Sunday, 16 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

Corte de 2,5 mil cargos para melhorar rentabilidade

 

A Thomson Reuters pretende cortar, em 2013, 2.500 postos de trabalho, o que representa 4% do total de funcionários. Trata-se de uma tentativa de melhorar a rentabilidade diante da situação nada positiva nos mercados dos quais seus maiores departamentos mais dependem, o de finanças e o jurídico. Segundo o executivo-chefe Jim Smith, o grupo estava no “segundo ano de uma reviravolta de dois anos” na sua maior divisão – de finanças e risco – e está entrando em 2013 com um tom mais confiante.

Depois de um lançamento decepcionante, em 2010, do produto de dados financeiros Eikon, que tinha a intenção de substituir os terminais da Thomson Financial e Reuters, atualizações recentes levaram à melhoria nos índices de retenção e tendências de vendas. “Quando começamos o ano passado, estávamos adicionando 200 clientes do Eikon por semana. Em dezembro, eram 2.000 por semana”, disse Smith, acrescentando que os desktops do Eikon subiram 33% para 33.900 ao longo do quarto trimestre e estavam agora acima de 40 mil.

A Thomson Reuters aposentou 100 produtos no ano passado e terá substituído três mil terminais Xtra da Reuters até o fim de 2013, o que ajudará o grupo a economizar o dinheiro gasto para financiar sistemas diferentes. Segundo Smith, ainda não foi observado nenhum impacto do rival Bloomberg Law, que deve substituir o LexisNexis, da Reed Elsevier. A receita da Thomson Reuters aumentou 3% para o ano e 2% no quarto trimestre. O grupo saiu de uma perda líquida de US$ 1,39 bilhão (em torno de R$ 2,72 bilhões) há um ano para um lucro líquido de US$ 2,12 bilhões (R$ 4,15 milhões).