Saturday, 25 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1289

Abraji incentiva criação de núcleos nas redações, para verificar desinformação nas eleições estaduais

(Foto: Tara Winstead/ Pexels)

Mais de 60 jornalistas de 31 veículos de notícias brasileiros começaram a atuar em núcleos de verificação e checagem de fatos em suas redações, na cobertura estadual das eleições.

A ação faz parte do Programa Núcleos de Checagem Eleitoral, liderado pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), com apoio da Google News Initiative. Ela inclui 40 horas de treinamento e 72 horas de mentoria, além de bolsas aos jornalistas participantes.

“O trabalho colaborativo de checagem que vem sendo feito no Brasil é referência para o mundo. É gratificante ver veículos atuando conjuntamente, seguindo os mesmos métodos replicáveis. A Abraji incentiva todo tipo de treinamento que leve ao aperfeiçoamento do trabalho jornalístico”, diz Katia Brembatti, presidente da Abraji.

A primeira fase da capacitação foi ministrada entre julho e agosto por profissionais da Abraji. Foram abordados temas como metodologia de verificação e checagem, monitoramento de redes sociais, técnicas e ferramentas de verificação e checagem, análise de casos verificados pelo Comprova, uso de Claim Review, produção de conteúdos em plataformas sociais, além de um workshop sobre Web Stories, que permite criar notícias de forma visual e atraente. Além disso, os participantes contarão com suporte continuado.

Até o fim das eleições, os núcleos terão mentoria de profissionais do Projeto Comprova – coalizão de veículos liderada pela Abraji que atua na identificação e checagem de informações suspeitas sobre as eleições presidenciais.

A meta é que os núcleos produzam cerca de 900 checagens – de responsabilidade dos veículos jornalísticos autores do conteúdo – sobre as eleições durante o período eleitoral. Artigos marcados por meio do Claim Review permitem que verificações e fatos checados sejam identificados por buscadores, aplicativos e agregadores. É o caso do Google Notícias (acessível pelo navegador e aplicativo), que conta com uma seção dedicada especialmente a “Checagem de fatos”.

O programa será encerrado no dia 31 de outubro, após o segundo turno das eleições brasileiras. Até então, as empresas se comprometem a manter seus núcleos atuantes. Após o período, elas podem decidir se preferem mantê-los ou não.

As organizações participantes estão baseadas em diferentes estados brasileiros, cobrindo todo o país. São elas:

A Gazeta (ES), Band (SP), Band TV (SP), CBN Cuiabá (MT), Correio Braziliense (DF), Correio de Carajás (PA, TO), Correio do Estado (MS), Estadão Verifica (AP, SE, SP), Estado de Minas (MG), Folha de S.Paulo (SP), Grupo Sinos (RS), GZH (RS), Imirante (MA), Jornal Plural Ltda (PR), Metrópoles (DF), Nexo Jornal (BR), NSC Comunicação (SC), O DIA (RJ), O Popular (GO), O Povo (CE), Portal Cidade Verde (PI), Portal Norte de Notícias (AC, AM, RR), Rádio Bandeirantes (SP), SBT (DF, PA, RJ, RS, SP), SBT Mato Grosso (MT), Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (PE), Tribuna do Norte (RN), TV Allamanda (RO), TV Aratu (BA), TV Ponta Verde (AL), TV Tambaú (PB), UOL (SP).

***

O Observatório da Imprensa é uma iniciativa do Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo e projeto original do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É um veículo jornalístico focado na crítica da mídia, com presença regular na internet desde abril de 1996 (veja aqui a edição nº 1).