Wednesday, 28 de February de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1276

A etnia cigana e a formação da identidade brasileira

(Foto: Rede Social)

A invisibilidade social enfrentada pela comunidade cigana no Brasil é uma questão que merece uma reflexão profunda, especialmente quando analisamos o papel da imprensa brasileira na disseminação de informações e no fortalecimento da identidade nacional. É lamentável constatar que o Dia Nacional do Cigano, a ser comemorado anualmente em 24 de maio, instituído por decreto presidencial em 2006, tenha sido amplamente ignorado pelos veículos de comunicação. Mesmo diante de nossas inúmeras solicitações.

Ao longo da história, os grupos de etnia cigana desempenharam um papel significativo na formação da identidade brasileira, desde os tempos coloniais. A presença de nossa etnia é marcada por uma rica cultura, tradições e contribuições para a sociedade. No entanto, é triste constatar que ainda permaneça invisível nos livros de história e na mídia brasileira.

A imprensa possui um papel crucial na construção de narrativas sociais e na promoção da diversidade cultural. Ao dar destaque a datas comemorativas de diferentes grupos étnicos, a imprensa pode ajudar a sensibilizar a sociedade sobre a importância de nossa etnia na história e no desenvolvimento do país.

Ao negligenciar o Dia Nacional do Cigano, a imprensa brasileira não apenas perpetua a invisibilidade social das nossas comunidades, mas também contribui para a falta de conhecimento e compreensão sobre nossa cultura e história. Isso limita a possibilidade de diálogo intercultural e o reconhecimento da riqueza e diversidade étnica presente em nosso país.

Seria desejável que a imprensa brasileira adotasse uma abordagem mais inclusiva, ampliando sua cobertura para abranger uma gama mais ampla de comunidades étnicas e culturais. Isso não apenas proporcionaria uma visibilidade maior para os grupos ciganos, mas também promoveria a compreensão mútua e o respeito pela diversidade.

A sociedade majoritária também tem o dever de buscar informações sobre a cultura cigana e promover sua visibilidade. Podem e devem, desse modo, desafiar a invisibilidade social através da educação e da valorização da diversidade étnica, incentivando o reconhecimento e o respeito pelos direitos e contribuições dos três grupos ciganos Rom, Sinti e Calon.

Em conclusão, a invisibilidade social enfrentada pelos grupos ciganos no Brasil é um reflexo da falta de representatividade nos meios de comunicação, incluindo a imprensa. É fundamental que a imprensa brasileira assuma a responsabilidade de promover a diversidade cultural e romper com os estereótipos e preconceitos existentes. Somente através do reconhecimento e da valorização de todas as comunidades étnicas podemos construir uma sociedade mais inclusiva e igualitária.

*** 

Nicolas Ramanush é presidente da Embaixada Cigana do Brasil