Thursday, 20 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

Reportagens de alto risco

[do release da editora]

Publicado meses depois das batalhas que descreve, Diário de Guadalcanal é um marco na história da literatura de guerra. Ao descrever os ferozes combates entre americanos e japoneses no outono de 1942, o jornalista Richard Tregaskis – voluntário para cobrir o até então desconhecido teatro de guerra do Pacífico – adotou a perspectiva dos jovens soldados, e escreveu um relato que viria a influenciar todos os seus sucessores por sua sinceridade e concisão.

O livro desvenda com extraordinária vividez o dia-a-dia dos marines americanos ao longo da batalha, considerada o ponto de inflexão da guerra no Pacífico e o primeiro passo em direção à vitória final dos aliados. A chegada dos marines americanos em Guadalcanal foi de crucial importância no plano tático e estratégico, já que assentou as bases para a vitória aérea das forças aliadas. Por seis meses, japoneses e americanos se enfrentaram em sangrentos combates aéreos, navais e terrestres numa corrida para desembarcar e abastecer Forças para garantir a posse da ilha.

Tregaskis viveu como um simples soldado: dormiu no chão, ao relento, foi acordado por ataques aéreos, comeu as minguadas rações dos militares, e enfrentou alguns dos campos de batalha mais sangrentos da Segunda Guerra Mundial, escapando mais de uma vez do fogo inimigo. Essa proximidade diária com os jovens que arriscavam suas vidas possibilitou um relato incisivo, honesto e emocionante dos primeiros meses das tropas norte-americanas em Guadalcanal.

Richard Tregaskis (1916-1973) foi escritor e repórter. Em 1964, recebeu o Prêmio George Polk, conferido pelo Overseas Press Club, por suas reportagens em primeira mão em circunstâncias arriscadas.

Este volume integra a coleção ‘Jornalismo de Guerra’ que busca oferecer ao leitor relatos impressionantes feitos por jornalistas nacionais e estrangeiros que cobriram os principais conflitos dos séculos 20 e 21. Textos comoventes, que acabaram criando uma tradição jornalística, um gênero, onde o relato do front captura e comove o leitor.

Fazem parte da coleção: A Queda de Bagdá, de Jon Lee Anderson; O Inverno da Guerra, de Joel Silveira e O Gosto da Guerra de José Hamilton Ribeiro. Os próximos livros a serem lançados são Despachos do Front, de Michael Herr e A Face da Guerra, de Martha Gellhorn. A série tem a curadoria dos jornalistas Sergio Dávila e Leão Serva.