos casos) é algo bem limitado para não dizer triste. Sem contar que é bem interessante saber de onde vc veio de verdade e não com fundamento em mitologias. Prefiro saber que sou filho das estrelas e não de um boneco de barro animado por um flato divino.
 Elyson scafati
 Enviado em: 24/11/2012 09:24:00
Perda de tempo Etevaldo é vc viver na ignorância, no medo, nos preconceitos, na culpa e viver correndo atrás da eternidade sem fazer nada de útil e nem aprender nada porque acha que tudo o que contesta suas ideologias é coisa do demônio. Lembre-se “AVERDADE VOS LIBERTARÁ” dos grilhões da ignorância do medo, dos preconceitos, da culpa e das ilusões. A eternidade, Etevaldo, não existe, pois ela não faz sentido, uma vez que quando nosso universo morrer, o espaço e o tempo deixarão de existir. E se existirem fora desse universo, ela representa muito tempo além do infinito. Por isso, carpe diem e faça algo de útil para si e para as pessoas que aqui vivem. Ás vezes eu me pergunto, o que será que cristãos fundamentalistas têm dentro da cabeça? Por que vcs são tão fracos em sua fé a ponto de mentir e desejar que as pessoas vivam na ignorância, com medo de um deus, que vcs nem sabem quem é e de onde veio (isso é uma outra história), e acreditando em coisas completamente absurdas como se elas fossem realidade literal e não uma lição para a vida?
 Edson Marcon
 Enviado em: 24/11/2012 10:40:16
Etevaldo Melo escreveu: ¨Por isso teoria a respeito do universo, não deve ser entendida como ciência, visto que não se tem certeza do que se estuda, nem mesmo do que vê, e também não pode ser analisado em laboratório.¨ - - Se o senhor está em busca de certezas, melhor ficar com a religião, mesmo. A ciência é movida pelas DÚVIDAS e pela busca de conhecimento para eliminar essas dúvidas. - - Mesmo teorias sobre o universo podem ser testadas, e o laboratório é o próprio universo. Quando Einstein publicou a teoria da relatividade geral, não se falava na expansão do universo. estudando sua teoria, foi verificado que o universo PODERIA estar se expandindo, o que foi confirmado EXPERIMENTALMENTE anos depois por Edwin Hubble. Surgiu a TEORIA do big bang, que PREVIU que o universo, no passado deveria ter sido muito quente, o que foi CONFIRMADO EXPERIMENTALMENTE ao se OBSERVAR a radiação cósmica de fundo em microondas. -- Uma outra PREVISÃO da teoria de Einstein era de que a gravidade poderia desviar a trajetória da luz, o que foi OBSERVADO durante um eclipse total do sol, em SOBRAL, no Ceará. - - Eu não acho que esse conhecimento seja inútil, pois ele expande nossa visão sobre o universo.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 24/11/2012 23:58:28
Interessante o comentário de vocês diante da "minha ignorância". Bigbang? Teremos um novo universo? Lembram do experimento com partículas para se tentar entender como surgiu o universo? Interessante que tiveram que usar um mecanismo para que essa partículas se colidissem! Então, ali teremos um novo universo, como certos "filmes hollydianos" pintam por aí? Desculpem "minha ignorância", mas não dá para entender racionalmente como uma arquitetura tão bem planejada possa ter surgido de uma explosão nuclear, se desenvolvido durante supostos bilhões de anos, até chegar até nós!
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 25/11/2012 00:06:29
Quando disse que não se tem certeza do que vemos nos telescópios, é porque há distorções de foco das lentes dos mesmos. É tanto que quando se descobre um novo planeta, por exemplo, acredita-se que tal planeta exista condições de vida, ou não. O próprio telescópio HUBBLE teve que passar por reparos nas lentes. Sendo assim será que as revelações que disseram foram a partir dele são reais? Será que nebulosas, galáxias e até mesmo estrelas e planetas foram de fato conforme a mídia divulgou?
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 25/11/2012 00:19:10
Outra questão sobre o cosmos que levanto como inútil é a tentativa de pesquisar planetas como Marte. Pra que tanto desprendimento de valores orçamentários em pesquisar num planeta, onde, dizem alguns, querem transferir seres humanos para lá? Pra que isso? Por que ao invés de fazerem esses gastos desnecessários, não investem esses mesmos valores na preservação do nosso, o qual está em decadência, em grande parte por culpa da própria humanidade? É nesse sentido que digo que pesquisar o universo é inútil; onde gastos com viagens espaciais e envios de robôs tornam a vida humana insustentável. Vocês gostariam realmente de morar num planeta onde não há condições de vida? Onde a atmosfera de lá é insustentável para a vida humana? Ou vocês acham que futuramente a humanidade conseguirá superar essas dificuldades criando vida naquele ou outro planeta qualquer? Se pensam assim, por que não investem esses mesmos valores de pesquisa no nosso planeta, onde temos as devidas condições para se chegar a um destino promissor?
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 25/11/2012 00:22:51
O universo deixar de existir... Pena que não vamos estar aqui para confirmar essa tese!
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 25/11/2012 00:26:47
Filho das estrelas? Que estrelas? Qual a grandeza que você, já que é filho das estrelas? Quantos planetas estão em sua órbita? Eu sou filho seres humanos que vieram sempre de seres humanos.
 Edson Marcon
 Enviado em: 25/11/2012 12:11:57
- - ¨Desculpem "minha ignorância", mas não dá para entender racionalmente como uma arquitetura tão bem planejada possa ter surgido de uma explosão nuclear¨ -- O big bang não foi uma explosão nuclear, e nem uma explosão NO espaço, mas sim uma expansão DO espaço. O espaço é que está se expandindo, e leva matéria e energia junto com ele. // -- Quando disse que não se tem certeza do que vemos nos telescópios, é porque há distorções de foco das lentes dos mesmos. - - existem testes para verificar se existem distorções, tanto que eleas foram achadas no telescópio Hubble e corrigidas. Então, o que aparece nos telescópios é real. E no caso improvável de a imagem de um telescópio estar distorcida, um outro telescópio descobriria isso. // -- Outra questão sobre o cosmos que levanto como inútil é a tentativa de pesquisar planetas como Marte. Pra que tanto desprendimento de valores orçamentários em pesquisar num planeta, onde, dizem alguns, querem transferir seres humanos para lá? Pra que isso? -- No futuro, dentor de milhões de anos, o brilho do sol irá aumentar tanto que a água dos oceanos vai evaporar. Se ainda existirmos, teremos que ir embora ou morrer aqui.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 25/11/2012 14:27:44
Gostei de ver sua fé! É realmente incrível: "No futuro, dentor de milhões de anos, o brilho do sol irá aumentar tanto que a água dos oceanos vai evaporar. Se ainda existirmos, teremos que ir embora ou morrer aqui." E pra onde a humanidade iria? Pra Marte? Pra Júpiter? Pra outro sistema solar? Repito melhor investir no aqui e agora viáveis do viagens futuras utópicas. Não dizem alguns defensores do ateísmo que não existe vida em outros planetas, e que se existir apenas será vida de microorganismos? Então, pra que investir num processo dispendioso para a humanidade, onde existem tanta gente precisando de apoio? Ah! Mas a ciência não está aqui para defender ou mesmo agir com ética! Respondo: ciência somente existe por causa dos cientistas, e se esses cientistas apenas visam satisfazer seus anseios, sem uma ideologia humanitária, então deve-se deixar de lado tais pesquisas que de nada aproveitam. São inúteis. Não trazem resultados satisfatórios que beneficiem a humanidade; apenas pura utopia.
 Edson Marcon
 Enviado em: 25/11/2012 15:50:20
¨ então deve-se deixar de lado tais pesquisas que de nada aproveitam. São inúteis. Não trazem resultados satisfatórios que beneficiem a humanidade; apenas pura utopia.¨ - - E quem dicide o que é ¨util¨? Você e sua infinita sabedoria? Essas ¨utopias¨ como vc chama deram origem a muitas coisas que vc usa e necessita hoje em dia, desde remédios a computadores e comunicações. SE AS ACHA INÚTEIS, NÃO AS USE.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 26/11/2012 16:06:30
Caro Elysson, a partir da leitura dos seus comentários, surgiram em minha mente alguns pontos obscuros. Assim, apreciaria bastante que você colocasse para nós (se não lhe for muito incômodo, é claro) qual a sua opinião diante dos questionamentos a seguir: 1. O fato de sabermos o "como" as coisas funcionam (e até sermos capazes de descrever tais funcionamentos em termos de leis, teorias, equações etc.) equivale a sabermos também o "como" essas mesmas coisas surgiram? 2. Se uma dada teoria reclamar para si a condição de científica, porém possuir implicações religiosas, ela jamais poderá ser assim considerada? Ou, noutras palavras, uma teoria só poderá ser levada ao status de "ciência" quando abraçar 100% o naturalismo filosófico (até mesmo em suas implicações)? Desde já, muito obrigado pela atenção.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 21:57:23
Mais uma vez, Etevaldo vc nos brinda com um show de obscurantismos. Vc deveria seguir o que vc disse: “Misturar as coisas leva grande problema de raciocínio.” Novamente: Uma teoria é a instância mais nobre que um conhecimento pode atingir. Verificamos os fatos, hipotetizamos, experimentamos por via direta (o laboratório) ou indireta (reconstruindo uma história ou vendo a coisa à distância) e procuramos explicar como esses fatos se deram por meio das teorias, cujas explicações têm de ser fundadas na evidência seja ela direta ou indireta. Assim Etevaldo qualquer teoria sobre qualquer coisa é uma teoria, que é bem diferente de uma mera hipótese ou conjectura. As provas em sentido científico somente ocorrem na matemática, por meio da lógica que funda os postulados, baseados em axiomas e estrutura os teoremas e seus corolários. Nas ciências naturais temos as evidências associadas aos princípios da lógica para estruturar os raciocínios e chegarmos a uma conclusão. É daí que nascem as teorias. Caso nossas evidências sejam descartadas, teremos de buscar repetir o processo, que poderá levar a conclusões distintas e mesmo a uma nova teoria sobre o tema. Será que agora deu para vc entender?
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 21:59:58
Etevaldo, dentro de um colisor de hadrons não se criam universos, mas se buscam as condições primordiais para tal. Quanto à “arquitetura bem planejada do universo”, leia The fallacy of fine tunning de Victor Stenger. Ou vá até os links que indiquei. O universo não é uma explosão, é a expansão do espaço e do tempo, a partir de uma singularidade (nome bonito para traduzir “eu não sei”), em cujos primeiros momentos houve uma inflação que pode se dizer ser uma expansão com velocidade maior que a da luz. Lembre-se o limite em nosso universo é a velocidade da luz, mas nada impede que a expansão do universo a supere. O universo não tem supostos bilhões de anos, ele tem 13,7 bilhões de anos, detectados pela WMAP (um experimento), sendo o universo é composto por cerca de 4% de matéria ordinária, 23% de matéria escura (matéria que só interage gravitacionalmente) e de cerca de 73% de energia escura(energia hipotética – sabemos que a expansão ocorre, mas não sabemos como - com pressão negativa que tende a acelerar o universo). Se somarmos a energia da matéria com a energia da matéria escura e a compararmos cm a energia potencial do universo, falta esses 73%, que é energia escura.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:01:07
O universo Etevaldo não é um lugar legal e bem arquitetado. É o pior lugar para ter vida. Ele é o caos, com suas supernovas, estrelas de nêutrons, quasares, pulsares, choques intergalácticos, buracos negros e magnetares. A vida encontra espaço nas periferias das galáxias, geralmente em planetas rochosos com tectonia ou com forte movimento de maré, que circundam suas estrelas de segunda ou terceira ordem, onde é bem mais calmo. Mas não se iluda!! Nesses sistemas há meteoros e cometas que podem acabar com tudo, como já aconteceu algumas vezes, sem falar que planetas rochosos com tectonia embora tenham um campo magnético tem o problema dos vulcões. Yellowstone é um grande candidato a causar um estrago por aqui. Se tivermos somente movimentos de maré, é bom que seja um satélite como Europa ou Encéladus protegidos pelos campos magnéticos de seis planetões ou com um oceano sob uma capa de gelo, onde a água se aquece, há fontes termais e a vida pode dar certo. Se na tivermos tectonia, não temos campo magnético pois o núcleo está morto e não faz o dínamo necessário para que tal campo apareça e proteja a atmosfera dos ventos solares e dos raios cósmicos. Veja o pobre Marte, um deserto gelado calcinado pela radiação solar, que pode abrigar coisas como bactérias, protozoários ou mesmo vermes sob a terra, próximo às calotas polares. Onde está a ha
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:02:34
Etevaldo, um telescópio não é um negócio que vc vê imagens lindas maravilhosas como o telescópio óptico (a luneta) que é para o espectro de luz visível. Vc vê uma coisas esquisitas que são acertadas por computadores. Mas isso na quer dizer que tudo esteja errado. Há os radiotelescópios que observam as ondas de rádio emitidas por fontes de rádio, normalmente através de uma ou um conjunto de antenas parabólicas de grandes dimensões. Estes telescópios são projetados para captar infravermelho e Raio X , que nos permite estudar a natureza da luz existentes em regiões longínquas. É por isso que vc vê aquelas coisas lindas do Huble (telescópio para luz e infravermelho). As distorções ocorrem na lente de um telescópio (o óptico) e são tranquilamente corrigidas (corrigem-se os espelhos). Claro que um telescópio óptico não passa uma nuvem de poeira, vc não vê nada. Mas, ao acionarmos seu módulo infravermelho vemos a temperatura do que existe por trás das nebulosas e assim sabemos do que as coisas são feitas e damos aquelas cores lindas.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:04:47
Quanto à existência do universo, Etevaldo, sim um dia ele irá acabar. Isso é mostrado por meio da expansão do universo (lembra da energia escura?). Um dia essa energia expandira o universo de uma forma tão grande que sequer vc verá a luz das galáxias e das estrelas. Estas morrerão, não terá mais combustível para formá-las. Mesmo os átomos, e as partículas subatômicas desintegrarão e o último buraco negro evaporará. Restara um nada banhado por radiação. E, desse nada, poderá acontecer uma singulariade que no mundo das cordas se chama choque entre branas e criar um novo universo com condições próximas, idênticas ou totalmente diferentes do nosso. Isso Etevaldo, já se trata de uma teoria, pois nossas evidências indicam esse triste fim. Eternidade, não existe, pois nesse fim, tempo e espaço deixarão de fazer sentido, pois tudo se tornará estático e escuro. Sim Etevaldo, qq coisa que existe nesse universo é filha das estrelas, pois elas foram as primeiras coisas que fizeram o universo brilhar. E, os átomos que existem em seu corpo foram cozidos dentro dos núcleos dessas estrelas até o ferro e depois na violência da explosão de uma supernova.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:06:04
Supernovas são mais raras nesse estágio do universo. É por isso que metais como ouro, cobre, prata e platina são coisa rara. Já é difícil de serem feitos e ainda os desgramados descem muito para o centro dos planetas rochosos. Quando um vulcão tem a generosidade de trazer em sua lava essas raridades, formam-se os veios de metais nobres e de terras raras. Assim Etevaldo, o ferro de seu sangue, o cálcio de seus ossos, o carbono de sua carne, o zinco em seu cérebro, o nitrogênio e o enxofre, de suas proteínas, o oxigênio que faz vc respirar, o cloro que há no ácido de seu estômago, o sódio e o potássio que equilibram suas células, o cromo das membranas de suas mitocôndrias, os sais minerais de seu corpo, tudo, foi feito no núcleo das estrelas. Por isso vc é um “filho das estrelas”. Sem elas vc, nem seus ancestrais bacterianos de há 3,8 bi de anos e os que posteriormente desceram das árvores, nem seu planeta, nem seu Sol, e nem ninguém que lhe deu origem não existiriam. Vc realmente veio do pó e retornará para pó... DAS ESTRELAS.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:07:05
O Sol Etevaldo, um dia irá morrer, pois as estrelas têm um prazo. O nosso sol tem um período de duração de uns 10 bi de anos e ele já é um senhor no meio de sua vida. Ele começará a aquecer-se e irá se expandir, pois a foprma gravitacional na suportará a força nuclear. Em vez de hidrogênio resultando em hélio, ele passará a queimar elementos mais pesadas como lítio, carbono , berílio, sódio, alumínio enxofre, cloro até chegar o ferro. Ferro é um grande problema para as estrelas, pois elas não conseguem ir além dele em suas reações nucleares. Ele se tornará uma gigante vermelha, sendo possível que engula até o planeta terra. Nossos dias terão cerca de 20 horas e veremos um monstro se erguer no horizonte. O planeta será transformado em rocha fundida. Nosso sol não tem cacife para explodir em uma supernova. Então ele se esvanecerá em uma anã branca que durará mais uns 13 bi de anos até pifar de vez. Imagine ela como uma panela quente deixada para esfriar sobre o fogão. Como sabemos disso? Existem zilhões de estrelas nessas condições ou se encaminhando para elas.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:12:40
Quanto para onde a humanidade irá, não se preocupe, estamos aqui só de passagem. Talvez morramos dentro em breve com um lindo corpo celeste ou um vulcão de caldeira ou uma nova glaciação ou mesmo uma explosão de raios gama. O excedente populacional do planeta será varrido e somente alguns poucos sobrarão, se sobrarem... Não se esqueça, em 250 mi de anos haverá pangeia –última em que a terra se tornará um deserto inóspito, sendo que em suas zonas litorâneas o clima terá tempestades violentas. Será quase impossível a vida se adaptar. Se algo de nós sobreviver, esteja certo de que não terá a nossa cara e nem agirá como nós. Imagine a comparação entre vc e um gorgonopsídeo... Etevaldo, tentar acabar com a fome no planeta é como enxugar gelo, vc não resolverá esse problema nunca. Pensar nisso e não traz qq benefício para o desenvolvimento humano. É como vc fazer manutenção em um carro velho. Sempre haverá mais e mais gente em condições ruins. As cifras que são aplicadas na ciência são ínfimas perto do que se necessita para acabar com o problema da fome. Basta educar as pessoas para terem menos filhos, liberar o aborto, fazer esterelização em quem assim desejar, gratuitamente e divulgar os métodos contracepitivos. Sem utopias e nem hipcrisias.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:15:21
Temos de resolver questões tecnológicas e de medicamentos, bem como biociência. É por essa razão que essas pesquisas são realizadas. Não há um fim vão. Somente os tolos vêem a ciência com os olhos que vc a vê. Etevaldo, o que defensores do ateísmo pensam, não é questão relevante para o tema sobre o universo. Por que pensamos que há apenas bactérias por ai? Marte é um ambiente inóspito. A vida como a conhecemos não se desenvolveria lá. Sequer sabemos se essas formas de vida, como as conhecemos, são regra no universo (DNA, Célula, tecidos, etc). Já Europa promete muitas coisas interessantes, no nível de pequenos cordados. As pesquisas sobre origens da vida não são inúteis. Elas têm como objetivo criar as nanomáquinas para as pessoas não mais ingerirem medicamentos e pararem de sofrer cirurgias e mesmo reconstruir órgãos danificados. A célula tronco foi um passo nisso, passo este que obscurantistas quiseram impedir pautados na falácia de que um embrião é um ser vivo. Recomendo a vc Etevaldo que reveja seus conceitos e estude mais para dizer menos pérolas.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:17:05
Vinicius[1. O fato de sabermos o "como" as coisas funcionam (e até sermos capazes de descrever tais funcionamentos em termos de leis, teorias, equações etc.) equivale a sabermos também o "como" essas mesmas coisas surgiram?] Não. Saber como algo funciona não leva a saber como ele surgiu. E.g. Newton soube descrever a gravidade, com ela funciona. Tal lei funciona, muito bem no mundo macro. Porém, não soube dizer o que é a gravidade, ou seja, como ela surge, e o que faz ela atuar. Eisntein respondeu como a gravidade atua, pela teria da relatividade especial (uma massa deforma o espaço e o tempo empurrando tudo para baixo em um espaço de Riemann. Mas ele na soube dizer o que dá massa as coisas e o que faz essa propriedade da massa se tornar um atrator. Hoje sabemos que o boson de Higgs e o causador da massa dos corpos, a qual existe por interação do campo de Higgs, que permeia todo o universo, com as partículas. As interações diferentes das partículas geram massas diferentes. Este campo não é uma força, ele apenas interage com as partículas, mas na o faz com aquelas sem massa.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:20:15
Não sabemos ainda como esse campo funciona e por que umas partículas interagem e outras não originando a gênese de massa inercial (o quanto um corpo resiste a ação de uma força) e, por conta do princípio da equivalência de Einstein, a massa gravitacional (a intensidade com que um corpo gera e sofre efeitos gravitacionais). O gráviton (partícula prevista) seria a portadora da interação gravitacional e o bóson de Higgs seria quem confere a inércia. Como se originaram as partículas do universo? Segundo a teoria das cordas, isso se deu por energias diferentes vibrarem de forma diferente. É essa vibração que cria as partículas subatômicas. Já essa energia foi produzida no big bang, que pode ser um choque entre branas de dois outros universos. Pr essa teoria, os universos paralelos são infinitos. Não fale em tempo infinito, pois espaço e tempo somente fazem sentido dentro dos universos. Fora deles não há nada. QQ idéia é inconcebível, é como falar do canto de uma mesa redonda ou do norte além do pólo norte.
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:21:49
[Se uma dada teoria reclamar para si a condição de científica, porém possuir implicações religiosas, ela jamais poderá ser assim considerada? Ou, noutras palavras, uma teoria só poderá ser levada ao status de "ciência" quando abraçar 100% o naturalismo filosófico (até mesmo em suas implicações)?] Implicações religiosas levam ao dogma, ponto além do qual nada pode ser questionado. Isso é bom para ciências humanas como direito ou para algumas escolas filosóficas e econômicas. Quanto às ciências naturais, elas são zetéticas, ou seja, sempre devem ser questionadas, jamais deve haver o estanque. As ciências não se valem de “naturalismo filosófico, mas de naturalismo metodológico. Leia o link nos comentários deixei a diferença lá: (http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_pior_cego_e_o_que_nao_quer_ver)
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:23:25
Ex. o DI: o designer é o estanque, sendo que nada se pode falar sobre este ser, apesar da [SIC] teoria “inferir” sua existência. Ora, se vc infere algo, vc tem de ir atrás desse algo para saber se sua inferência está correta. Não dá para blindar o que vc inferiu. Se eu digo que uma explosão de raios gama é oriunda do colápso de uma estrela, eu tenho de demonstrar isso. Não posso somente inferir e deixar quieto. E.g. No centro de nossa galáxia há um turbilhão de estrelas girando loucamente em torno de um ponto. Inferiu-se que isso poderia ser um buraco negro. Quando vimos os raios gama e a percepção de um monstro no centro da galáxia, do qual nada escapava, os vomitando, Bingo!!! Lá estava ele. Caso eu na corra atrás de minhas inferências, o que me sobra é um mero argumento da ignorância. Espero ter esclarecido
 elyson scafati
 Enviado em: 26/11/2012 22:33:33
Sério Etevaldo, às vezes eu me pergunto o que pessoas fanáticas por religião têm na cabeça. Será que vcs não pensam ou têm medo de fazê-lo e perder a sua fé? Vcs são presos em um mundo que não faz sentido, que só vcs sabem a verdade e têm a certeza de tudo, que aquilo que fala contra suas crendices é coisa d demônio ou é falso. O problema Etevaldo é a doutrinação desmedida. Provavelmente, vc quando criança foi imerso nesse mundo de forma irracional que o fez perder o senso crítico das coisas. Eu fui versado no Tanak e não sou um fanático. Vejo a ciência sempre com bons olhos e sei separar o que é o divino (as lições para a vida) do imaginário (bizarrices como o criacionismo). Os argumentos são ridículos; basta vc ler com criticidade e conhecimento as baboseiras escritas no texto tópico deste debate ou de qq coisa que provenha de criacionistas. Como querem obter credibilidade com base na mentira? Pense Etevaldo, analise
 Marcus Vinicius dos S. Oliveira
 Enviado em: 27/11/2012 18:59:31
Elyson, meu muito obrigado. Permita-me insistir só um pouco mais contigo em relação a essa sua última fala, acerca da necessidade de "correr-se atrás da inferência". Só para exemplificar a questão, recorrerei a uma reportagem que foi veiculada na televisão há tempos atrás. Perdão por não recordar-me bem de nomes e/ou detalhes técnicos agora (haja visto o fato ter ocorrido há vários anos atrás), mas a matéria em questão tratava acerca de uma certa síndrome ou anomalia rara que acomete algumas crianças e causa-lhes acentuadas deformidades cranianas. Lembro-me claramente de que, enquanto explicava para o repórter quais são, digamos, as suas "características patológicas", o médico entrevistado mostrou que o crânio de uma pessoa acometida por esse mal tem proporções e formato equivalentes aos do "homo sei lá o quê em latim" (quero dizer, um desses seres simiescos "meio-homem-meio-macaco" que, de acordo com a teoria evolutiva, teria sido um dos ancestrais do homem moderno). Aí, então, vem a minha pergunta: Diante de tal constatação, será que uma pessoa "normal", assim como eu, não estaria justificada em "inferir" que esse crânio que o evolucionista diz ser de um hominídeo da pré-história, talvez tenha realmente pertencido a um homo sapiens assim como nós, mas que foi vítima de doenças assim? Não seria este uma tipo de "inferência" concret
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 27/11/2012 21:43:41
(concluindo o comentário) Não seria este um tipo de "inferência" concreta e, ao menos, razoável? Um abraço.
 elyson scafati
 Enviado em: 28/11/2012 23:29:56
Vinicius A tal doença é a microcefalia. Quanto a falar que os homo habilis, erectus, heildebergensis e floresiensis são pessoas com essa doença, não passa de uma fraude criacionista. Por que: vc não concorda que seria uma "grande sorte" encontrar um homo sapiens com 2,5 a 1,9 mi de anos (habilis), outros com 1,8 mi e 300 mil anos (erectus) outros com 500 e 250 mil anos (heildebergensis)? Neanderthais, hobbits, heildeberghensis, homem de Pekim e outras criaturas de nossa linhagem, eram humanos sim, mas humanos diferentes. Passaram a ser humanos a partir do homo habilis. Concluíndo inferir que estes fósseis são de pessoas doentes, não passa de argumentação "nonsense", como tudo que é produzido pelo criacionismo. Vc concorda que se esses caras fossem doentes vc encontraria homo sapiens normais? Pois é, essa é uma inferência que não faz sentido, pois o esqueleto dessas criaturas não era diferente somente na cabeça, mas como um todo, sem falar que quem sofre de microcefalia tem atraso mental o que comprometeria a vida deste ser na infância, pois humanos que vivem de forma nômade não cuidam de quem não serve para nada, o que poderia comprometer o grupo.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 29/11/2012 09:30:23
Elyson, tenho sérias dúvidas acerca do que seja realidade e do que seja ficção em matéria de paleontologia (inclusive no que diz respeito às datações de fósseis encontrados), mas compreendi bem o seu ponto-de-vista. Sem dúvida este é um tema interessante, vou estudar mais sobre o assunto. Mas agora, voltemos um pouco à questão das inferências propriamente dita. Em seu comentário, é-nos dito que "se vc infere algo, vc tem de ir atrás desse algo para saber se sua inferência está correta." Discordo em parte, pois, às vezes, infere-se algo somente porque aquela parece ser a explicação mais plausível dentre todas as alternativas disponíveis, independente de ser ou não possível "correr-se atrás da inferência" no momento (o que, por si só, também não significa que jamais o será).
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 29/11/2012 09:52:57
Sei lá, não me parece muito útil nem apropriada a ideia de que, para aceitar uma explicação para a causa de um dado efeito, eu precise também saber explicar a causa da causa desse efeito; do contrário, para aceitar a explicação para a causa desse efeito, eu também precisaria saber explicar a causa da causa da causa desse efeito; mas, aí, eu também precisaria saber explicar a causa da causa da causa da causa desse efeito. Vou parar por aqui, senão vou me enrolar todo (risos), mas acho que você já deve ter percebido que isso é uma bola-de-neve sem sentido, algo que não nos leva a lugar algum. Ou seja, se o mero fato de alguém ser (ainda) incapaz de "correr atrás da inferência" for equivalente a dizer que tal pessoa calca-se em "argumentos de ignorância", então, presumivelmente, muitas das postulações científicas atuais devem estar repletas de exemplos desse tipo de argumento. Acho que ambos concordamos que não é este o caso. Grande abraço.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 29/11/2012 17:32:41
Alguém aqui neste mundo viu o "nascimento" e a "morte" de uma estrela? Quanto tempo levou para essa estrela nascer? Quanto tempo levou para essa estrela morrer? As viagens espaciais tem por objetivo migrar futuramente a população do nosso planeta para um planeta, muito provavelmente num outro sistema solar? Essas viagens têm propósito ou não? As investigações espaciais (estrelas, nebulosas, planetas com suposta vida, etc) têm algum propósito futuro? Pergunto tais coisas, pois foi afirmado que dentro de alguns bilhões de anos nosso sol deixará de existir. E alguns bilhões de anos depois, possivelmente nosso universo já que ele não é eterno! Já que a solução está dentro de alguns bilhões de anos (pra mim não importa se é 2, 3, 4, 10, 100 ou mais bilhões de anos), então que tal fazermos o melhor pelo semelhante, deixando de lado corridas espaciais sem sentido? Não vai solucionar nada mesmo! Dentro de alguns bilhões de anos não estaremos mais aqui (possivelmente antes disso). Particularmente acredito que o sol não existirá mais, não dentro de bilhões de anos, mas bem mais cedo do que isto. Assim como ele foi criado bem mais cedo do que é divulgado.
 elyson scafati
 Enviado em: 29/11/2012 18:32:44
Etevaldo, todo e qq conhecimento aparentemente parece ser algo inútil. É assim com a arte, com a música, com a filosofia com a matemática e com as ciências naturais. Se pensarmos em apenas ajudar o semelhante nossa vida não andará. Deixe isso com os religiosos, que em vez de estarem dando pitaco em coisas que não sabem, deveriam fazer obras de caridade. Já vimos sim estrelas nascerem e morrerem. exemplos pelas galáxias não faltam. Sua postura é a mesma que "já que vou morrer um dia, que tal me atirar debaixo de um caminhão". É mesmo o sol tem bem menos idade que o "divulgado". Quantos anos tem o sol? 6 mil anos? Quando ele irá acabar daqui um ano ou quando o messias chegar? Francamente Etevaldo!!! Se o conhecimento é inútil, para que vamos às escolas? Para que toda essa loucura. Para que vivemos? Para nada. Então vamos nos entregar à indolência e à ignorância. Vamos adorar aos deuses e esperar que eles façam tudo por nós.
 elyson scafati
 Enviado em: 29/11/2012 18:43:58
Vinícius: Sobre datação,, no método U-Pb, o que é datado não é uma pedra qualquer, são os cristais de zircão (ortossilicato de zircônio ZrSiO4) solidificados após um derrame de lava. Quando estas coisinhas se cristalizam, o Zr pode ser substituído por U e Th, mas jamais por Pb. É uma questão de eletronegatividade dos elementos. E assim se faz com qq metodologia de datação. Vc escolhe os minerais de uma rocha magmática e as data com base nestes minerais. Portanto, não é como mentem os criacionistas. Nem sempre ou quase nunca, a explicação mais plausível é a mais correta. Por isso o que afirmamos deve ser confirmado pela evidência. Para se explicar algo, vc não precisa regredir ao big bang. Basta vc fazer um corte metodológico e partir de um ponto. O argumento da ignorância é eu dizer que pelo fato de vc estar errado eu estou certo. É assim que o criacionismo funciona. Toma carona em uma lacuna do conhecimento e automaticamente quer ser validado. Isso não cola.
 Alexsander Silva
 Enviado em: 30/11/2012 09:04:34
Existe no mundo de hoje, três tipos de ciência: ciência de verdade, pseudociência e ciência populesca. Na primeira, estão os verdadeiros cientistas: Newton, Copérnico, Galileu, Pascal, Bohr, Pauling, Einstein e as melhores e testáveis hipóteses e teorias. Na segunda, estão todas as ciências paranormais que querem valer-se de roupagem científica para se "provarem", como, por exemplo, os diversos esoterismos que flertam com as incertezas da mecância quântica na tentativa de engodar os incautos. Entra aí o Espiritismo. A terceira é feita por cientistas com muito pouca expressão intelectual e científica, mas, paradoxalmente, com muita aceitação midiática. Ex: Dawkings, Sagan e, infelizmente, o próprio Hawking da atualidade. Um sábio professor afirmou algo intrigante - "existem dois tipos de alunos: os que são bons e os que falam bem". Tenho visto o mundo, a partir de então, com este olhar. Parece que existem dois tipos de cientistas: os de verdade e os que falam bem. Falam bem porque o populacho não está interessado em ciência de verdade, querem mais satisfazer sua imaginação e carências emocionais e existenciais com ideias como cópias de si mesmo em universos diferentes, etc. Nada contra estas visões - cada um tem o direito de acreditar no que quiser, inclusive que nosso universo é uma bolinha de gude como no filme MIB. Mas chamar isso de ciênci
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 30/11/2012 12:57:38
Elyson, não me leve a mal, mas esse joguinho pueril de tentar-se desqualificar o discurso alheio dizendo que são "argumentos de ignorância" me parece tão ridículo que chega até a soar engraçado. Sério mesmo, lendo isso que você escreveu, fico a imaginar uma criança de cinco anos dizendo para o coleguinha: "Eu estou certa, logo você está errada"; e a outra, em seguida, respondendo: "O fato de você estar certa não significa que eu esteja errada". Ora, por favor, há tempos já passamos dessa fase... não concorda? Não vejo necessidade alguma de apelar-se para esse tipo de retórica inútil. Você acha que eu estou errado? Ótimo, então, vamos direto ao ponto: Apresente-me as evidências que sustentem sua alegação, e pronto! Demonstrou-me onde está meu erro com clareza e objetividade? Ótimo, entendi, estou pronto a reavaliar e até mudar minhas ideias. Se eu estava errado significa que você esteja totalmente certo? Talvez não, mas pelo menos mais um erro foi corrigido.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 30/11/2012 13:01:13
Afinal de contas, ninguém de nós precisa envergonhar-se por não ter nascido com PhD em Astrofísica pela Universidade Oxford (falei bobagem, acho que nem existe isso, mas é só pra ilustrar a ideia rsrs), pois temos a vida inteira para adquirir e aprimorar nossos conhecimentos. Para isso, basta sermos sábios o suficiente para aproveitar as oportunidades que se interpõem em nosso caminho. Penso que é assim que gente adulta deve agir e se comportar. Um grande abraço.
 elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:47:05
Alexandre: sobre Dawkins, Sagan, Greene, Hawking e outros, eles transformam a linguagem científica em algo acessível às pessoas leigas. É por isso que falam bem. Se vc ler Princípia de Newton ou as demonstrações da teoria da relatividade geral e especial, ou todo o trabalho de Hawking acerca dos buracos negros, ou trabalhos sobre teoria evolutiva (onde se fazem dezenas de experimentos e os dados são gráficos e um monte de tabelas, certamente, se não for versado em física ou biologia, respectivamente, não entenderá nada. Pra se levar algum conhecimento ao povo leigo, tem de se valar em uma linguagem acessível. É claro que caras como Amit Goswami, embora seja um físico, está imerso na pseudociência.
 elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:47:59
Vinicius, o pueril está em se aceitar a argumentação sem pé nem cabeça que fazem os criacionistas; traduzida como má religião e má ciência. Como não demonstram nada em matéria científica apelam para a filosofia de banheiro, ou seja, a erística, como faz Lane Craig, cujo único interesse não é se comprometer com a verdade, mas vencer um debate. Entretanto, argumentos, não passam disso. Sem evidência não servem para nada. Teoria das cordas, a meu ver, é uma curiosidade matemática que promete algumas coisas bem interessantes sobre o universo. Não sei se está certa ou errada. Pelo que li em “O Universo elegante, tecido do cosmo hiperespaço e realidade oculta” ela tem trilhado um caminho que tem solucionado coisas bem intrincadas que não sabíamos como fazer (as dimensões extras do universo que vão além do proposto pela teoria de Kaluza-Kléin). Suas evidências de certeza são indiretas.
 elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:48:54
Sobre a tática mais comumente usada por criacionistas ela se resume em pegar carona numa lacuna ou suposta lacuna do conhecimento, falar um monte de besteiras (coisas erradas mesmo) e concluir, do nada, que foi deus. Isso é o argumento da ignorância, que vc parece não ter entendido. Esta falácia, não é o joguinho infantil de crianças é algo bem mais tenso e que às vezes precisamos ir a fundo para ver suas falhas lógicas ardilosamente escondidas. O argumento da ignorância consiste em argumentar que algo é verdadeiro porque se não provou ser falso, ou argumentar que algo é falso por não se ter provado ser verdade. Esta falácia se dá quando a falta de conhecimento de que uma posição é verdadeira leva à conclusão de que a posição oposta é verdadeira. Ou seja, às vezes, pelo fato de vc não dominar um assunto vc se vê suscetível a pensar que a falta de evidências contrárias aas suas crenças representam a veracidade de sua posição.
 elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:49:45
Todavia, cuidado: remetendo-nos a Popper, e indo além dele, à medida que algo se afasta da possibilidade de ser evidenciado, o vai tornando uma mentira, sem jamais ser 100% uma mentira. Ex: o tal designer (o ser inefável de uma classe de criacionistas chamados proponentes do DI). Estes sujeitos afirmam que tudo na natureza tem as “digitais” [sic] deste ser (que não se sabe se é um deus, o et, um espírito, o predador, o prometeus ou sei lá o quê). Porém, quando estudamos o tema a fundo, esta “digital do criador” se esvanece. Aconteceu isso com o olho, com o flagelo bacteriano e com a cascata de coagulação, exemplos dados por Behe em “a caixa preta de Darwin” e com tantos outros exemplos apontados por criacionistas. Isso aproxima a ideia desse designer a uma falsa ideia, que somente será verdadeira se vc realmente encontrar algo que mostre que este ser existe. Dizer que os cloroplastos absorvem luz solar e fazem a fotossíntese é uma evidencia indireta do designer é um argumento da ignorância, pois sequer foi feito um estudo para saber como esse cloroplasto funciona e quais seus mecanismos de reações químicas para a fotossíntese. Hoje sabemos como funciona isso tudo e quem foi o cloroplasto, inclusive até mesmo como a característica de realizar fotossíntese apareceu.
 Elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:51:03
Agora, eu examinar uma cadeia de fósseis e compará-los com coisas que existem hoje, analisando fisiologia e anatomia e fazendo experimentos com genes, posso dizer quem foi o ancestral comum entre um cavalo e um gato. Se eu aponto um telescópio para Alfa-Centauri e descubro um planeta rochoso, posso sim dizer qual a massa dele, sua temperatura e do que é feito. Ou seja, tenho coisas concretas em minhas mãos e não devaneios, como dizer que por esse planeta ser rochoso, lá vivem os annunakis (deuses sumérios). Para vc evidenciar algo vc não precisa fazer 1 bilhão de experimentos no laboratório. Muitas vezes fazemos modelos e reconstruções históricas sobre o que queremos estudar. Assim se fez com a teoria evolutiva em seus primórdios, (sendo que hoje ela é estudada em nível bioquímico e vai muito bem obrigado) e com o estudo do sistema solar, das estrelas e do universo (hoje temos os experimentos da WMAP que mostram muitas coisas sobre o passado do universo).
 elyson scafati
 Enviado em: 01/12/2012 10:55:03
Quanto as suas ou as minhas opiniões acerca disso ou daquilo, de nada servem. Vc pode ter a opinião que quiser sobre o que quiser isso é o que os gregos denominavam “doxa”. Porém, em ciências naturais suas opiniões somente valem se forem evidenciadas é a “episteme”. Evidências sobre teoria da evolução: há literalmente toneladas delas, bem como em todos os seres que habitam este planeta. Evidências sobre o que sabemos do universo: Basta vc abrir a internet e fazer uma busca sobre o tema. Ciência é bem diferente de opinião. Porém, o leigo acha que o mundo científico é uma plataforma de protestos onde pode expressar livremente suas opiniões acerca do que quiser, conforme suas convicções e valores. Para vc se expressar no mundo científico, vc deve evidenciar o que vc diz. É aquilo: tudo deve ser ouvido, porém aquilo que so trás bobagens deve ser posto de lado.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 02/12/2012 14:37:12
Elyson, você é “o cara”! Obrigado mesmo por sua participação neste fórum. Sinto-me honrado e enriquecido ao ler seus comentários. Como sempre, você sabe, não posso debater contigo em igualdade de condições acerca de questões científicas em geral. Sou leigo, e meu papel aqui não é o de "ganhar uma discussão", mas sim o de aprender com ela. Que criacionismo bíblico não é considerado teoria científica, isso eu já sabia há tempos. Aliás, eu sequer recordo-me de ter escutado cientistas criacionistas declararem o contrário. No máximo, o que eu já ouvi alguns dizerem é que a teoria evolutiva não é científica; o que, por si só, não significa ratificar-se automaticamente a conclusão de que o criacionismo o seja. Enfim, em minha modesta opinião, criacionismo não é ciência, é apenas uma maneira de perceber e pensar a realidade, assim como tantas outras que existem em nosso mundo.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 02/12/2012 14:39:00
Assim, encaro como absolutamente humano, natural, e até esperado o fato de as pessoas buscarem valer-se de diversos tipos de argumentos e evidências (inclusive dentro da ciência, mas não exclusivamente nela) que deem suporte às suas crenças e alegações, sejam elas quais forem. Entretanto, se o fazem à custa de fraudes, distorções e falsificações, apelando para falácias, usando de má-fé ou desonestidade, aí é outra história bem diferente. De minha parte, aceito numa boa a validade dos princípios, conceitos, critérios e metodologias científicas. Sou leigo, é bem verdade, porém não tão tolo a ponto de não saber que a evolução realmente opera; e que, por causa disso, terei que vacinar-me contra gripe todos os anos quando estiver em idade mais avançada. A propósito, também não acho que o mero ato indolente e preguiçoso de “rezar-se aos deuses” vá me livrar do vírus, se, na prática, eu me negar a “mexer o traseiro” e a correr atrás de fazer a parte que me compete a fim de evitá-lo.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 02/12/2012 14:41:11
O que eu ainda não consegui entender é por que razão eu deveria aceitar automaticamente a inferência de que o gato e o cavalo tenham um ancestral comum. Só porque ambos compartilham certas características genéticas e/ou anatômicas? Numa analogia bem simplória, para mim, isso equivaleria a dar como certo que duas moças sejam irmãs porque ambas falam inglês e usam chapéu cor-de-rosa. Simplesmente não faz sentido, e você alegar que estou me apoiando num “argumento de ignorância” em nada alterará uma situação como esta. Claro, você me dirá que o assunto é bem mais complexo, e que os livros e materiais didáticos simplificam a questão para o entendimento por parte do público leigo etc. Ok, perfeito! Por mim, tudo bem. Quem sabe, então, estudando mais a fundo o assunto (que, aliás, é o que tenho procurado fazer nesses dias), algumas dessas dúvidas acabem sendo dirimidas num futuro bem próximo. Aliás, se você puder indicar-me algum bom material na Internet a esse respeito, eu lhe agradeceria.
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 02/12/2012 14:44:33
Mas, por hora, só lhe pergunto o seguinte: Por que razão alguém que não aceite engolir acriticamente tais inferências não deveria ter permissão para utilizar telefones celulares, computadores e internet? Só porque tais assertivas são “científicas”; e, portanto, “além de qualquer dúvida”? Ora, mas o questionamento e a dúvida não estão justamente nos alicerces do pensamento científico? Era só este o meu ponto. Para concluir, explicando o que eu quis dizer no comentário anterior, particularmente no que respeita à questão das “briguinhas pueris”, é que a ignorância tem historicamente servido como base de sustentação tanto de argumentos teístas quanto ateístas. Por exemplo, se pedirmos a um ateu explicar por que ele não acredita em Deus, ele provavelmente responderá que não crê porque a Sua existência não foi comprovada. Isso, para mim, nada mais é do que interpretar a ausência de evidência como evidência de ausência; e, logo, essencialmente, também um argumento de ignorância. Um abraço.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 03/12/2012 08:44:17
Interessante que o universo é um lugar inóspito, mas nós estamos aqui, apesar dos bombardeios de "pedras" vindas do espaço. Também parece que 2019 haverá o fim do mundo segundo alguns astrônomos. Um meteoro do tamanho do estado de Sergipe, pode atingir a Terra no ano mencionado, segundo notícia veiculada pelo Bom Dia Brasil (Rede Globo). Será?
 elyson scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:32:35
Vinícius, o problema dos criacionistas reside no fato de que a teoria da evolução contradiz o que diz a bíblia. Em sendo a bíblia contradita e estando o que a ciência demonstra correto, podemos concluir que o que a bíblia diz acerca da origem das espécies (criadas por deus - inclui-se aqui o homem) é falso. Então, criacionistas buscam desqualificar a teoria evolutiva como sendo ela algo não científico, sob alegações de que é filosofia ou religião darwinista, ou religião do ateísmo, dentre outras idiotices, o que é terminantemente falso. Como a teoria evolutiva é científica? Exatamente do mesmo modo que qualquer outra teoria científica o é. Fazemos reconstruções históricas, modelos para testar nossas hipóteses e mesmo testes de laboratório como saber em que época ancestrais comuns de espécies divergiram e o quanto estas espécies se assemelham geneticamente.
 elyson Scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:33:26
Em toda e qualquer teoria científica pode haver ajustes aqui ou ali. Todavia se o seu núcleo duro se mantém intacto, ela não foi derrubada. Eis aqui o cientificismo dessa teoria: há 150 anos ela é testada e tem se mantido sólida em seu núcleo duro. Por esse motivo ela tem um caráter zetético, típico do conhecimento científico, onde as perguntas são infinitamente realizadas em busca de respostas que por sua vez, ensejarão novas perguntas. O criacionismo pode até ser uma forma de pensar a realidade, mas ele leva a uma realidade falsa e não é científico pelo motivo de calcar-se em um dogma que são os deuses, além dos quais não se pode ir. Por essa razão, não enfrenta as perguntas que lhes são feitas. Quando fazem-se as perguntas, a argumentação é ridícula, como dizer que animais foram colocados na arca de Noé, que esta personagem conseguiu este feito porque os continentes se união na Pangéia (há 6 mil anos!!!), que no mundo não chovia, que não havia montanhas que a terra se abriu e começou a jorrar água, dentre outras coisas nonsense. E pior, se fundam em fraudes como dados falsos, quote mining, bibliografias inexistentes, erros crassos, distorções, em mentiras generalizadas.
 elyson scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:34:35
O compromisso de um criacionista não é com a verdade, mas em assegurar sua ideologia, nem que seja pela mentira, pois devem vê-la como “mentira nobre” aquelas tantas que até hoje são ditas em nome de deus. É como eu lhe disse, vc pode tecer o argumento que vc quiser. Caso ele não possua evidências, de nada servirá. É apenas uma hipótese, baseada no senso comum, que podemos dizer serem apenas crenças, sem qq base científica. Caso essa crença seja fundada em dogmas religiosos teremos a fé e fundadas em dogmas morais e éticos serão os valores. A crença científica se forma com a evidenciação das hipóteses apontadas, com a descoberta de leis naturais, sendo que estas suportarão nossas teses e fundarão nossas teorias. Não há inferência automática de que as espécies do planeta possuem ancestralidade comum. Isso é feito por longos estudos, onde vamos a fundo na genética das espécies. A anatomia é importante, mas há caracteres nessa anatomia que diferem entre as espécies. Um exemplo excelente é o tilacínio e o lobo. Ambos têm quase que exatamente a mesma anatomia, pois ocuparam nichos idênticos na natureza. Porém este é placentário e aquele era marsupial, sendo que o ancestral comum entre ambos deve estar lá pelo permiano ou pelo triássico.
 elyson scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:35:25
É o que chamamos de evolução convergente. Assim, o ancestral comum entre ambos em nada se parecia com eles. Outro exemplo é o tubarão, ictiossauro e o golfinho. Se parecem, mas sua ancestralidade comum está lá pelo período siluriano. São as moças que falam inglês e usam chapéu rosa. Mas, se olharmos a árvore genealógica de duas moças (uma serpente e um lagarto ou um crocodilo e uma ave) e descobrirmos que elas possuíram um tataravô comum, podemos dizer que são primas. Se analisarmos os genes das duas e identificarmos semelhanças gritantes entre elas, podemos chegar a mesma conclusão de uma relação de parentesco entre ambas. Tilacínios e lobos assim como tubarões, ictiossauros e golfinhos, embora semelhantes em muitas coisas, mas são bem diferentes em outras, que eliminam relações de parentesco entre eles, diferentemente de nossa serpente e nosso lagarto e nosso crocodilo e nossa ave ou de um terópode e uma ave ou de um gorgonopsídeo e um mamífero.
 Elyson scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:36:35
Sobre: [Por que razão alguém que não aceite engolir acriticamente tais inferências não deveria ter permissão para utilizar telefones celulares, computadores e internet? Só porque tais assertivas são “científicas”; e, portanto, “além de qualquer dúvida”?] Estes são os negadores da ciência, aqueles que dizem ser o conhecimento inútil. Já que tudo é inútil, por que se valem de um conhecimento, cuja ciência por eles classificada como inútil, desvendou? A questão não é serem acríticos, mas criticarem maliciosa e equivocadamente, sem conhecimento de causa ou expelindo pérolas, como vimos ao longo do debate. Também já vi uns “artistas do criacionismo” dizerem que a teoria evolutiva nada de útil acrescentou a humanidade e que é um conhecimento do diabo. Então, não se vacinem, não tomem remédios, não se alimentem de comida vendida em feiras e mercados, parem de ir ao médico.
 elyson scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:39:26
Deus não é objeto de questionamento da ciência, assim como não é a fada do dente, o fauno, os gnomos do meu jardim, os titãs, Rama, Pegaso, Odin ou a Hidra. Estes são objetos da teologia respectiva, pois estão inclusos em outro sistema de conhecimento (as mitologias religiosas, cujos sistemas diferem entre si). Se vc falar com um ateu estúpido (o ideológico – esquerdopata) ele lhe responderá o que vc postou. Mas a boa parte deles lhe responderá que a hipótese de deus existir é tão ínfima que ele deixou de fazer sentido, ao menos quanto a origem do universo e da vida. Na internet, procure o blog evolucionismo e o rainha vermelha, para o universo, busque pelo portal do astrônomo. No meu blog explico as coisas também ciênciaxreligião.blogspot.com
 Elyson Scafati
 Enviado em: 03/12/2012 18:41:56
Pois é Etevaldo... Já pensou se G-zuis vem montado em um asteróide dia 21/12/2012 (mais fácil ser um cometa, pois estes demoram a ser identificados) ou em 2019???
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 04/12/2012 11:24:15
A segunda vinda de Jesus e não "G-zuis" não tem ano e data específica, mas tem época: tempo do fim. Quanto a 2012 e 2019 são tudo especulações. Os asteroides podem sofrer algum desvio na trajetória. E 2012 não será o fim do mundo, mas segundo alguns estudiosos, o fim do calendário maia. O problema está em quem interpreta as coisas, e não os fatos em si. Assim é a humanidade, cada um diz o que quer e o que pensa, e segundo a visão que possui define quem é "mentiroso", "criminoso", "dogmático" e "fundamentalista". Esse é o livre arbítrio que a humanidade possui!
 elyson scafati
 Enviado em: 04/12/2012 12:02:37
[A segunda vinda de Jesus e não "G-zuis" não tem ano e data específica, mas tem época: tempo do fim. ] Pois é Etevaldo...Belíssima descupa para algo que jamais acontecerá. Como vcs fanáticos interpretam tudo errado mesmo, nem esse dito de G-zuis escapou de seus equívocos. A vinda de Jesus não é ele aparecer por aqui e ferrar com tudo e todos, por vcs, classificados como ímpios. Não se prenda a literalismos. A vinda de Jesus é vc abraçar ao ideário cristão, ser mais humano, obedecer aos mandamentos principalmente do 5 ao 10 (aqui se inclui aquele mandamento que os fundamentalistas revogaram – NÃO DIRÁS FALSO TESTEMUNHO) que é a relação do homem para com o homem. Já, aqueles que vão do 1 ao 4, são irrelevantes (há um dentre eles, que é o 3, outro que parece ter sido revogado pelos fundamentalistas, que diz: NÃO TOMARÁS O NOME DO SENHOR EM VÃO). Se vc se refere aos criacionistas, eles são mentirosos (mentem até) e criminosos (porque ensinam as crianças errado, violando regra básica de nossa Constituição Federal quando à educação saudável.) São dogmáticos e fundamentalistas, pois a todo custo querem proteger sua ideologia doentia, por meio de uma teologia equivocada. Livre arbítrio... essa já é uma outra história que rende muito pano para manga. Diga-me: que livre arbítrio seu deus oferece (ME AME OU TERÁ A DANAÇÃO ETERNA)?
 Marcus Vinicius S. Oliveira
 Enviado em: 04/12/2012 17:57:16
Elyson, meu velho, valeu pelos links oferecidos. Já estou acompanhando seu blog; inclusive, se não me engano, acho que postei um comentário lá algum dia desses. Se você me permite a intromissão, eu só gostaria de sugerir-lhe que acrescentasse ao layout do mesmo um gadget de inscrição por e-mail para que, assim, as pessoas pudessem ser notificadas recebendo os boletins com as atualizações do seu site. Bem a propósito dessa questão da suposta "inutilidade da ciência", encontrei na Internet esta charge temática muito instrutiva e esclarecedora. Veja lá se consegue visualizá-la, acho que você vai gostar bastante. O endereço é: https://docs.google.com/open?id=0B5BtcNsA2a58MGxKX3FFSEVfbmM Por hora, encerro minha participação aqui. Não, contudo, sem antes dizer-lhe que, para um ateu, você até que não é nada mau... ops, brincadeirinha! Falando sério agora, o que eu queria dizer é que foi um enorme prazer poder discutir e aprender com você. E se, porventura, pareci-lhe deselegante, inconveniente ou desrespeitoso nalgum momento, peço-lhe mil desculpas. Um grande abraço.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 05/12/2012 12:15:37
Olha só Elyson filosofando! Misericórdia e justiça estão juntos com o Deus Eterno, Criador e Imutável. Livre arbítrio é escolher entre o certo e o errado. Não somos criminosos ao ensinar a verdade que você chama de "mentira". Não merecemos cadeia (lugar onde devem estar todos os criminosos). Mas assim são os fundamentalistas darwinistas, sempre dispostos a ofender e matar como HITLER, aqueles que não se submetem ao que chamam ideal. Perseguem uma minoria (criacionistas), tentando mudar as concepções das pessoas do que é ideal para a existência. Sempre agressivos e brutos, tal qual os perseguidores do passado. Por isso o sábio Salomão, filho de Davi, disse que a história se repete; e não há nada de novo no mundo: a maioria sempre tentando massacrar e minoria (egípcios contra os israelitas, romanos contra Jesus, católicos contra os protestante, e agora - evolucionistas contra criacionistas). Depois nos chamam de criminosos!
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:35:44
Pô Etevaldo... mas que choradeira!!! O que eu fiz, não foi filosofar, mas interpretar corretamente os equívocos em que os fundamentalistas caem constantemente e tentam vender ao pobre populacho inocente que frenquenta essas porcarias de igrejas que têm por ai, onde a seriedade é zero. O que é certo e o que é errado Etevaldo? Vc sabe dizer isso ou vc coloca seus valores em voga? E os valores de outras culturas? Estão abarcados em seus conceitos de certo e errado? O certo e o errado dependem de sua cultura e momento de sua vida. Mas, vc daria a sua vida para salvar uma criança com câncer? Vc acha certa a eutanásia? Vc gostaria de ver um de seus entes queridos definhar com uma doença incurável e negar-lhe o direito de morrer em paz, em prol de seus valores, daquilo que vc acha que é certo ou que é errado? Vc acha certo ou errado eu adorar Ganesh em vez de Cristo? Por que?
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:38:12
Na concepção religiosa, livre arbítrio não existe. Livre arbítrio é vc escolher se vai comer banana ou maçã no café da manhã, desde que nenhuma lhe faça mal, pois se fizer, vc estará se violentando e não terá plena liberdade de escolher entre ambas. Assim, livre arbítrio é vc escolher alternativas que não criem conseqüências, nem a vc e nem a terceiros. Portanto, se eu não prestar culto ao seu deus eu terei a conseqüência do inferno, o que elimina minha liberdade de escolha. Se eu decido assaltar a loja da esquina pode haver a conseqüência de eu ser preso ou morto pela polícia. Se eu decido me viciar em cocaína posso ter a conseqüência de ficar lesado das idéias ou morrer. Se eu decido tomar sorvete de leite condensado, sendo eu diabético posso ter um choque e mesmo morrer ou ter seqüelas graves. Se eu desejo me matar, dependendo da minha religião responderei por isso no além. Assim nossas liberdades são limitadas, apenas a banalidades que não façam mal a mim ou a ninguém.
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:40:46
Tava demorando para vc voltar a flertar com Hitler... caiu de novo na lei de Godwin. Como já lhe disse, não me interessa o que Hitler fez ou deixou de fazer, pois o assunto aqui é UNIVERSOS PARALELOS e não 2 Guerra Mundial ou Nazismo. Assim, sua comparação é no mínimo nonsense. Etevaldo eu não quero a morte de ninguém e, tampouco, sou um “fundamentalista darwinista” [SIC]. Sou simplesmente um cientista. Para mim, se amanhã descobrirem que o núcleo duro da teoria evolutiva (vc nem deve ter ideia do que seja isso) estava completamente errado, não estou nem ai, porque assim funciona a ciência. O cientista, ao contrário do fanático, teme ficar na obscuridade e na mentira. Cientistas não têm o intuito de controlar socialmente nenhum grupo e nem de estabelecer nenhum ideal a ninguém, ao contrário dos ideólogos políticos ou religiosos. O cientista apenas quer saber como a natureza funciona, sem apelar para entidades metafísicas, que nada explicam, apenas chutam adiante a questão (estude a navalha de Occam). O problema com os criacionistas, Etevaldo, é se valerem de argumentos que não fazem o menor sentido, pois a maioria de seus questionamentos ou já está respondida ou sequer tem plausibilidade.
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:42:03
Quando respondidas, simplesmente essa classe de negadores da ciência da ombros, tapa os ouvidos e diz “lálálálálá” e continua, insistentemente incorrendo exatamente nos mesmos erros e absurdos. Metem para as crianças, como fez aquele calhorda daquele professor adventista ao ”dar uma aula sobre fósseis” àquelas pobres crianças. O que ele ensinou é um acinte à inteligência humana, pois estava tudo completamente errado. É isso que não pode acontecer. De uma escola se espera que ela prepare o indivíduo para a sociedade e não que forme um idiota que repita a bíblia como um papagaio sem saber o que está dizendo, como vejo muitos cristãos e judeus fanáticos por ai e que saiam dizendo absurdos como vemos em blogs criacionistas. Esse cara tem sim responsabilidade legal; deveria no mínimo, responder pelo que ele fez e ser a Escola Adventista multada, por dar guarida a um pseudo-professor (sequer ele tinha formação em biologia...) e aplaudir todo esse besteirol denominado criacionismo. Como eu já disse Etevaldo, as suas e as minhas concepções, opiniões e valores de nada interessam para as ciências naturais. Esta não é uma plataforma de protestos para se colocarem valores em voga. A ciência é amoral (indiferente a moral). Ela é crítica, desde que a crítica tenha fundamento.
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:43:10
O mundo é o que é independente do que vc acredite ou desacredite em ternos de suas filosofias de vida. O fato de vc achar que deus fez as pessoas e de seus livros sagrados assim postularem, em nada muda a realidade de que somos um produto de uma evolução de 3,8 bilhões de anos, ou de que o nosso sol um dia apagará ou de que um dia poderemos ser extintos. Mas Etevaldo, o que é ideal para a existência? Vc consegue definir isso? Ninguém aqui foi agressivo com vc, pois desmantelar argumentos nonsense não se trata de agressividade. Criacionistas não são perseguidos no mundo científico. Eles são o “fator risada”, pois são ridicularizados por suas idéias sem a menor plausibilidade. Todavia, atualmente têm se tornado uma preocupação, com a disseminação de igrejas e escolas confessionais que lhes dão espaço para palestras, que diga-se de passagem, não passam de LIXO. Slides lindos, e discursos literários fabulosos, porém, sem o menor sentido lógico-científico-religioso. Portanto, não venha com esse argumento da piedade de que evolucionistas querem massacrar criacionistas. Isso é falso. Biólogos evolucionistas querem entender como se dá a teoria evolutiva. Eles estão se lixando para o que criacionistas pensam.
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:44:23
O cientista tem um compromisso com a verdade e não com ideologias ateístas, políticas ou religiosas, ao contrário dos criacionistas. Vcs possuem uma fé tão frágil que precisam de provas para crer em seu deus e pior, mentem para preservar a imagem desse ser. Isso, Etevaldo, é uma vergonha e vil é nojento, pois e aproveitam de crianças, jovens e pessoas com nível intelectual baixo. Isso, Etevaldo, é estelionato, tipificado no art. 171 do Código Penal, por isso criacionistas são criminosos, além de violarem regra constitucional. Juro Etevaldo, se eu um dia matricular um filho em uma escola laica e ele aparecer com material criacionista em casa, travestido de aulas de ciências, eu processo a escola e exijo meu dinheiro de volta e danos morais e tenha certeza, eu consigo.
 elyson scafati
 Enviado em: 05/12/2012 20:49:53
Felizmente, minha filha ri dessas bobagens ensinadas em aula de religião e me disse que nada daquilo faz sentido. E ao me perguntar por que mentem as crianças, tive de dar uma aula de judaísmo iniciático para ela. Disse que deveria entender aquilo tudo não literalmente, mas como lições para a vida, com exemplos e tudo mais. Isso parece ser coisa que tem escapado aos seus olhos, pois pelo visto a IASD sequer entende uma linha dos evangelhos. Resumindo vcs se atêm à banalidade e perdem o principal dos textos bíblicos: as lições para a vida. Assim, Etevaldo, ser religioso é uma coisa. Este tem um compromisso em amenizar o sofrimento das pessoas. Mas, ser um tolo é outra coisa, pois não fazem a obra religiosa e ainda contribuem para a idiotização do povo. Fazem a má religião e a má ciência; querem desqualificar esta e fazendo isso levam aquela ao ridículo. Continuem assim e estarão dando muita munição aos ateus. hugs
 Lori Marcos Borges
 Enviado em: 24/12/2012 13:16:30
É simples e de certa forma natural perceber o óbvio. Fomos nós "criados" para viver neste ambiente, e não o ambiente que foi criado para se adaptar a nós. Já estava tudo pronto, e a "vida", que é extremamente adaptável, surgiu onde havia maior probabilidade de acontecer porém, afirmar que somente aqui há vida, e que outros lugares do universo ou de multiversos são inabitáveis, é uma afirmação ingênua e precipitada. assim como vivemos em um "local" que "parece" ter sido feito sob encomenda para nossa existência, outros tipos "bem deferentes" de vida podem "(e em minha humilde opinião elas existem)" ter ocorrido em outros locais que para nós seria insuportável viver. Não cometamos erros primários como nossos ancestrais o fizeram, "pensando" que eramos o centro do universo. Assim como aqui na Terra há vários tipos de espécies animais, vegetais e outras, é muito provável que essa mesma diversidade de vida exista em outros mundos, mesmo que bem diferentes do nosso. lembremos que, mesmo quando acreditávamos que a Terra era quadrada, ela não deixou de ser redonda por conta disso. Assim como por não sabermos ou acreditarmos que há vida em outros locais do universo, ela deixará ou não de existir. Sejamos generosos conosco e com a vida, assim como ela realmente é. diversidade e equilíbrio, este é o verdadeiro segredo do universo.
 Etevaldo Melo Batista
 Enviado em: 28/12/2012 21:37:18
Elyson, qual a extensão do universo? Qual a profundidade do mesmo? Qual foi a estrela que você viu nascer e morrer? Quando essa estrela nasceu, levou quantos anos para se formar estrela? Se foram milhões ou mesmo bilhões(como sempre defendem os evolucionistas) de anos, você esteve vivo desde esse tempo? Crime mesmo é pessoas tentarem afastar cada vez mais o ser humano de Deus, pois se Ele não aparece na vida dessas pessoas, na minha e na milhões de pessoas, Deus faz as manifestações suficientes que demonstram a sua existência, mesmo com base na fé, pois sem fé é impossível agradar a Deus. Verdadeiro cientista, não busca ir contra uma linha de pensamento ou defesa ideológica, mas simplesmente buscam evidenciar e mostrar as suas descobertas; assim como aconteceu com os primeiros cientistas. Não procuram atacar "dogmas" religiosos, pois isso é de menos importância para eles, e muito menos se os ensinos contrários fossem uma minoria! Pra que esse alarde todo se jamais haverá ensino criacionista em escolas seculares? Ora se querem retirar os argumentos criacionistas das escolas confessionais, quanto mais das escolas públicas! Por isso esse alarde todo é tolice pura! Estão com medo de que? Ensinem os evolucionistas a evolução segundo a visão que têm, e os criacionistas ensinem o como tudo foi criado dentro da visão possuem e pronto. Deixem que as mentes
 elyson scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:22:31
[qual a extensão do universo? ] Hoje esta medida trazida pela WMAP é de 156 bi de anos luz. A idade do universo ´[e estimada em 13,7 bi de anos. Já essa medida absurda de tamanho ocorre devido à expansão do universo. [Qual a profundidade do mesmo? ] O que vc quis dizer com profundidade? Qual foi a estrela que você viu nascer e morrer? Se vc olhar sistemas solares bebês e estrelas agonizantes veremos elas nascerem e morrerem. Podemos detectar sistemas solares nascendo, quando vemos excesso de poeira se condensando ao redor de um corpo que está começando sua fusão nuclear. Isso é o nascer de uma estrela. Aquelas imagens lindas do Huble cheias de cores são em sua maioria nebulosas de estrelas que se foram. Dentro daquilo Há os seguintes cadáveres: (anãs brancas, pulsares, magnetares e buracos negros.
 elyson scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:24:32
[Quando essa estrela nasceu, levou quantos anos para se formar estrela? ] Depende do tamanho de nossa estrela. As primeiras estrelas que ascenderam o universo foram estrelas massivas gigantes formadas a partir de hidrogênio, hélio e devido à concentrações de matéria escura, após uns 400 mi de anos do início do universo atingindo o ápice após uns 3 bi de anos. Demoraram em torno de uns 100 mil anos para se formarem e se consumiram em cerca de 300 a 500 mi de anos (viva pouco e intensamente!!!!). Hoje temos estrelas de segunda e terceira geração, feitas dos restos daquelas estrelas massivas se formam a partir do choque de ondas de uma super nova ou de um choque intergalático que faz uma massa de destroços colapsar gravitacionalmente e daí se inicia o processo de fusão nuclear que leva de 10 a 15 mi de anos. Essas estrelas também têm uma duração que depende de seu tamanho (quanto de combustível nuclear elas possuem e com que velocidade queimam).
 elyson scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:25:54
[Se foram milhões ou mesmo bilhões(como sempre defendem os evolucionistas) de anos, você esteve vivo desde esse tempo?] Etevaldo vc é um cara que lê muito o lixo produzido por criacionistas e assim repete exatamente os mesmos erros que eles cometem (parecem mantras sagrados do criacionismo). Erro 1 – não é preciso estar vivo há bilhões de anos para se saber o que ocorreu no passado da vida e do universo. Isso é um raciocínio falacioso (espantalho). Hoje temos meios para detectar toda essa história, pois os fatos do universo deixaram suas pistas. Seu raciocínio é tão imbecil quanto dizer que para contarmos a história de Roma deveríamos estar lá. Pela sua ótica, a vida de Jesus também perde o sentido, pois vc também não estava lá, logo nada pode dizer. Como vc assegura os “testemunhos da época”? Vc tem um filme ou uma foto de Jesus? Pois é... não; portanto, as histórias dessa personagem são falsas. Erro 2 – BIÓLOGOS EVOLUCIONISTAS NÃO CALCULAM NADA. QUEM FAZ CÁLCULOS SÃO COSMOLOGISTAS (UNIVERSO) E GEÓLOGOS (ROCHAS). Os biólogos se valem da metodologia geológica (oriunda da física das radiações) para calcular as datas de seus fósseis.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:26:51
[Crime mesmo é pessoas tentarem afastar cada vez mais o ser humano de Deus, pois se Ele não aparece na vida dessas pessoas, na minha e na milhões de pessoas, Deus faz as manifestações suficientes que demonstram a sua existência, mesmo com base na fé, pois sem fé é impossível agradar a Deus.] É mesmo? Como vc sabe disso? Vc já falou com este ser? Como vc conhece tanto os desígnios dele? Como vc garante que tais manifestações são oriundas de um ser divino e não fruto de sua imaginação? Se é uma mera questão de fé isso não seria tudo fruto de sua subjetividade? Ao que eu saiba, mentir é pecado; vc se lembra do nono mandamento? Aquele que diz NÃO DIRÁS FALSO TESTEMUNHO (não minta, não distorça não crie falsas idéias, não se aproveite de jovens, crianças e pessoas com menor nível intelectual, não enrole, não omita, não invente, não aumente, dentre outras peripécias que se traduzem como mentira). Vc se lembra de um outro que diz NÃO TOMARÁS O NOME DO SENHOR EM VÃO? Pois é isso quer dizer: não use o nome de deus para promover suas falcatruas e nem defender suas sacanagens. Me parece que a IASD deliberadamente suprimiu esses dois mandamentos, pois os viola de forma recorrente.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:28:05
Sim, Etevaldo, é crime vc se valer de uma escola para ensinar coisas erradas às crianças. A escola seja ela qual for, presta serviço público à sociedade, ou seja, ela tem uma concessão. Se ela não cumpre sua tarefa de forma correta é um assunto de interesse público, pois viola a lei de diretrizes básicas de educação e preceito constitucional que trata deste mesmo tema. Leia aqui sobre o “Execrável Consórcio Criacionista Adventista”. http://cienciaxreligiao.blogspot.com.br/2012/12/desrespeito-ao-estado-laico-e-promocao.html [Verdadeiro cientista, não busca ir contra uma linha de pensamento ou defesa ideológica, mas simplesmente buscam evidenciar e mostrar as suas descobertas; assim como aconteceu com os primeiros cientistas.] Quanto esta linha insiste em seu erro é dá de ombros a tudo deve ser sim derrubada. Se não se faz isso continuamos a promover e incentivar a ignorância. Vc pode ter a ideologia que quiser, mas não a estabeleça como uma verdade acima de tudo, pois vc pode sofrer um baque tremendo. Ou seja, aqui vc diz-se seguidor de uma ideologia que deve ser passada como verdade; é isso?
 Elyson Scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:29:14
[Não procuram atacar "dogmas" religiosos, pois isso é de menos importância para eles, e muito menos se os ensinos contrários fossem uma minoria!] Bom, então criacionismo pode ser entendido como um dogma de sua crença, logo não se trata de ciência, mas de mera base para sua ideologia; é isso? Aqui me parece que vc comete a falácia ad popolum, ou seja, o que o povo diz é o certo. Povo, Etevaldo, é formado por pessoas leigas. Vc pode acreditar no coelhinho da páscoa e assim podem fazer os 7 bi de pessoas. Se ele não existir e tal inexistência se aproximar de uma verdade, de nada valerá o que diz o senso comum. O mundo pode acreditar que a evolução é uma farsa, mas, infelizmente, ela não é; ela é fato e a teoria evolutiva explica como esse fato decorreu. [Pra que esse alarde todo se jamais haverá ensino criacionista em escolas seculares?] Isso pode acontecer. Não esqueça que temos bancadas evangélicas e ensino de religião em escolas (o que eu sou totalmente contra). O criacionismo, seja em escola secular ou confessional, deve ser relegado à aula de religião e não de ciências. Aliás, se o colégio adventista se diz tão democrático e crítico, por que não ensina outras vertentes criacionistas?
 Elyson Scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:30:43
[ Ora se querem retirar os argumentos criacionistas das escolas confessionais, quanto mais das escolas públicas!], Argumentos Etevaldo não servem para nada exceto para discussões filosóficas. Em ciências naturais, argumentos tem de ser evidenciados para valerem alguma coisa. Por meio de filosofia erística (como faz Lane “Charlatão” Craig) podemos até defender que o céu é amarelo com bolinhas vermelhas. [Por isso esse alarde todo é tolice pura! Estão com medo de que? Ensinem os evolucionistas a evolução segundo a visão que têm, e os criacionistas ensinem o como tudo foi criado dentro da visão possuem e pronto.] Hahahahahah!!!! Visão evolutiva dos criacionistas... Essa é boa! Vc deve ter feito alguma piada. Isso não existe. É o mesmo que dizer vamos ensinar a medicina sob o enfoque do curandeirismo. Não é uma questão de medo, mas de promoção da ignorância, incapacitação científica e ideologização das pessoas. A visão criacionista é completamente equivocada e ou posso lhe dizer ponto por ponto do Gênesis e por que. Aliás, o criacionismo indiano é bem mais coerente que o judaico, pois apresenta ciclos de criação e destruição do universo.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:34:05
Dar vazão ao criacionismo é o mesmo que eu dizer que métodos de adivinhação fazem um contraponto a estatística e que a alquimia faz um contraponto à química. Etevaldo o que é certo é certo e o que é errado é errado, não interessa se é a sua crença ou não e usar sua liberdade de crer como subterfúgio para se ensinar errado em sala de aula. Não posso ensinar astrologia em sala de aula como não posso ensinar criacionismo, como não posso dizer que nuvens são feitas de algodão doce, que os anéis de saturno são feitos de capuchino e a Lua é feita de queijo, porque é a minha crença religiosa e deve ser feito um contraponto com o que diz a ciência. Isso está errado e se eu ensinar absurdos terei de ser punido, pois estou desrespeitando a lei. Quer ensinar crendices, faça isso no templo e não nas aulas de ciência. Certifique as crianças e adolescentes que aquilo é um mito de criação e não uma ciência natural. O problema é esse Etevaldo, é ensinar errado; é travestir religião como ciência; é não fazer contrapontos com outras religiões nas aulas de mitos; é estabelecer o criacionismo judaico-cristão como uma verdade acima de tudo e incontestável; é o fundamentalismo de sua igreja querendo se expandir no meio de crianças; é fazer doutrinação religiosa em sala de aula; é mentir.
 elyson scafati
 Enviado em: 02/01/2013 08:39:00
Quer aprender sobre universos paralelos, leia aqui: http://cienciaxreligiao.blogspot.com.br/2012/12/os-argumentos-do-desespero-de-um.html Leia todos os tópicos; são 6.
 Elyson scafati
 Enviado em: 03/01/2013 14:18:12
Falha nossa: A WMAP trás uma medida de tamanho do universo de 46 bi de anos luz. http://lambda.gsfc.nasa.gov/product/map/dr4/pub_papers/sevenyear/basic_results/wmap_7yr_basic_results.pdf http://cosmos.phy.tufts.edu/~zirbel/ast21/sciam/IsSpaceFinite.pdf http://books.google.com.br/books?id=akb2FpZSGnMC&pg=PA187&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false http://books.google.com.br/books?id=1TXO7GmwZFgC&pg=PA58&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
 Etevaldo Melo Batista
 Enviado em: 25/01/2013 22:13:01
Elyson se vale apenas de preconceito. Onde nasceu a ciência? Foi na Europa protestante ou nos povos que diziam a natureza era intocável? Cientista não se vale de crer ou não em Deus, mas estudar o que existe. Se ele acredita em Deus, não deve impedir de procurar soluções para o bem da humanidade. Isso ocorreu há muito, e também agora ocorre. Acontece que estão tentando calar a boca de cientistas por simplesmente defenderem a existência de um Ser superior a tudo. No passado esses mesmos cientistas (crentes em Deus) fizeram suas descobertas e beneficiaram a humanidade. Agora querem barrar uma minoria, como sempre foram, na defesa particular que possuem chamando-os até de pseudocientistas. E se eles ou se algum deles descobrir a cura definitiva da AIDS (até aqui nenhum cientista: nem criacionista nem tampouco algum evolucionista conseguiu)? Será que a descoberta terá crédito? O que farão os cientistas evolucionistas diante dessa façanha? Afinal o método científico começou com pessoas que acreditavam em Deus, pois viam a natureza como algo bom e suscetível ao estudo. Não endeusavam a natureza como outros povos fizeram.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:01:03
Elyson se vale apenas de preconceito. Onde nasceu a ciência? Foi na Europa protestante ou nos povos que diziam a natureza era intocável? [Mais uma vez Etevaldo lhe advirto que lhe faltam leituras de material sério e não o lixo que os criacionistas produzem. O primeiro lampejo de ciência se deu ainda dentre os sumérios, seguidos pelos acadianos, egípcios, gregos, chineses, babilônios, indianos, romanos e depois pelos árabes, que resgataram a filosofia grega, aliada ao conhecimento do oriente. A Europa protestante apenas evoluiu este conhecimento, pois o mundo mudara. O capitalismo entrara em cena. Assim, Etevaldo, a força da necessidade empurrou os europeus adiante, principalmente em países como o Reino Unido, rico em carvão, o que lhe deu boas chances de impulsionar a sua indústria nascente e conquistar a economia mundial, o que gerou conflitos que acabaram por desembocar na primeira guerra mundial. Resumindo, seu argumento tosco de que me valho de preconceitos caiu por terra. Basta vc ler qq livro de história (os sérios claro, jamais a produção de lixo criacionista). No mais Etevaldo, a base de td que vc crê começou com o endeusamento da natureza, sendo o xamã o intermediário entre ela e os homens. Leia Mircea Eliade e Durkheim.]
 Elyson scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:03:06
Cientista não se vale de crer ou não em Deus, mas estudar o que existe. Se ele acredita em Deus, não deve impedir de procurar soluções para o bem da humanidade. Isso ocorreu há muito, e também agora ocorre. [Um lampejo de lucidez, finalmente!!! Entenda que a teoria evolutiva trouxe e traz grandes benefícios à humanidade, como o desenvolvimento de medicamentos, o estudo de doenças genéticas e a busca pela sua cura, o desenvolvimento da agricultura e da pecuária, pois tudo o que vc come hoje de vegetais são híbridos e os animais são geneticamente selecionados.] Acontece que estão tentando calar a boca de cientistas por simplesmente defenderem a existência de um Ser superior a tudo. [Errado Etevaldo. Como já lhe expliquei, não pode acontecer de quererem travestir crença religiosa de ciência e enfiar esse lixo chamado de criacionismo nas salas de aula. É uma patente violação do direito de crença e da qualidade da educação, pois como já lhe mostrei e lhe mostro a hora que vc quiser que toda a retórica criacionista não passa de lindos textos literários, porém, sem o menor fundamento lógico-científico. Tudo o que o criacionismo faz se assenta na mentira, no engodo, na falsidade, na leviandade. Sem dizer que se trata de um estelionato intelectual, em busca de um estelionato financeiro.]
 Elyson Scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:04:27
No passado esses mesmos cientistas (crentes em Deus) fizeram suas descobertas e beneficiaram a humanidade. Agora querem barrar uma minoria, como sempre foram, na defesa particular que possuem chamando-os até de pseudocientistas. [Sim Etevaldo, criacionismo e DI assim como tarologia, astrologia, salto quântico, curandeirismo e cientologia são pseudociência, pois apresentam erros gritantes e crassos, sem falar que NÃO APRESENTAM NADA, ABSOLUTAMENTE NADA DE CONCRETO em seus argumentos ou metodologia científica. O criacionismo em sala de aula equivale a ensinar-se curandeirsmo no lugar da medicina e jogo de búzios no lugar de estatística aplicada ao mercado financeiro. Ou vc concorda em ensinar alquimia no lugar de química? Mas responda por que devemos ensinar o criacionismo judaico cristão e não as “n”vertentes criacionistas que existem em cada crença religiosa? O que faz prova ou evidencia que a forma de criacionismo que vc acredita é mais ou menos certa que outra qualquer? NADA não é Etevaldo? É por esse motivo que o criacionismo não deve ser ensinado em sala de aula como alternativo à biologia, porque ele se trata de mera questão de fé religiosa, a qual varia conforme a esfera íntima de cada indivíduo.]
 Elyson Scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:05:50
E se eles ou se algum deles descobrir a cura definitiva da AIDS (até aqui nenhum cientista: nem criacionista nem tampouco algum evolucionista conseguiu)? Será que a descoberta terá crédito? O que farão os cientistas evolucionistas diante dessa façanha? [Etevaldo se alguém achar a cura para o que quer que seja e esta funcionar dentro dos padrões da metodologia científica ótimo. A religião de uma pessoa não interessa para suas obras. Não misture as estações. Quer um cientista religioso que admiro: Francis Collins. É um cristão que não mistura as estações e não dá azo ao criacionismo, ao contrário o repudia por fazer má religião (a religião doente, aquela presa a literalismos como a que vc segue) e má ciência (mistificação da seara científica). Outro cara que gosto é Marcos Eberlin. Juro, eu sairia no tapa para ouvir ele falar de química. Porém o criticaria duramente se ele falasse de criacionismo, pois mesmo ele, quando adentra essa seara da pseudociência somente profere falácias alem de suas opiniões meramente subjetivas. Por que será que Eberlin não fala de DI em seus trabalhos de espectrografia, mas fala de nível de energia mínimo para um arranjo cristalográfico (falei grego para vc?). Pois é né Etevaldo, POR QUE SERÁ? Será que ele cr6e mesmo em toda essa baboseira de criacionismo ou ele vive em um conflito entre fé cega de u
 Elyson scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:08:35
Afinal o método científico começou com pessoas que acreditavam em Deus, pois viam a natureza como algo bom e suscetível ao estudo. Não endeusavam a natureza como outros povos fizeram. [Etevaldo isso se chama falácia do argumento da autoridade. Se Einstein tivesse dito que é bom tomar água de berinjela de manhã para o meu dia render, será que isso é verdade? O fato deles acreditarem em deus ou na fada do dente, não é condição necessária e suficiente para que estes seres existam. O problema de vcs fanáticos é misturar as coisas e acharem que estão certos acima de tudo e que vcs são a cereja do bolo. O criacionismo e sua versão subreptícia o DI (este ainda mais desonesto que aquele) nada mais são que crença religiosa cristã fundamentalista - a religião doente que precisa de justificativas para os “HOMENS DE POUCA FÉ” nela crerem.]
 Elyson scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:10:11
VAMOS LÁ ETEVALDO, RESPONDA VC GOSTARIA DE APRENDER CRIACIONISMO INDIANO? Como será que vc se sentiria vendo seus filhos aprenderem que Shiva cria e destrói em um ciclo infindável? O que vc acharia de falarem de uma guerra com um exercito de macacos e seres esquisitos pilotando vimanas (máquinas voadoras)? Que vc acharia de o Rig veda, o Mahabharatha o Bagvad Gita e o Ramayana serem visões alternativas da história das ciências? Não seria toda a literatura sagrada da India uma verdade inconteste e seus deuses os verdadeiros? Vc conseguiria fazer prova concreta de que toda essa vertente religiosa é uma verdade ou uma falsidade? Se sim como? Vc conseguiria mostrar que é Shiva regendo o universo, se criando e se destruindo com ele? Vamos lá Etevaldo exercite um pouco seus neurônios. Juro que não vai doer...
 Elyson scafati
 Enviado em: 01/02/2013 10:58:04
Retificando o post 101 que saiu cortado: Por que será que Eberlin não fala de DI em seus trabalhos de espectrografia, mas fala de nível de energia mínimo para um arranjo cristalográfico (falei grego para vc?). Pois é né Etevaldo, POR QUE SERÁ? Será que ele crê mesmo em toda essa baboseira de criacionismo ou ele vive em um conflito entre fé cega de uma religião doente e ciência?
 Elyson Scafati
 Enviado em: 01/02/2013 11:11:10
No mais Etevaldo, até agora vc não respondeu uma das questões que lhe formulei ao longo desse bate-papo. Vc apenas veio com essa ladainha de que "querem massacrar os pobrezinhos dos criacionistas"; "Ohhh Deus!!! O mundo odeia os seus servos cristãos!!!"; "Somos vítimas dos cruéis e sanguinários cientistas ateus que querem nos amordaçar!!!" Seja mais maduro Etevaldo. Cresça!!! Olhe tudo a sua volta e tende entender que mentir é errado mesmo para favorecer o deus que vc presta culto. Se vc tem condições, recapitule todos os meus questionamentos e responda-os em vez de fugir da raia e ficar com esse triste e ridículo choramingo.
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 08/02/2013 22:05:51
Não estou "choramingando"! Não poderemos mudar uma trajetória profética: os escarnecedores com seus escárnios! Índia? Com todas as crenças em animais e misticismo puro? Voltar aos tempos dos pagãos que sacrificavam os filhos a supostos deuses? Não. Prefiro o cristianismo e o ensino do mesmo. Duendes? Histórias medievais? Fundamentada em que? Essas comparações não me intimidam, pois são totalmente opostas. Não há relatos históricos de povos com duendes, há? Você de diz cientista e está debatendo com uma pessoa comum? Queres me tornar adepto do seu ateísmo? Você não enxerga que está perdendo seu tempo, ocorrendo o mesmo com aqueles que se manifestam contrários ao ensino criacionista em escolas confessionais? Numa de suas declarações você até se contradisse! Preciso analisar seus argumentos com mais tempo para responder às suas indagações, por isso não te respondi e não respondo ainda a todas as perguntas que você me fez. Afinal estou lidando com um "verdadeiro cientista", pois é ateu!
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 08/02/2013 22:15:26
Também não sei se responderei a tudo que você perguntou anteriormente. Não tenho tempo ainda para isso. Você pode notar que respondo aos seus argumentos, uma semana depois ou mais. Estou cuidando de meu pai que está com sérios problemas de doença, e vez ou outra vou hospital de urgência com ele. Ele somente tem a mim, para socorrê-lo embora tenha mais dois filhos. Desculpe-me colocar esse problema pessoal, mas são muitas pressões psicológicas, onde meu raciocínio fica a desejar para argumentar com você! Não sei se isso importa pra você Elyson, mas poderia ser que você pensasse que estou fugindo do assunto em questão, ou então que somente tenho falácia. Tudo bem, é direito seu de pensar o que quiser! Não quero trazer problemas para você colocando os meus. Se você fosse cristão pediria oração a você, tanto a favor de meu pai como a meu favor, já que sou eu quem o acode quando precisa. Mas como você é ateu, não entende isso mesmo; é vão te pedir isso! Desculpe-me o incômodo!
 Elyson Scafati
 Enviado em: 09/02/2013 19:46:02
Etevaldo, mais uma vez vc age com falácias, como se aquele que não crê na mesma coisa que vc fosse um insensível e insensato. Tenho família sim e não gosto e não acho legal se alguém, fica doente ou morre. Saiba que meus bisavós e parte dos filhos deles morreram no campo de concentração de Chelmno. Não é por isso que vejo todos os alemães como insensíveis e brutos (aliás, minha esposa é descendente de alemão. Quanto a sua crença Etevaldo ela é tão ou mais ridícula que a crença nos deuses indianos. E.g. uma cara erguer um cajado e abrir o mar, cobras falantes, anjos transando com a mulherada, um sujeito que morre e ressuscita, um outro que deve ter comido uns cogumelos, ficado bem louco e tido as visões do fim do mundo, um doente psicótico – Paulo de Tarso – que saia por ai dizendo que todos viviam na mentira, um cara engolido por uma baleia e cuspido numa praia, uma mulher saindo da costela de um homem, uma arca idiota cheia de animais navegando em meio a um dilúvio dentre outras idiotices. Como eu já lhe disse indianos têm suas escrituras e muito delas se pauta no real (e.g. a cidade de Krishna).
 Elyson Scafati
 Enviado em: 09/02/2013 20:09:05
Eu sei que falar com caras como vc e, com uma porta, é quase igual (a porta tem mais raciocínio, não passou por uma lavagem cerebral). Para mim, tanto faz o que vc crê ou deixa de crer. Mas não venha trazer todo esse LIXO para a sala de aula. Deixe essa porcariada no seu templo. Idiotize os seus filhos, não o dos outros. Vc diz que sou ateu. Quem é vc para me julgar? Quem é vc para saber o que há em meu íntimo? Foi o seu deus da mentira que assoprou em seu ouvido? O fato, Etevaldo, é que vemos deus de formas distintas. Vejo deus como a variável que se cancela dos dois lados na equação do universo, uma vez que tal ser ou seres está/estão muito além de tudo isso. Deixaram-nos seguir nosso curso. Não precisamos MENTIR acerca das leis naturais, inventando designer, forçando a barra para adaptar tudo à bíblia, de modo a afirmarmos nossa crença/ideologia (dê a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus). Se não quer responder nada, não responda. Aliás, na religião da Índia não há duendes, há deuses que vieram do céu e travaram batalhas por aqui. Duendes e fadas, assim como seu deus, são transcendentes (estude a religião celta!!!!). Jainistas não matam nem uma formiga. Respeitam a vida com fundamento em que este ser pode ser um conhecido.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 09/02/2013 20:12:44
Sua religião, antes de ser o que é, também matou crianças. Vide o mito de Abraão, um acadiano que, sem questionar, quase deu cabo de seu filho a Deus, ou seja, de hj para diante, não mais matamos crianças (esse é o moral da história do mito . Mas como na Umbanda, continuaram matando animais para oferecer a deus e, somente pararam, porque não foi construído o novo templo. Sua religião também matou pessoas na idade média e não foram só católicos, calvinistas também fizeram isso (leia sobre Miguel de Servet). Lutero pregou contra judeus. E, ainda hj cristãos destilam ódio contra homossexuais, espíritas, e contra quem não crê no cristianismo. E ai Etevaldo; Isso é ser cristão? Vou organizar as perguntas para facilitar sua vida. Entre em meu blog e lhe passo um e mail de contato: http://cienciaxreligiao.blogspot.com.br/ Quanto a seu pai, melhoras a ele.
 Elyson scafati
 Enviado em: 10/02/2013 15:49:26
No mais Etevaldo, caras como vc não me dão raiva; dão-me pena. Pena por terem passado longe dos livros e acharem que o fundamentalismo de suas crenças é a verdade acima de tudo. Pena por serem ignorantes e quererem bater o pé em sua suma ignorância achando que estão certos. Pena por darem de ombros ao que é científico e se agarrarem em mitos da idade do bronze, como se fossem mais plausíveis que mitos da mesma época. Lembre-se Etevaldo, um sábio pode se passar por ignorante (o caso de Eberlin), mas um ignorante não pode se passar por sábio ( a maioria dos zumbis criacionistas). Para mim, o que vc acredita ou não e o que fazem ou deixam de fazer em escolas confessionais não vem ao caso. Não estou nem ai se os filhos dos outros estão sento transformados em idiotas, sem um mínimo de senso crítico, que somente sabem, como papagaios, repetir versículos bíblicos fora de contexto. Até em relação a ao que se passa em escolas confessionais discordo, uma vez que pais não têm o direito de impor crenças aos filhos e, tampouco, uma escola tem o direito de fazer doutrinação em sala de aula e ensinar mitologia no lugar de ciência.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 10/02/2013 15:50:33
Isso, Etevaldo, é violação de regra constitucional quanto à educação (se é que este diploma legal vale alguma coisa para vc). É o mesmo que se ensinar que Roma jamais existiu, ou que as pirâmides foram feitas por ETs, ou que um quadrado tem 5 lados. Está errado e ponto. O MEC possui uma diretriz básica para o ensino, sendo que as escolas recebem uma concessão do Estado para atuarem. Portanto, devem seguir as diretrizes do MEC (ao contrário da escola dominical adventista – onde vc deve ter estudado ciências...) e devem seguir a ordem constitucional, que é imposta a todos. Imagine só eu ir dar aula na faculdade de física quântica e falar sobre almas e espíritos ou salto quântico... Tal conduta seria ridícula! Deveriam cassar meu diploma e me proibirem de dar aulas, caso eu cometesse um desatino desses. Além de tudo, eu deveria indenizar a escola, por prejuízo a sua imagem e aos alunos, por lhes prestar um péssimo serviço de educação científica. É o que deveria acontecer com o tal do professor adventista em relação àquela aula estúpida que ele deu sobre fósseis. Entenda, Etevaldo, que educar é uma coisa e, doutrinar é outra muito diferente. Nenhuma forma de criacionismo possui credibilidade científica, seja o indiano apoiado por Cremo, seja o judaico cristão apoiado por fundamentalistas cristãos e islâmicos e por judeus ortodoxos.
 Elyson Scafati
 Enviado em: 10/02/2013 15:51:52
Todo e qq questionamento que vcs fazem acerca das teorias que desalojam seu deus das lacunas, em que ele ainda se esconde, são vistas com maus olhos. Porém, ou já estão respondidas, ou em fase de se dar uma resposta natural e científica. Mesmo que a ciência não tenha respostas, nada autoriza a dizer que foi o deus X o designer, o diabo ou o raio que o parta!!! Isso é o argumento da ignorância, pois não busca ir atrás de uma resposta; ela já está pronta. Para vc, Etevaldo, eu noto que algo é bom ou ruim, pelo tanto que é a favor ou contra suas crendices e ideologias. Isso é ruim, pois vc não analisa nada com senso crítico, mas apenas com o senso ideológico, que é acrítico. Veja que vc repete sempre os mesmos mantras sagrados do criacionismo – um idiota diz e os outros repetem, como se fosse um meme –Dawkins estava certo quanto à memética .
 elyson scafati
 Enviado em: 10/02/2013 16:00:29
Quanto ao criacionismo, não aceito que salafrários e desonestos, além de pessoas sem um mínimo de conhecimento científico, venham dar palpites infundados naquilo que não fazem a menor ideia, de modo a colocarem seus mitos e crenças como se fossem a verdade suprema. Sempre (é regra) tudo acaba em proselitismo de banheiro. Isso é um desserviço ao País e à sociedade, além, de um desrespeito à liberdade de crença e de um estelionato intelectual. Para mim, é indiferente vc ser ateu religioso cristão, umbandista, budista paganista, agnóstico, ou se vc é adepto de uma convicção religiosa/filosófica qualquer. Não venho aqui fazer proselitismo de nada que seja ideológico (odeio ideologias). Venho aqui defender o que é científico contra as idiotices patentes como no texto que motivou este debate. Não venho aqui fazer proselitismo de nada que seja ideológico (odeio ideologias). Venho aqui defender o que é científico contra as idiotices patentes como no texto que motivou este debate.
 Elyson scafati
 Enviado em: 10/02/2013 16:01:50
Para caras como vc, realmente é perda de tempo ensinar alguma coisa. Já passaram da idade, o cérebro calcificou. Espere pela salvação. Quem sabe lá vc ganhe o que o espantalho do mágico de Oz mais queria... Mas cuidado!!! Deus deve estar muito infeliz com os criacionistas, pois o ridicularizam a todo instante e, a todo momento, tomam seu nome em vão. Em uma alusão a Marilia Gabriela: “Que o deus que eu creio, que não deve ser o mesmo que o seu, o perdoe e aos criacionistas por sua, ignorância, iniquidades e mentiras”. Grande abraço
 elyson scafati
 Enviado em: 12/02/2013 13:31:39
Para vc Etevaldo um pouco da história e da religião da India. http://namastesintra.blogspot.com.br/2009/05/dwaraka-cidade-de-ouro-de-krishna.html http://www.sofadasala.com/pesquisa/dwaraka.htm http://www.youtube.com/watch?v=WQscBeCtXpk Esses caras sabiam viver... http://www.youtube.com/watch?v=G4vfJdausXQ compare o Popohl vuh com a bíblia: http://www.youtube.com/watch?v=gkYUvj0mry8 e aqui para vc uma página de mitos da criação, tão verdadeiros e falsos quanto os da sua crença: assistir, se divertir e aprender... http://www.youtube.com/results?search_query=THE+ABORIGINAL+CREATION+MYTH+&oq=THE+ABORIGINAL+CREATION+MYTH+&gs_l=youtube-reduced.3...210150.210150.0.210616.1.1.0.0.0.0.179.179.0j1.1.0...0.0...1ac.1.uyoF8iPZReU Perguntas: POR QUE NÃO SE ENSINAM ESSES MITOS DE CRIAÇÃO NO CRIACIONISMO? POR QUE OS CRIACIONISTAS QUEREM APENAS ENFIAR GOELA ABAIXO DAS PESSOAS OS MITOS DE SUA RELIGIÃO?
 Etevaldo Melo
 Enviado em: 15/02/2013 22:42:24
Suas últimas considerações que li hoje, Elyson, soaram como a necessidade de beber água, e não foi possível fazê-lo, pois alguém retirou o copo o qual estava cheio do líquido precioso. Também, quem mandou eu pedir "água" a quem não estava nem aí para minha sede! Parabéns por seus argumentos! "Me ajudaram muito"! Depois ainda se defendeu afirmando que eu disse que você era insensível! Você é do tipo de pessoa que nasceu apenas para criticar?
 elyson scafati
 Enviado em: 18/02/2013 11:13:40
Não Etevaldo. Não nasci para criticar. Ao contrário de vc, nasci para viver, aprender e ser feliz, em vez de me prender, com medo, a mitos da era do bronze e achar que eles são a suprema verdade acima de qq coisa. Não nasci para me impor barreiras que os outros querem que eu tenha. Nasci para romper essas barreiras e ir além dos limites impostos. No mais, argumentos da piedade não conferem razão a ninguém. Se não quer ser criticado, não dê palpites furados em matérias que vc não entende nada. Saiba que mesmo sabendo, às vezes somos lenhados por nos expormos. Entenda que sempre que vc tomar a atitude de criticar coisas que vc não tem a mínima compreensão, terá alguém para lhe descer a lenha.
 Elyson scafati
 Enviado em: 18/02/2013 11:14:42
Evolução ou qq outra ciência natural, bem como religião (hermenêutica e fundamentos dos mitos), sociologia, filosofia, educação e direito, geografia e história são disciplinas que vc passou ao largo delas. Não pague o mico de criticar coisas que vc não sabe ou compreende mal, por ter sido mal orientado e por ter lido material de PÉSSIMA QUALIDADE como o “Compêndio científico da SCB” e a coleção “Naor e Adauto para compreender ciências”, ou por ter ouvido um pastor ignorante encher sua cabeça com besteiras desde a sua infância. É isso meu camarada: cresça, evolua, se desenvolva, estude aprenda, livre-se dos medos, dos mitos e das barreiras. A religião o envenenou, o fez perder o bonde do conhecimento e da sabedoria.

Michelson Borges

LEITURAS DA ‘FOLHA’

Cinco provas que nada provam

Michelson Borges | Edição nº 801 | 03/06/2014 | 7 comentários

LEITURAS DE ‘VEJA’

Birra criacionista vs. conquistas darwinistas

Michelson Borges | Edição nº 788 | 04/03/2014 | 6 comentários

MÍDIA & CIÊNCIA

Alguns pontos obscuros sobre a evolução

Michelson Borges | Edição nº 769 | 22/10/2013 | 19 comentários

‘SUPERINTERESSANTE’

Revista desconversa quando o assunto é evolução

Michelson Borges | Edição nº 764 | 17/09/2013 | 41 comentários

DE FRENTE COM GABI

Dois extremos de uma questão

Michelson Borges | Edição nº 733 | 12/02/2013 | 14 comentários

Ver todos os textos desse autor