Thursday, 30 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1289

Site esportivo se desculpa por artigo sobre sexualidade de inventora

O site esportivo Grantland, afiliado à ESPN, pediu desculpas por um controverso artigo que abordava a sexualidade da inventora de um taco de golfe revolucionário. A Dra. Essay Anne Vanderbilt, que era secretamente transgênero e foi “tirada do armário” pela reportagem do Grantland, cometeu suicídio em outubro do ano passado, enquanto a matéria ainda era apurada. O texto, publicado na semana passada, causou grande polêmica na internet e rendeu ameaças a seu autor, o jornalista Caleb Hannan, de 31 anos.

Em um mea culpa, o editor-chefe do site, Bill Simmons, publicou um imenso editorial explicando todo o processo de concepção e publicação do texto, e desculpando-se por suas consequências. Ele disse que, apesar do artigo ter sido extensivamente editado por várias pessoas, o site cometera o “enorme erro” de não tê-lo passado pelo crivo de alguém familiarizado com a comunidade transgênero antes da publicação.

“Eu quero pedir desculpas. Eu falhei”, escreveu Simmons. “No fim de semana percebi que não sei o suficiente sobre a comunidade transgênero – e nem minha equipe. Peço desculpas em nosso nome. Minhas condolências à família e amigos da Dra. V por qualquer dor que nossos erros possam ter causado.”

O taco mágico

O artigo no centro da discussão, intitulado “O taco mágico da Dra. V”, foi resultado de uma apuração de oito meses realizada por Hannan. O foco do texto seria um taco de golfe aparentemente revolucionário chamado Oracle GX1, que havia sido alardeado como o produto que colocaria “a aerodinâmica do golfe no século XXI”.

No entanto, em vez de se concentrar na invenção, o texto terminou por realizar um mergulho profundo no mistério ligado à sua inventora, a Dra. Essay Anne Vanderbilt. Conforme Hannan investigava os negócios e a criação de Essay Anne, descobria detalhes extraordinários que não correspondiam à história apresentada por ela publicamente.

No curso de suas apurações, o jornalista desmascarou vários dos elementos-chave do currículo de Essay Anne: ela não era membro da ilustre família Vanderbilt; não era uma física-aeronáutica formada pelo MIT; e não trabalhava secretamente para o Departamento de Defesa dos EUA.

A maioria dos comentaristas concordou que todos estes detalhes eram território legítimo em um artigo sobre uma inventora que estava fazendo reivindicações pródigas sobre seu produto para tentar atrair investimentos. O erro de Hannan, porém, foi abordar outro elemento da história de Essay Anne, um que ela se esforçara assiduamente para manter na esfera privada: o fato de ser transexual.

Problema de compreensão

A colunista da ESPN Christina Kahrl, que é transgênero, foi convidada pelo Grantland para contribuir com uma coluna sobre a controvérsia. Ela explicou que vários problemas do artigo decorrem desse lapso inicial de julgamento: tratar o desejo de Essay Anne de resguardar sua identidade de gênero como apenas mais um aspecto de seu longo histórico de omissões, e não como um aspecto de sua vida particular que era irrelevante para o artigo – e que deveria ter sido respeitado.

Dentre os erros mais flagrantes que fluíram deste erro principal, conforme Simmons citou em seu editorial, foi que Hannan revelou a um dos investidores de Essay Anne, quando ela ainda estava viva, que ela era transexual. “Caleb nunca deveria ter tirado a Dra. V do armário diante de um de seus investidores”, frisou o editor-chefe.

Outro problema levantado tanto por Simmons quanto por Christina foi que, ao não compreender o contexto do objeto de sua matéria, o Grantland falhou em abordar um elemento vital da história: as taxas de suicídio dentre transexuais, dramaticamente mais altas se comparadas às da população em geral. Christina observou que uma pesquisa recente descobriu que 41% dos transgêneros nos EUA já tentaram suicídio.

Em seu pedido de desculpas, Simmons deixa claro que o Grantland não pretende retirar o artigo polêmico de seu site. “Nunca vamos retirar o artigo sobre a Dra V, em parte porque queremos que as pessoas aprendam com a nossa experiência. Não fomos educados, não conseguimos fazer as perguntas certas, cometemos erros e vamos aprender com eles”. E finalizou: “Vamos nos lembrar do que o treinador de basquete John Wooden disse certa vez: ‘Se você não está cometendo erros, você não está fazendo nada’ – e vamos continuar a tentar melhorar. Isso é tudo o que podemos fazer.”