Tuesday, 21 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1288

Entidades denunciam violência contra professor Nilson Lage

As entidades e instituições abaixo relacionadas denunciam com veemência a inexplicável e bárbara violência cometida contra o professor universitário, jornalista e escritor Nilson Lage, preso e espancado por policiais militares no último final de semana, em Florianópolis, Santa Catarina.

O professor Nilson Lage sentiu-se mal no último sábado, quando dirigia no bairro onde vive, em Florianópolis; conseguiu parar o carro, mas ficou desacordado. Em vez de receber a ajuda que necessitava naquele momento, foi hostilizado pela Polícia Militar ao ser encontrado dormindo dentro do veículo. Foi algemado, jogado em um camburão e levado a uma delegacia. As marcas em seu corpo – principalmente nos punhos e nos ombros – comprovam a inexplicável violência contra um senhor que neste 2006 completa 70 anos de idade.

Nilson Lage conta com uma trajetória de amplos serviços prestados ao longo dos últimos 50 anos como jornalista, professor e pesquisador do jornalismo. Trabalhou, como profissional jornalista, nas principais redações do Rio de Janeiro, entre as quais as do Diário Carioca, Jornal do Brasil, Última Hora, O Globo, Bloch Editores e TVE. Paralelamente, fez uma brilhante carreira acadêmica como professor da Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal do Rio de Janeiro e outras instituições de ensino. Desde 1992, trabalha como professor titular do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. É autor utilizado como referência em todos os cursos de graduação e citado em dissertações e teses sobre jornalismo, com obras vendidas aos milhares.

Reiterando nosso protesto pela violência do comportamento policial, solicitamos às autoridades competentes a apuração do caso, a punição dos responsáveis, o reparo dos danos morais e a tomada de providências quanto ao preparo das nossas polícias, para que lamentáveis fatos como estes não voltem a ocorrer em Santa Catarina ou em qualquer lugar do país.

São injustificáveis e inaceitáveis espancamentos por quem deve garantir a paz, e o abuso da força por quem, ao tê-la, deve impedir o seu uso. Lembramos que justamente aqueles que detêm o poder devem assegurar tratamento humano e digno a todos os cidadãos.



***

Nota ao governador

Exmo Sr governador de Santa Catarina

Luiz Henrique da Silveira

Em nome da diretoria da Associação Brasileira de Jornalismo Científico (ABJC) vejo-me na desagradável posição de ter que transmitir a V.Sa. nossos mais veementes protestos pela violência de que foi vítima o jornalista, professor universitário e intelectual de respeito e integridade, o professor Nilson Lage, presa fácil de uma inaceitável violência policial em seu Estado.

Como se trata de uma pessoa de projeção intelectual, certamente o senhor deve saber, ou seus assessores sabem, que o professor Lage tem passado por algumas dificuldades delicadas de saúde nos últimos tempos, o que torna mais cruel e covarde o ato de brutalidade a que foi submetido por uma força pública que recebe para proteger e amparar o cidadão e não para fazer dele via de expressão de seus instintos mais brutos e anti-sociais.

Certamente que acontecimentos desta natureza não podem ser revertidos no tempo. Ainda assim, esperamos de sua administração uma ação enérgica, apropriada e pedagógica, de forma a que crueldades como essa não voltem a se repetir. O povo de Santa Catarina não merece. O povo brasileiro não merece. E todos nós, amigos e admiradores da inteligência e generosidade do professor Nilson Lage, tampouco merecemos.

Atenciosamente, Ulisses Capozzoli, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Científico

***

******

Federação Nacional dos Jornalistas, Fórum Nacional dos Professores de Jornalismo, Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, Associação dos Professores da Universidade Federal de Santa Catarina, Seção Sindical do Andes, Centro Acadêmico Adelmo Genro Filho do Curso de Jornalismo da UFSC, Departamento de Jornalismo da UFSC