Friday, 21 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1293

Procurador investiga Google por má concorrência

O procurador-geral do Texas, Greg Abbott, iniciou uma investigação antitruste para averiguar como a ferramenta de busca da Google indexa os resultados das pesquisas feitas pelos internautas. É a primeira vez que a empresa será investigada, nos EUA, por práticas desleais à concorrência no seu principal negócio – as buscas pela internet.

O objetivo da investigação – que refere-se à chamada neutralidade de busca – é saber se o Google manipula os resultados para prejudicar concorrentes.

Algumas empresas alegam que o buscador Google tem o poder de discriminar outros sites ao colocá-los no fim da lista de resultados pesquisados. E, ainda, que a Google cobra taxas ainda mais altas por anúncios pagos que aparecem ao se fazer uma pesquisa.

– Toda essa questão sobre como o Google trata seus competidores é o grande assunto do momento – disse Gary L. Reback, advogado do escritório californiano Carr & Ferrell, que orientou empresas pequenas contra a Google.

Google diz que queixas são de firmas ligadas à Microsoft

Após a investigação do Texas ter sido divulgada, Don Harrison, advogado da Google, escreveu no blog da empresa que a companhia tem um compromisso com os internautas e não com os sites. Por isso, segundo ele, a prioridade é ‘fornecer os resultados de busca e anúncios mais úteis e relevantes para o usuário’.

‘Em outras palavras, nosso foco é no usuário e não nos sites. Uma vez que nem todos os sites podem estar no topo do ranking, ou mesmo aparecer na primeira página de resultados, não é uma surpresa que alguns sites menos relevantes e com qualidade inferior fiquem insatisfeitos’, afirma o texto.

No post, Harrison disse que o procurador-geral do Texas pediu à Google informações sobre várias empresas. Ele listou três – Foundem, um site de comparação de preços britânico; SourceTool, um diretório de busca de negócios; e myTriggers, que relaciona links de compras, ambos americanos. Mas outras empresas podem estar envolvidas na investigação no Texas.

O Foundem também é citado em uma investigação antitruste da Comissão Europeia sobre a Google. Os outros dois sites apresentaram ações individuais contra a empresa. Um juiz federal indeferiu uma ação do SourceTool este ano.

Harrison sugeriu no post que as três empresas são ligadas à Microsoft. Segundo ele, o Foundem pertence à Initiative for a Competitive Online Marketplace, grupo europeu cofundado pela Microsoft, enquanto Source Tool e myTriggers eram clientes da Cadwalader, Wickersham & Taft, escritório de advocacia que representa a Microsoft.