Saturday, 22 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1293

Elio Gaspari

GOVERNO LULA

“Idéia de jerico”, copyright Folha de S. Paulo, 6/04/03

“Está em curso uma manobra interessada em reorientar a agenda jornalística da TV Record (leia-se domesticar o jornalista Boris Casoy). O primeiro movimento ocorreu na semana passada.

Boris teria ultrapassado algumas fronteiras daquilo que a vigilância petista considera politicamente aceitável.

Uma iniciativa desse tipo pode sugerir coisas horríveis, como uma tentativa do governo de pressionar televisões ou jornais. Vai ver, não é. É incompetência mesmo. Todo governo tem um plantel de jericos pensando coisas desse tipo.”

“Kotscho rebate manifesto”, copyright Comunique-se (www.comuniquese.com.br), 2/04/03

“Em entrevista à redação de Comunique-se, Ricardo Kotscho, secretário de Imprensa do Planalto, classificou o manifesto pela liberdade de informar, assinado por 71 jornalistas que não querem seus nomes divulgados por temerem represálias, como uma ferramenta de disputa política, feita pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal, que divulgou o documento. Kotscho disse que o manifesto nada mais é do que uma tentativa de dar início a uma briga com o governo, da qual ele não vai participar.

Na opinião do principal assessor de Lula, o manifesto é apenas uma reação às medidas adotadas pela Comunicação do governo de acabar com o privilégio de jornalistas e dar início à democratização da informação.

Ele afirma não ter recebido o documento do sindicato. Sobre o manifesto não ter revelado os nomes dos jornalistas, Kotscho considerou isso misterioso.

Kotscho contou que há 15 dias se reuniu com diretores de diversos veículos de Comunicação em Brasília. No encontro, foi debatida justamente essa questão, do pouco acesso de que profissionais da imprensa brasiliense estão se queixando. Segundo Kotscho, o caso já está resolvido.

Quanto ao decálogo que endossou, elaborado pelo jornalista Bernardo Kucinski, Kotscho disse que já está sendo cumprido.”

“Para Frei Betto, mídia está furiosa com o governo”,
copyright O Estado de S. Paulo, 8/04/02

“O assessor especial da Presidência para a mobilização do Fome Zero, Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, disse ontem que a mídia está ?furiosa? com o governo. ?A mídia se acostumou a lidar com um governo demagogo, que a cada mês anunciava um programa social diferente. Então a mídia está furiosa com o governo porque ele não cede à pressão. Podem falar?, desafiou.

O religioso participou em Fortaleza de um encontro entre cerca de 200 representantes de pastorais sociais da Igreja Católica, organizações não-governamentais, fóruns e entidades da sociedade civil organizada.

Frei Betto revelou que o Fome Zero foi o assunto tratado durante almoço secreto que teve na semana passada com os coordenadores nacionais do Movimento dos Sem-Terra João Pedro Stedile e João Paulo Rodrigues, no Palácio do Planalto. ?Como os acampamentos e os assentamentos rurais são uma das cinco áreas prioritárias (do programa), eles (os líderes do MST) estão interessados que os agentes de segurança alimentar sejam os próprios jovens dos acampamentos?, informou, dizendo que a sugestão foi acatada.

De acordo com ele, apesar das ocupações de terra continuarem em todo o País, o MST está sendo parceiro do governo Lula tanto no Fome Zero como na discussão da Reforma Agrária.

Para Frei Betto, a maior dificuldade enfrentada pelo programa é tornar-se conhecido. Mas ele preferiu não comentar o caráter pouco informativo das propagandas assinadas pelo governo federal. Disse apenas que o objetivo principal da publicidade é chamar a atenção e gerar curiosidade.”

“Sindicato rebate afirmações de Kotscho”, copyright Comunique-se (www.comuique-se.com.br), 8/04/02


“O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF), Edgar Tavares divulgou nesta sexta-feira (04/04) nota oficial sobre o posicionamento da instituição em relação às declarações do secretário de Imprensa da Presidência da República, Ricardo Kotscho sobre o Manifesto pela Liberdade de Informar. Para Tavares, Kotscho errou em sua interpretação. Leia abaixo a nota na íntegra:

?O secretário de Imprensa da Presidência da República, Ricardo Kotscho, errou na sua interpretação do manifesto pela liberdade de informar, assinado por 71 jornalistas de Brasília (que cobrem ministérios e outros organismos governamentais) e divulgado pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF.

O que o Sindicato faz é apenas atender aos seus associados que querem mudança na forma de se comunicar do governo federal. O SJPDF, nem de longe, faz ‘disputa política’ com quem quer que seja. Muito menos, ainda, a entidade tenta ‘dar início a uma briga com o governo’.

Se o governo Lula quer ‘acabar com o privilégio de jornalistas e dar início à democratização da informação’, terá todo apoio deste Sindicato. Aliás, essas têm sido as principais bandeiras da luta sindical desta Diretoria.

Não é misterioso o SJPDF resguardar os seus associados. É, porém, incompreensível o Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República discutir com os empresários da comunicação uma dificuldade que os jornalistas – os que reportam a notícia – enfrentam na sua missão de informar a sociedade?.

Edgard Tavares

– PRESIDENTE –

Procurado por Comunique-se, Kotscho, através de Inês Lima (que faz parte de sua equipe), limitou-se a esclarecer que ?ficou claro na resposta do secretário de Imprensa da Presidência da República que ele discutiu o tema com chefes diretores de sucursais, e não com empresários da comunicação?, finaliza Lima.”