Saturday, 13 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1296

Desinformação no noticiário

Imprima esta p?gina    

DIRET?RIO ACAD?MICO

COMENDO MOSCA

Victor Gentilli

Cevados pelos milionários anúncios dos grandes shopping centers da Educação, para usar um termo preciso cunhado por José Salvador Faro, os jornalões e as semanais esqueceram-se completamente das universidades federais.

É certo que os jornais paulistas sempre desprezaram um pouco esse noticiário, pois São Paulo nunca teve instituições federais significativas. A Folha de S.Paulo e o Estado de S.Paulo sempre trataram questões de funcionalismo federal como questões de barnabés distantes, coisas que a Grande Metrópole praticamente não possui.

Mas os diários do Rio sempre noticiaram com destaque as novidades. O Globo e o Jornal do Brasil mantêm há anos uma velha disputa sobre o melhor noticiário na área de ensino federal. Afinal, trata-se da antiga capital da República, onde até há poucos anos havia uma sucursal do Senado… Além disso, a existência da Universidade Federal do Rio de Janeiro, antiga Universidade do Brasil, da Universidade Rural, da Universidade Federal Fluminense e outras instituições fazem com que as informações sobre o serviço público federal de ensino superior sempre mereçam atenção da imprensa carioca.

Na semana passada:

** Os reitores das universidades federais se reuniram em Brasília com o ministro Paulo Renato Souza.

** O encontro resultou num conflito e fez com que os reitores deixassem de prestigiar o lançamento do Fundo Setorial de Infra-Estrutura. O presidente Fernando Henrique esteve presente neste lançamento.

** O episódio gerou uma crise, que resultou na saída de Antonio MacDowell de Figueiredo da Secretaria de Ensino Superior (SESu) do MEC. O secretário (aliás, originário da UFRJ) teria pedido para sair do cargo porque ficou inconformado com o não-cumprimento do que havia sido acertado com o ministro sobre o número de professores a serem contratados.

** O secretário foi imediatamente substituído pela presidente do Inep, Maria Helena Guimarães de Castro, que provisoriamente acumulará os dois cargos.

** Antes de se definir por MacDowell, o ministro fez vários convites e manteve o antecessor Abílio Baeta Neves mais de um ano aguardando seu sucessor, igualmente acumulando dois cargos: a Capes e a SESu.

** O pivô da crise foi o anúncio do governo de que autorizava a contratação efetiva ? por concurso público ? de 2 mil dos 6 mil professores que as universidades federais necessitam há anos.

** Outro ponto de conflito foi o abono que o governo federal concedeu ao funcionalismo das universidades, cujos contracheques são idênticos aos da época em foi criada a URV, que se transformaria em real ? isso em 1994.

Os jornais trataram essas informações com pequenas matérias, nenhuma esclarecedora.

Para os leitores, a versão veio oposta. O noticiário dos jornais afirmava que a área econômica vetava qualquer contratação ou reajuste, mas a pressão do presidente Fernando Henrique fez com que pelo menos 2 mil novas contratações fossem autorizadas.

O fato de a presidente do Inep ser de imediato escolhida como nova secretária de Ensino Superior indica, aparentemente, mais uma vitória do Inep na batalha de bastidores pelo poder sobre a política de ensino superior.

Os leitores tinham muito a saber; os jornais tinham muito a contar.

Nem os press releases do MEC foram aproveitados.

Volta ao índice

Diret?rio Acad?mico ? próximo texto


Mande-nos seu comentário