Monday, 26 de February de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1276

Francisco Alves Filho e Valeria Propato

CASA DOS ARTISTAS

"Tudo por um holofote", copyright IstoÉ, 25/11/01

"Poucas vezes na história, as pessoas desejaram tanto se abrirem para o outro, arrancar as máscaras, mostrar os recônditos do corpo e da alma. A atitude é encarada com naturalidade desconcertante por quem quer ver e ser visto. Esse despojamento – motivado por exibicionismo, carência, narcisismo, marketing ou tudo isso junto – fez ruir um dos últimos bastiões da sociedade burguesa: a privacidade como valor moral. Expor a intimidade não é mais sinônimo de constrangimento. Até os diários, que sempre serviram para lacrar segredos, vexames e vergonhas foram reinventados na internet e servem de palco para revelar detalhes banais, engraçados ou mórbidos da experiência pessoal. A analista de sistemas paulistana Ivanise Maravalhia Gomes, 29 anos, transformou o mundo em seu confidente. As torcidas do Corinthians e do Flamengo, inteiras, já sabem que ela foi demitida e sofreu uma decepção amorosa. Suas aventuras, angústias, alegrias, reflexões e fotos, muitas fotos, disputam a atenção de milhares de internautas com outras 2.800 publicações do gênero, que ganharam o nome de blog – de weblog, que significa arquivo da rede. A moda pegou porque os blogs, que também dão a cada um a oportunidade de exercer sua verve de escritor e poeta, são mais simples de montar do que um site. Esses diários virtuais vêm se juntar a uma festa de intimidade coletiva, partilhada por famosos e anônimos em programas de tevê, revistas, e a uma profusão de sites alimentados por imagens de vídeo captadas por câmeras indiscretas que garantem os 15 megabytes de fama.

A busca de notoriedade rápida é mais um pretexto para mostrar o corpo. Na quinta-feira 22, a modelo Denise Mara Cardoso, 20 anos e 1,73 m de altura, literalmente parou o trânsito da zona sul de São Paulo. Para criticar a longa espera e a falta de organização do concurso de modelos promovido pela agência Mega Model, a bela fez um strip-tease em plena avenida. Arrancou a blusa diante dos olhares atônitos dos pedestres e dos flashes dos fotógrafos. ?Estou aqui para provar que tenho corpo para isso?, justificou-se a moça, que não se classificou. Em compensação, apareceu em todos os jornais e passou a sexta-feira nos estúdios dando entrevistas para a tevê. As 260 mil candidatas a modelo almejavam um contrato de quatro anos e prêmio de US$ 100 mil.

Em exposição permanente há quase dois anos, a modelo Janaína Machado, 24 anos, virou estrela da internet e recebe a visita de cinco mil dedicados voyeurs. Ela divide o apartamento em São Paulo com o cachorro Piggy e duas câmeras, uma na sala e outra no quarto, mas tampa o buraco da fechadura cibernética nos momentos íntimos. ?De vez em quando dou uma canja e troco de roupa na frente das câmeras. Elas fazem parte do meu cotidiano e acho incrível que tanta gente acompanhe meu dia-a-dia, que é absolutamente normal?, gaba-se. Nem sempre a vida pública e a privada estiveram em esferas separadas. ?O conceito de privacidade foi criado pela burguesia para assegurar o núcleo familiar, o poder e a riqueza?, afirma o presidente do Conselho Federal de Psicologia, Marcus Vinícius de Oliveira. Era no conforto do lar que o ser humano encontrava reconhecimento, identificação e proteção. A desestruturação familiar, a liberação sexual e o consumismo capitalista transformaram a família num trampolim para os indivíduos brilharem na selva, onde todos são iguais, mas únicos e querem atenção.

É curioso que justamente na França – berço da revolução igualitária e libertária que colocou os burgueses no poder e disseminou a cultura da discrição e do resguardo – um dos maiores fenômenos de vendagem nas livrarias seja a autobiografia erótica A vida sexual de Catherine M. Nela, a crítica de arte Catherine Millet, 53 anos, revela em detalhes picantes as relações sexuais que manteve com dezenas de homens, muitas delas com o conhecimento do marido, o escritor Jacques Henric. A obra vendeu 260 mil exemplares, foi traduzida para 20 idiomas, e a edição brasileira deverá ser lançada na próxima semana pela editora Ediouro. Henric, o marido, aproveitou a iniciativa para lançar um álbum com fotos da parceira – quase sempre nua – em lugares públicos.

Não é por coincidência que a maior parte das intimidades escancaradas esteja relacionada ao mesmo tema: sexo. ?É o primeiro enigma com que o ser humano se depara. As perguntas básicas que uma criança tenta responder são de onde vêm os bebês, qual o meu sexo e qual o do outro?, explica o psicólogo Marcus Oliveira. Desnudar-se, segundo ele, não seria condenável. ?Se o sujeito dá vazão a seu impulso de aparecer e sente prazer com isso, é bom sinal. Para os jovens, pode significar a busca de novas linguagens. O problema é quando a indústria cultural se apropria dessas manifestações, banalizando-as e empobrecendo os laços sociais?, observa.

Shows – Mais do que a televisão, a internet estimula o exibicionismo porque dá ao joão-ninguém e ao famoso a mesma chance de virar celebridade. ?As conexões estão mais baratas e mais rápidas, graças ao avanço da eletrônica?, diz Ivan Moura Campos, coordenador do comitê gestor que dirige os rumos da internet brasileira. Estima-se que em torno de um milhão de câmeras sejam vendidas anualmente no mundo e, neste momento, há dez mil delas transmitindo indiscrições dos quatro cantos do planeta. ?Onde mais se podem ver mulheres de calcinha no meio do expediente??, comenta o paulista João Gilberto Rocha, 28 anos, que trabalha num escritório de contabilidade e chegou a mandar dez e-mails num único dia para uma das modelos do site Dream Cam, parada obrigatória para quem aprecia variedade. A cada 15 dias, uma modelo diferente ocupa a casa monitorada por três câmeras. Os assinantes do provedor UOL e dois mil pagantes ganham shows particulares. Na semana passada, a modelo Cinthia Santos, ex-atriz de 18 anos, surpreendeu até a direção do site ao se depilar no chuveiro. ?Bati o recorde de e-mails. Sinto-me importante como se estivesse na Casa dos artistas?, compara Cinthia.

Embora a internet se preste a todo tipo de exposição, muita gente ainda prefere se mostrar pela metade, sem descobrir o rosto ou revelar a identidade. Apostar no poder anônimo da rede é pura ilusão. Hoje é cada vez mais comum as empresas vasculharem os e-mails dos funcionários, sem contar as ferramentas que sites, provedores e governos usam para rastrear os passos dos internautas. As emissoras de tevê se aproveitam da tecnologia para aumentar sua audiência. Em breve, cenas ao vivo do cotidiano dos participantes confinados na Casa dos artistas serão transmitidas pelo site do SBT, que conta com 7,5 milhões de visitantes. O concorrente No limite, da Rede Globo, também tem sua página e registrou 90 mil acessos num único domingo.

Os dois programas seguem a trilha de sucesso dos reality shows internacionais – como o holandês Big Brother e o americano Survivor, em que um grupo de mortais comuns isolado do resto da civilização permanece sob a vigilância constante de dezenas de câmeras. Casa dos artistas conseguiu o feito histórico de roubar em 13 pontos a audiência até então imbatível do Fantástico, no ar há 28 anos. O que leva o telespectador a grudar os olhos na telinha para bisbilhotar a privacidade alheia é uma mistura de admiração e identidade. ?O público necessita de figuras mágicas e míticas para situá-las entre o homem e a divindade. Ao mesmo tempo, tem certeza de que não é inferior porque vê que os artistas dormem, comem, brigam, são mesquinhos e vão ao banheiro?, analisa o psiquiatra Miguel Chalub. ?Comecei a ser querida quando as pessoas puderam me ver sem peneiras?, diz a apresentadora Monique Evans, 45 anos, que pilota a atração Noite afora, da RedeTV!. Diante das câmeras, ela confessa indiscrições: aprendeu a se masturbar depois dos 30 e, pasmem, não é boa de cama.

Fantasia – Fora do mundo das lentes, a vigilância onipresente, imaginada pelo escritor George Orwell no livro 1984 e batizada de Big Brother, ou Grande Irmão, deixa de ser ficção. Em lojas, bancos, shoppings, prédios e até nas praias há câmeras invisíveis espreitando tudo e a todos. As 22 câmeras instaladas na ponte Rio-Niterói já registraram imagens incendiárias de casais que simulavam uma avaria no carro como pretexto para realizar a fantasia de se expor em via pública. Numa dessas ocasiões, um homem faz sexo com a mulher apoiada na mureta, sob o risco de cair nas águas poluídas da Baía de Guanabara, enquanto centenas de carros passam a poucos metros de distância. Os técnicos de segurança da ponte dizem que o número de ocorrências desse tipo diminuiu depois que mais gente soube da existência das câmeras. Para não ser pego de surpresa, a alternativa é ficar sempre de olhos bem abertos. (Colaboraram: Camilo Vanucchi (SP) e Celina Côrtes (RJ))"

 

"SBT derrota Globo pela 4.? vez e atinge pico de 50 pontos", copyright O Estado de S. Paulo, 26/11/01

"Pelo quarto domingo consecutivo, o programa Casa dos Artistas derrotou o Fantástico. Às 22h53, a atração de Silvio Santos atingiu seu pico de audiência com 50 pontos ante os 18 da Rede Globo (cada ponto do Ibope equivale a 44 mil casas na Grande São Paulo). A média foi de 40 pontos para o SBT e 22 para a Globo, entre as 20h40 e 23h05, segundo informações da Assessoria de Imprensa do SBT.

Para vencer a disputa pela audiência, Silvio Santos decidiu prolongar a duração do Casa. Ele foi encerrado às 23h05, chegando a coincidir com o início do reality show da Globo, o No Limite 3.

A votação do Casa começou com Alexandre Frota pedindo para sair e depois perguntando à platéia de Silvio Santos se eles queriam que ele fosse excluído do programa. O auditório gritou que ?não?. O Fantástico havia começado dez minutos antes com uma reportagem sobre clonagem.

Na votação entre os participantes do reality show do SBT, os mais votados foram Mateus Carrieri, Alexandre Frota, Bárbara Paz e Nana. Já na votação popular por telefone, a escolhida foi Nana. O tempo gasto com Supla foi maior, com direito a propaganda de seu novo CD e declarações por escrito da mãe, a prefeita Marta Suplicy, e do pai, o senador Eduardo Suplicy. O vencedor receberá R$ 300 mil.

Apesar do processo aberto pela produtora holandesa Endemol Entertainment, detentora dos direitos do reality show Big Brothers, Silvio Santos já anunciou que as pessoas poderão sugerir pelo site www.sbt.com.br os nomes dos próximos participantes para uma nova edição do Casa dos Artistas. O apresentador disse ainda que a partir de hoje o programa só vai ao ar às 21 horas. Na semana passada, a Secretaria Nacional de Justiça classificou o reality show como ?não recomendado para menores de 14 anos? e sua exibição só é adequada para depois das 21 horas."