Tuesday, 23 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1284

Acordos cancelados, multas à vista

A recente polêmica envolvendo o cancelamento do livro If I Did It, no qual o ex-astro de futebol americano O.J. Simpson conta como teria sido se ele tivesse assassinado sua ex-mulher Nicole Brown e o amigo dela Ron Goldman, constituiu um desastre para o magnata da mídia Rupert Murdoch e para a editora Judith Regan, da Regan Books, subsidiária do conglomerado News Corporation. Após uma série de críticas, o livro foi cancelado, assim como a transmissão de um especial na Fox News de duas partes contando a história do crime, que iria ao ar antes do lançamento do livro.


Mas o caso não trouxe só más notícias para Murdoch. A veterana apresentadora Barbara Walters, da ABC, recusou-se a fazer uma entrevista com Simpson para promover o livro e a divisão de entretenimento da ABC teve de pagar US$ 1 milhão de multa à editora de Murdoch pelo cancelamento do programa.


Taxas pagas devidas a cancelamento são comuns no mercado editorial e em Hollywood. Geralmente, a taxa é paga depois que um comprador prospectivo fez um compromisso de boa fé para um projeto (mesmo sem ter necessariamente assinado um contrato). Ninguém envolvido no caso quis dar informações, devido a acordos que envolvem confidencialidade. Em declaração à revista Newsweek, a ABC afirmou que ‘decidiu que o projeto não era de melhor interesse para a rede’.


Negociações entre a ABC e a editora começaram há meses, quando Judith propôs uma entrevista concomitante ao lançamento do livro. A divisão jornalística da ABC rejeitou a idéia. A editora, então, entrou em contato com a divisão de entretenimento, que sugeriu a Barbara que conduzisse a entrevista, para dar uma ‘aura de legitimidade’ ao caso. Fontes revelaram que a apresentadora chegou a conversar com o ghostwriter do livro, Pablo Fenjves, quando ele ainda escrevia a publicação. Posteriormente, ela teria decidido não fazer mais a entrevista com Simpson. Informações de Johnnie L. Roberts [Newsweek, 28/11/06].