Sunday, 21 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1297

Independent barrado

TELETIPO

O governo do Zimbábue proibiu o grupo Independent Newspapers de cobrir a eleição presidencial do país, em março. "Não incluiremos tal jornal", confirmou Eddie Mamutse, funcionário do Ministério da Informação, responsável pelas credenciais. Segundo Mamutse, o grupo ? que controla 14 títulos na África do Sul, o Independent em Londres e jornais da Nova Zelândia ? foi excluído por ter contratado Basildon Peta, jornalista local crítico do governo. As informações são da AllAfrica.com (21/2/02).

No dia 21, muitos leitores do Vancouver Sun se surpreenderam ao ver que compraram, em bancas e máquinas, exemplares falsificado do diário canadense. Em 23/2, o publisher Dennis Skulsky esclareceu em comunicado no Sun que 20 mil leitores foram vítimas da fraude. Os responsáveis, que se identificaram como "Guerrilla Media", fizeram paródia do diário com matérias ofensivas. Desculpando-se pelo inconveniente, Skulsky afirmou que a sátira passou dos limites ao violar os canais de distribuição do jornal e enganar os clientes.

A Suprema Corte da Califórnia revogou a lei estatal que proíbe criminosos de lucrar com a venda de sua história. Por decisão unânime, os sete juízes classificaram como inconstitucional a lei "Son of Sam", criada em 1983, por violar os direitos de liberdade de expressão garantidos pela Primeira Emenda da Constituição americana. Barry Keenan, líder da gangue que seqüestrou Frank Sinatra Jr. em 1963, desafiou a regra, que o impedia de receber pela venda dos direitos de sua história à Columbia Pictures: a lei manda que o lucro de livros, filmes e artigos sobre o crime seja destinado às vítimas. Jesse Hiestand [The Hollywood Reporter, 22/2/02] conta que no estado de Nova York a lei foi derrubada em 1991, mas ainda vigora em 40 estados.