Saturday, 18 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1288

Recorde de conflitos no campo: qual a repercussão para além do release?

(Foto: Polícia Rodoviária GOV)

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançou nesta segunda-feira, dia 22, o relatório “Conflitos no Campo 2023”, publicação anual que reúne dados da violência no meio rural brasileiro. Os dados são alarmantes: o país registrou o maior número de conflitos desde 1985, quando a série começou a ser publicada. Foram 2.203 ocorrências, envolvendo 950 mil pessoas; também foi recorde a quantidade de vítimas do trabalho escravo, com 251 casos denunciados e 2.663 pessoas resgatadas. A divulgação do relatório ganhou as páginas dos principais portais de notícias no Brasil, o que indica a consolidação do trabalho da CPT nas últimas décadas. Contudo, raros foram os veículos que se dedicaram a algo mais que a simples reprodução dos dados do documento – a exceção até aqui é A Pública.

Imagem: Captura de tela

Ao buscar fontes para ampliar as possibilidades interpretativas do que o relatório informa e ao elaborar um conjunto de gráficos e representações visuais, a Pública parece levar a sério a publicação e, ainda mais, o panorama dos conflitos no campo. Isto, evidentemente, não é fortuito, já que o portal possui um Mapa dos Conflitos alimentado com os dados da própria CPT, além de rotineiramente se dedicar ao tema das disputas ambientais no Brasil.

De acordo com os dados do relatório, as disputas por terra persistem sendo o principal motor dos conflitos no campo, seguidas por confrontos em torno à água. Em paralelo, os dados da CPT informam que indígenas, pescadores, ribeirinhos, quilombolas e assentados são os grupos que mais sofrem com a violência. O único texto que busca repercutir o sentido de tais dados é, novamente, o da Pública: de fato, talvez esta seja um dos poucos, senão o único, veículo que se dedica a uma cobertura contínua dos conflitos no campo e às relações entre as disputas e a forma predatória de ocupação da terra. Justamente pela ausência desta temática em outros veículos, não deixa de ser curioso que a repercussão do relatório no G1 esteja abrigada sob a cartola “Agro” – a despeito do termo não aparecer nenhuma vez ao longo do texto. É uma pena que a relação não tenha sido mais bem explorada, para além da meia palavra na editora.

Imagem: Captura de tela

Não é novidade que, por seu caráter sistêmico, os conflitos no campo pouco repercutam, à exceção de momentos em que a violência irrompe deixando mártires – o que parece se enquadrar melhor nos valores-notícia ainda em voga no país. Ainda que o relatório da CPT seja um importante esforço de catalogação dos conflitos no Brasil e que sua publicização pelos principais veículos já represente um ganho para aqueles que se ocupam de questões fundiárias e ambientais, o jornalismo convencional, ao se concentrar na reprodução de números de release e em histórias póstumas, parece ter escolhido um perigoso caminho.

Reportagem publicada originalmente em Observatório do Jornalismo Ambiental

***

Ângela Camana é jornalista e socióloga. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora colaboradora no Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental e no grupo de pesquisa TEMAS – Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade. E-mail: angela.camana@hotmail.com.