Saturday, 13 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1296

A cor das capas vermelhas

CASO SARNEY-MURAD

Luiz Antonio Magalhães (*)

As quatro revistas mais importantes do país – Veja, Época, IstoÉ e Carta Capital – dedicaram suas capas no último final de semana ao episódio da invasão das empresas da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, candidata do PFL à presidência da República.

Veja e Época, coincidentemente, saíram com capas vermelhas, cor utilizada por editores de arte quando querem chamar muita atenção, fazer estardalhaço. O tom dos dois semanários também é muito semelhante: enquanto Veja abre 19 páginas para a ?candidata que encolheu?, conforme a sua capa, Época dedica 15 aos ?segredos revelados? – uma reportagem apresentando o conteúdo de pacotes numerados que estão em poder da Justiça e cujo teor devera ser sigiloso.

Tanto Época como Veja mostraram a seus leitores a já famosa foto do R$ 1,3 milhão em notas de R$ 50, apreendidas na busca na empresa da governadora. Os ?outdoors? de Veja, espalhados por quase todas as capitais do País, foram mais longe e afirmaram em letras garrafais: ?Está sobrando dinheiro no Maranhão?.

Em termos gerais, portanto, a cobertura dos semanários das editoras Globo e Abril foi bastante crítica com Roseana Sarney. As reportagens das duas revistas se basearam em farto material ?vazado?, cuja utilização é paradoxal: segundo muitos procuradores, sem que as supostas maracutaias apareçam na imprensa, os processos contra os poderosos não andam; por outro lado, a candidata do PFL tem toda a razão em reclamar contra o vazamento dos documentos, pois tal prática é ilegal. Em um país onde a legislação é levada a sério, mesmo uma pessoa culpada seria declarada inocente com este comportamento do Judiciário.

No caso de Época, a orientação da revista é coerente com a de outros veículos das Organizações Globo. A emissora de televisão e os dois principais diários do grupo (O Globo e Diário de São Paulo) têm apresentado as denúncias contra o casal Sarney-Murad na forma de grande escândalo, com todos os ingredientes de uma cobertura sensacionalista.

Analistas políticos especulam se tal orientação está ou não relacionada com a ascensão de Henri Phillipe Reichstul – ex-presidente da Petrobras e homem de confiança do presidenciável tucano José Serra – ao cargo de principal executivo da Globopar, holding que controla o império midiático da família Marinho.

Já as revistas IstoÉ e Carta Capital partiram para abordagens bastante diferentes. Enquanto a primeira destacou a guerra suja que começa a ocorrer nos bastidores da sucessão presidencial – até aqui envolvendo os dois candidatos da situação -, Carta Capital, capitaneada pelo experiente Mino Carta, foi o único veículo a interpretar a operação realizada pela Polícia Federal em São Luís como uma manobra política dos tucanos. Segundo matéria assinada por Bob Fernandes, redator-chefe da revista, o episódio todo foi uma grande trapalhada do presidente Fernando Henrique Cardoso, ele mesmo representado na capa como o personagem Pateta, de Walt Disney. Ao contrário de Veja e Época, Carta Capital procura mostrar os indícios do caráter político da invasão da PF e avalia a ação como patética pelas inúmeras ?pegadas? deixadas no caminho, sobretudo os telefonemas do delegado encarregado da operação para o Palácio do Planalto.

Em termos estritamente eleitorais, a única pesquisa realizada após o episódio mostra que o principal favorecido foi o petista Luiz Inácio Lula da Silva. Se a suposição da origem tucana na ação da PF estiver correta, Lula não terá sido nem de longe o único favorecido. Para o bem ou para o mal, Serra ou Roseana – apenas um deles – também será beneficiado. Só o futuro vai dizer de verdade quem ganhou e quem perdeu.

(*) Copyright DCI, 12/3/02