Sunday, 23 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1293

Que se abram os factóides

Findo o processo eleitoral e com a vitória esperada e predestinada de Dilma Rousseff à presidência da República, resta-nos agora juntar os caquinhos do que sobrou de dignidade e ética nessas que foram, segundo consenso geral, as mais emporcalhadas das eleições presidenciais de nossa história contemporânea. Não me queixo de todo esse processo porco que se instaurou no país à custa de panfletagens barata, travestida de notícia ou capa de revista. Nestes momentos é que se separam os homens dos meninos, muito embora, no nosso caso em específico, foi molecagem demais da conta, onde até o papa meteu o pitaco. Parece que o Brasil virou coisa de criança, que alguns gostam de por no colo e fazer bobagens.

Não obstante, ficou claro que a nossa grande imprensa não mede esforço e bandidagens quando o assunto é de seu interesse. Para aqueles que achavam que a maracutaia da edição do debate Collor X Lula tinha um certo sabor de ‘vamos ser menos descarados que a turma tá desconfiando’, acabou se surpreendo. Foi demais? essa turma aclamada por todos de bom senso de P.I.G. extrapolou o limite da irresponsabilidade a quilômetros de distância.

Falar da massa cheirosa, que com o seu Chanel nº5, comprado no Paraguai, vem saudar José Serra, para deleite de Eliane Cantanhêde, chega a ser bobagem, em comparação aos acontecimentos escabrosos que se sucederam, dia após dia, hora após hora, transformando essas eleições em uma verdadeira ‘batalha de Berlim’ midiática.

Montou-se uma máquina eleitoreira muito bem azeitada e articulada, transformaram o Brasil em um grande curral eleitoral midiático, cujo cabresto a conduzir o povo, ou a ‘massa’, como preferem, era a notícia destorcida e mal acabada e o factóide de ocasião. Todos e ao mesmo tempo, redundando no horário eleitoral do candidato perdedor.

Todos mostram a pior face

Como se não bastasse, a nossa Justiça Eleitoral personificou-se em forma de mulher, não cega, diga-se de passagem, mais bem viva e ávida por holofotes midiáticos, a ponto de mandar o presidente da República ‘calar a boca’, numa mensagem clara, que não só o Estado era Ela, mas que passava a eleitoreira.

Nessa terra de ninguém, nesse gado sem dono, que se transformou a disputa, bispos e religiosos de todas as categorias invadiram a terra do Estado laico e mandaram ver na espinafração geral e calcada no que existe de pior em preconceitos e discriminação: condenaram tudo e todos, fariseus ou não, desde que estivesse de vermelho. De certa forma foi bom saber que aqueles que acobertam a pedofilia ainda se sentem confortáveis em falar sobre criancinhas e suas vidas ‘preciosas’.

Ficou claro que no desespero todos mostram a sua pior, ou melhor, face. A mídia monopolista mostrou a sua, a igreja católica também, assim como outros tantos setores da nossa sociedade. O que não está claro é se daqui a quatro anos vamos ter de passar por isso de novo, pois aí já seria demais da conta.

Esclarecimentos e justiça

Teme-se, agora, uma troca de favores do tipo toma-lá-dá-cá e, em nome de uma governabilidade qualquer, Da. Dilma e o Partido dos Trabalhadores vão deixar pra lá e não exigir que se abram inquéritos, que não se busquem gravações e dossiês e que toda essa lambança fedorenta das eleições não seja esclarecida item por item, factóide por factóide.

É inconcebível que a presidenta eleita tenha de vir o público, em seu primeiro pronunciamento à nação, e defender a liberdade religiosa e de imprensa, tamanha a canalhice eleitoreira que se instalou no país, desestabilizando a nossa sociedade e instalando a insegurança e a desconfiança, sem contar os rancores expostos e aprofundados no ‘debate’ eleitoral.

Agora é a hora dos pingos nos ‘ is’: a candidatura Dilma foi alavancada e defendida por muitos que, através de suas trincheiras física ou midiáticas, lutaram diuturnamente para instalá-la na Presidência. Sua candidatura, portanto, não pertence apenas a ela e aos partidos que a apoiarem, mas sim, a uma grande parte da população que não descansou até o final das eleições e anseia por esclarecimentos e justiça, e não conchavos com a grande mídia monopolista ou com uma igreja decadente e preconceituosa.

Essa turma é uma massa e, ao contrário da outra, cheira mal, cheira suor!

******

Psicólogo, Curitiba, PR