Saturday, 20 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1284

Por uma comunicação pacífica

Com todos os acontecimentos expostos na mídia impressa e televisiva, tais como o recente atentado que provocou pânico na multidão em Nice, sul da França, quando um caminhão atingiu diversas pessoas que estavam celebrando o Dia da Queda da Bastilha; os ataques com explosões que aconteceram em diferentes locais de Paris e no Stade de France, norte da capital, em Saint-Denis; a chacina na redação da publicação satírica Charlie Hebdo; e o massacre na boate Pulse, considerado o maior atentado terrorista em solo americano desde o 11 de setembro de 2001; além dos últimos episódios de violência no Ceará, o que se observa é que falta mais debate público com avaliação contínua para fomentar a tolerância, por meio de instituições no campo da comunicação, como imperativo prioritário.

As políticas e programas de educação também devem compartilhar informações para o desenvolvimento de uma melhor compreensão entre os indivíduos, capaz de ajudar na prevenção de conflitos, promovendo assim um suporte efetivo na cultura de paz.

Face ao exposto, avaliamos que a comunicação pacífica tem que ser adotada como medida urgente para a manutenção da boa convivência humana entre os povos. A realidade local, nacional e internacional, vivenciada nos dias de hoje, pode ser uma ótima oportunidade para a reflexão de todos sobre a compaixão e a não-violência.

Em suma, precisamos expressar e difundir mais a harmonia na sociedade contemporânea, em trabalho conjunto com os setores de comunicação e educação no contexto social.

***

Germano Montgomery Vidal é jornalista e escritor