Thursday, 20 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

BBC repreende repórter que chorou por Arafat

A BBC manteve uma reclamação feita por centenas de ouvintes contra a jornalista Barbara Plett, correspondente da rede no Oriente Médio, depois que ela declarou ter chorado pelo líder palestino Yasser Arafat quando ele estava prestes a morrer. Em reportagem transmitida pela Radio 4 sobre a transferência de Arafat de Ramala para Paris dias antes de sua morte, Barbara afirmou que começou a chorar quando viu o ‘helicóptero carregando o frágil ancião de seu complexo arruinado’. Os diretores do Comitê de Reclamações da BBC sustentaram parte das reclamações dos ouvintes, afirmando que a correspondente ‘violou os requisitos básicos da imparcialidade’. O Comitê rejeitou, entretanto, a acusação de que a transmissão de 30/10/04 foi uma ‘chorosa homenagem’ a Arafat, completando que a reportagem de Barbara foi equilibrada por referências às ‘falhas óbvias’ do líder palestino. Arafat morreu em 11/11/04 em um hospital militar em Paris. Informações da Reuters [25/11/05] e da BBC [25/11/05].



Anúncio antiguerra retirado de sítio liberal

O grupo liberal americano MoveOn.org retirou um anúncio de vídeo de seu sítio de internet após receber críticas pelo uso de imagens de soldados britânicos representando americanos no Iraque. Um press release da organização afirmava que o anúncio ecoava ‘os pedidos dos democratas por um plano de saída [das tropas] do Iraque’ e atacava os republicanos por ‘falharem em oferecer um plano para encerrar a ocupação americana’ no país. A peça de 30 segundos, que também foi transmitida pela CNN e outras emissoras de notícias a cabo durante o fim de semana de Ação de Graças, afirmava que ‘150 mil homens e mulheres americanos estão presos no Iraque [neste feriado]’. O anúncio de protesto contra a guerra, porém, mostrava soldados que ‘não usavam uniformes americanos’, segundo porta-voz do Pentágono. Informações de Randy Hall [CNSNews.com, 30/11/05].