Wednesday, 24 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1284

Como funciona uma coroada cabeça petista

O melhor do dia, no noticiário político dos jornais, é a coluna de Raymundo Costa no Valor [só para assinantes].

É uma instrutiva conversa do colunista com o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, um dos 5 petistas que, para frustração de Lula, renunciaram à renúncia aos seus mandatos e resolveram encarar processo no Conselho de Ética por terem se abastecido no valerioduto.

A conversa é instrutiva porque permite saber, talvez entender, como é que essa história toda de corrupção funciona na cabeça de um coroado deputado petista.

O problema, para ele, “é de origem política, não é de natureza ética”.

A distinção é especiosa, mas deixa para lá. O que ele entende por origem política foi a decisão de fazer em 2002 uma campanha para eleger Lula diferente de todas as anteriores [1998, 1994, 1989].

João Paulo não diz, mas a decisão foi antes de mais nada do próprio Lula. Depois de três derrotas, ele impos ao partido condições, digamos, heterodoxas, para aceitar a quarta candidatura. O PT tinha que fazer alianças fora do gueto da esquerda, entregando o lugar de vice na chapa a alguém dos novos aliados. Por fim, o marqueteiro tinha de ser Duda Mendonça. E seria ofender o agora presidente supor que ele não soubesse quanto Duda cobra por seu trabalho.

Uma coisa leva à outra. Nas palavras de João Paulo: “No momento em que você foge de seu padrão tradicional de campanha e opta por uma comunicação e uma política de alianças mais ousados” – gosto muito desse “mais ousados” –, “é evidente que o padrão de arrecadação também muda”.

O certo seria ele dizer “o padrão de arrecadação também fica mais ousado”. Mas passemos.

“A avaliação dos erros cometidos, portanto, tem de ser feita do ponto de vista político”, argumenta o deputado. O subtexto, como dizem os acadêmicos mais pedantes, é que política é política, ética é ética, e uma coisa jamais se encontrará com a outra. Ou, repetindo João Paulo, “portanto”.

Encarando o grande paradoxo

À parte isso, ele vai abertamente ao nervo do problema que os petistas, tirando os chamados “radicais”, não gostavam de tratar, muito menos em público, antes de serem obrigados a encarar os fatos da vida.

O problema, ou o paradoxo, como diz João Paulo, é que sem as tais “ousadias” Lula talvez não se elegesse de novo. [Lula tinha certeza disso.]

“Quem avalia se estava certo ou não?”, pergunta o deputado, sem um pingo de retórica. Primeiro, a militância. Depois, o eleitorado, responde. Portanto, a avaliação virá, primeiro, na campanha de 2006. Depois, nas urnas.

O que me faz arriscar duas previsões. Uma: se nenhum escândalo novo desabar sobre a pessoa do presidente, pondo tudo de pernas para o ar, a militância que não tiver se mudado para o PSoL irá para as cabeças com ele. Outra: ganhando ou perdendo, Lula receberá do eleitorado menos votos do que em 2002. E o PT, muito menos ainda.

“Por que eu deveria renunciar?”, pergunta João Paulo, em dado momento, dessa vez retoricamente. “Eu não roubei, não usei dinheiro público, não quebrei o decoro parlamentar.” Ele diz ainda que não recebeu dinheiro para votar com o governo, fazer caixa 2 ou intermediar nomeações em estatais.

Registre-se a sua versão. Mas, sobre “dinheiro público”, registre-se igualmente o que diz no Estado de hoje o cassável José Janene, líder do PP na Câmara.

Começa assim: “Quem nos colocou nessa situação difícil foi o PT e agora é o PT que terá de responder pela origem do dinheiro que nos foi repassado e não nós.”

E termina assim: “Acreditamos neles. Nunca poderíamos imaginar que um dia colocariam o dinheiro do PT sob suspeita.”

Antes de ficar “mais ousado”, como diria João Paulo, o PT nunca poderia imaginar que um dia um pepista ousasse dizer isso dele.

***

Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.