Saturday, 18 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1288

As hipocrisias da indústria

Vito Leonardo

É realmente difícil falar sobre o assunto pirataria no meio musical. Não posso dizer que sou a favor, mas acho que devemos levar em contas vários aspectos antes de condenar alguma coisa. Não considero crime disponibilizar músicas para download na rede, uma vez que não se ganhe dinheiro com isso (deve-se ressaltar que o Napster não disponibiliza música alguma). Se levarmos ao pé da letra, é como emprestar um CD a um amigo para que esse faça uma fitinha e depois escute. Daqui a pouco vão querer processar todo mundo que emprestar CD a um amigo…

Vamos então discutir sobre alguns pontos básicos da questão: acho que para alguém reclamar de alguma coisa tem que ter moral pra tanto. A indústria fonográfica não tem moral pra reclamar de direitos autorais porque é ela mesma quem mais deve direito autoral aos artistas. Antes de reclamar de CDs piratas e Napsters da vida deveriam cobrar das emissoras de rádio e TV o pagamento dos direitos de transmissão das músicas e repassar aos artistas. Afinal, rádio no Brasil não paga direito autoral, e sim recebe por fora pra tocar as músicas e transformá-las em sucesso. Prática essa que se chama jabá, e é responsável em parte pelos altos preços do CD no Brasil. Pois alguém tem que pagar pelo "marketing" investido no artista, e quem melhor pra fazer isso do que nós, ingênuos consumidores de música?

Aliás, levemos em conta que quem mais compra CD pirata são as pessoas de menor poder aquisitivo. É isso que vejo no dia-a-dia. não importa o nível social, a música é universal, todos gostam de música, mas se alguém que ganha salário mínimo vai procurar o CD da sua dupla sertaneja favorita na loja e constata que custa R$ 25, é inevitável que vá procurar o pirata por R$ 5 esquina mais próxima. O custo por produção de um CD não chega nem a R$ 2. Vender por R$ 25 ou mais é um crime muito maior do que distribuir de graça, porque isso atinge o público, que deveria ser o mais respeitado nessa relação.

Outro ponto nessa questão se refere aos artistas publicamente contra a pirataria ou ao MP3 na rede. Será que eles não sabem que vêm sendo roubado sistematicamente pelas gravadoras? Por que reclamam do Napster e não vão reclamar também com a indústria? Talvez porque não tenham talento para sobreviver sem ela… Os independentes, esses sim, poderiam reclamar, mas não o fazem, não estão nem aí para MP3, muitos deles disponibilizam suas músicas no próprio site como forma de divulgação, e às vezes vendendo pouco ganham mais dinheiro do que artistas atrelados à indústria.

Mais um ponto, que quase ninguém destaca, é o fato de se procurar um CD e não achar. Ora bolas, eu quero comprar um CD do artista x, procuro em n lojas, vou em tudo que é site, não acho de jeito algum, entro em contato com a gravadora e ela me diz que o CD do artista x está fora de catálogo. Alguém pode reclamar se eu entrar no Napster, achar as musicas e baixar? Eu tentei comprar…

(*) E-mail: gutchs.geo@yahoo.com

Leia também

Troca de arquivos na rede – Bruno Buys

Volta ao índice

e-Notícias –texto anterior

e-Notícias – próximo texto