Friday, 12 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1283

Editor é suspenso por inventar personagens

O Village Voice, um dos mais famosos jornais alternativos dos EUA, suspendeu o editor Nick Sylvester depois que ele admitiu ter fabricado informações para o artigo de capa da edição desta semana. O jornal semanal publicou uma nota em seu sítio na quarta-feira (1/3) anunciando a suspensão e informando que o artigo havia sido removido da internet.


No texto, Sylvester falava sobre o livro The Game: Penetrating the Secret Society of Pickup Artists, de Neil Strauss, que dá dicas da arte de sedução masculina para conquistar mulheres, e encerrava com uma descrição de uma noite na qual ele e três roteiristas de televisão de Los Angeles teriam testado as estratégias para sair com mulheres em um bar de Manhattan. ‘Esta cena nunca aconteceu’, informou posteriormente o jornal. Também foi disponibilizada uma nota na qual o editor afirmava que a descrição foi uma ‘união de anedotas específicas’ vivenciadas por dois dos personagens mencionados por ele. Uma das pessoas supostamente presentes na noite, o roteirista Steve Lookner, não estava envolvida de nenhuma maneira no caso. ‘Eu sinto profundamente por esta informação errada e peço desculpas a Lookner’, afirmou Sylvester.


Casos recorrentes


Doug Simmons, editor-executivo do jornal, afirmou que o Voice ainda estava investigando a veracidade do restante do artigo. Esta não é a primeira vez que a autenticidade de uma história de Sylvester é questionada. Em agosto do ano passado, ele escreveu um artigo sobre ‘colas’ em provas de universidades e citou um estudante que teria gasto US$ 500 mil para tatuar uma tabuada em seu corpo, um aluno da Faculdade de Medicina de Harvard que teria colado usando o código Morse e um estudante da Faculdade de Boston chamado Simeon Criz que usou um baralho especial de cartas para colar. Em outra matéria, o jornalista citou um médico de Manhattan chamado Noam Feldstein que costumava fazer o parto ‘de centenas de bebês por dia’. A Faculdade de Boston informou que nunca houve um Simeon Criz estudando no local e o conselho de médicos de Nova York afirmou não haver registro de nenhum Noam Feldstein. Informações da Associated Press [3/3/06].