Monday, 17 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

Jornalista americano escapa de processo

O ex-colunista do Miami Herald Jim DeFede não será processado por ter gravado um telefonema com o vereador Arthur Teele, sem o conhecimento do mesmo, poucas horas antes de ele se suicidar, informa Terry Aguayo [The New York Times, 10/9/05]. Teele havia sido oficialmente acusado de fraude, lavagem de dinheiro e outros crimes de corrupção e cometeu suicídio em julho, logo após ter falado com DeFede, seu amigo há 14 anos, por telefone.


Gravações não-autorizadas de chamadas telefônicas são proibidas pela lei da Flórida e condenadas pelo código de ética do Miami Herald. O jornalista foi demitido do diário, mas poupado pela justiça. De acordo com seu advogado, Joseph M. Centorino, DeFede cooperou com a justiça ao explicar suas ações e alegou não ter gravado a conversa para tirar vantagem própria: ‘Não parece ter havido má intenção da parte do sr. DeFede em violar os direitos de privacidade do sr. Teele, ou ainda de utilizar a fita para algum fim comercial ou para prejudicar o sr. Teele.’


Tom Fiedler, editor-executivo do Miami Herald, afirmou na sexta-feira (9/9) que não irá reconsiderar a demissão do colunista. ‘A decisão de demiti-lo não foi baseada nas implicações legais de sua ação, mas em implicações éticas’, alegou.