Wednesday, 24 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1284

Ética e polaridades contemporâneas no Brasil

Imagem: Reprodução/7 Prisioneiros

A justiça e a injustiça se desenvolvem na cidade.
(…) devemos tornar a cidade saudável,
pois a que era saudável não mais é suficiente.

Platão, A república

__

No dia 10 de novembro, o jornalista Zeca Camargo recebeu o ator Rodrigo Santoro no Programa Splash Entrevista do canal UOL. Foi uma entrevista exclusiva sobre o lançamento do filme 7 Prisioneiros (2021, 93 minutos, O2 Produções), com direção de Alexandre Moratto. Também, falaram acerca dos quase 20 anos de carreira deste ator no exterior, tangenciando um diálogo consistente entre ética e polaridades contemporâneas no Brasil.

Da cidade à cidadania, o mundo das ideias de Platão provoca reflexão a respeito de justiça e virtude como valores humanos que poeticamente abordam a sociedade, conforme a epígrafe deste texto. A escrita platônica é um convite ao diálogo, o qual promove a transversalidade da ficção com nossa realidade. Disso, o saber tem uma natureza saudável.

O filme

7 Prisioneiros mostra um pedaço bastante real de São Paulo, ao exibir o trabalho escravo vivido por Mateus (Christian Malheiros), jovem negro do interior na conquista da cidade grande. Quando aceita o trabalho em um ferro-velho, na periferia desta metrópole, descobre que foi enganado e assiste à exploração violenta do chefe Lucas (Rodrigo Santoro). Valente na lida, vira o jogo e passa a ser o braço direito do chefe.

No fluxo, cárcere e maus-tratos somam à precariedade do desrespeito contra vítimas inocentes. Trata-se de uma rede de contatos nebulosos que abusam da mão de obra escrava, na atualidade: o poder de mandar e desmandar no outro. O dilema é decidir se denuncia o sistema desumano ou faz parte desse esquema insuportável, para ajudar sua família.

No enredo, conforto e segurança são para poucos na cidade. E questões de desigualdade e exclusão separam as pessoas brutalmente. A violência inscreve-se durante toda a narrativa, cuja lógica não permite que qualquer cidadão possa usufruir o mínimo necessário de sobrevivência. Há um sentido forte no roteiro indicando uma forja profunda de subalternidade e subordinação do tecido social.

A carreira

Na entrevista (de jornalista e ator), comentaram algumas passagens intrigantes na carreira internacional de Santoro. A partir dos filmes Bicho de Sete Cabeças (2000), dirigido por Lais Bodanzky, e Abril Despedaçado (2001), dirigido por Walter Sales, sua carreira tomou fôlego internacional e indo além do lugar comum. Nessas experiências estrangeiras, o ator declara sua forma de ver/ler as coisas no mundo, considerando que a arte é o lugar da diferença, o encontro de diferentes, que vai além… cuja cultura revela quem somos. Isso demonstra a relevância do acesso à cultura, bem como o ideal de pertença.

O formato

Santoro é um dos protagonistas desta narrativa audiovisual produzida no Brasil, que estreou (11/11) na Netflix. Agora, lançar um filme em formato sala de cinema e streaming contribui para que a produção audiovisual possa circular, ainda, mais. O que estrategicamente fomenta o mercado cinematográfico que se diversifica de acordo com as tendências tecnológicas.

Com o algoritmo, o Big Data e a internet das coisas, na ordem da cultura digital, o streaming oferece a transmissão de dados pela internet, sem qualquer necessidade de baixar o conteúdo. Basta apenas conectar e assistir vídeos, músicas, entrevistas etc. Aproveite para assistir na sala de cinema ou em casa no computador ou no celular.

***

Wilton Garcia é artista visual, escritor, doutor em Comunicação (USP), pós-Doutor em Multimeios (Unicamp), é professor da Fatec Itaquaquecetuba/SP. wilton.garcia.com.br

___

Referências

PLATÃO. A república. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2021. (Coleção Os Pensadores)