Thursday, 20 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

Segurança que gravou presidente volta ao país

Mykola Melnychenko, segurança que gravou secretamente conversas do ex-presidente ucraniano Leonid Kuchma e o acusou de ordenar o assassinato do jornalista Georgiy Gongadze, retornou à Ucrânia após passar cinco anos exilado nos EUA. Gongadze foi encontrado decapitado em uma floresta próxima a Kiev, dois meses após ter sido seqüestrado. Crítico ferrenho do então presidente, o jornalista era editor do sítio de notícias Ukrainska Pravda e freqüentemente denunciava casos de alta corrupção e protestava pela falta de liberdade de imprensa no país.

O ex-segurança de Kuchma virou o cenário político da Ucrânia de pernas pro ar após divulgar gravações de conversas do então presidente feitas por um equipamento escondido embaixo de um sofá. Em uma das fitas, uma voz bastante parecida com a de Kuchma aparece reclamando do editor e ordenando a seu ministro do Interior para ‘dar um jeito’ nele.

Kuchma, que teve a reputação prejudicada pelo assassinato de Gongadze e pelas manifestações populares que o seguiram, nega qualquer envolvimento no crime. No começo deste ano, autoridades ucranianas responsáveis pela investigação anunciaram a prisão de três altos funcionários da polícia local, acusados de seqüestrar e matar o jornalista. Entretanto, nenhum julgamento foi marcado ainda. Kuchma já foi intimado a depor, assim como o ministro do Interior que apareceria na gravação, Yuri Kravchenko. O ex-ministro cometeu suicídio no dia de seu depoimento. Informações de Sergei Karazy [Reuters, 30/11/05].