Monday, 26 de February de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1276

Limpar a casa e chamar as visitas

PRÊMIOS & GALARDÕES

Vitor Sznejder (*)

"Como é que se cala a Globo?" Essa pergunta me fez certo dia um executivo que ocupava cargo de direção numa multinacional. "Não é verdade que, pagando, consegue-se influenciar na edição das matérias?" Esta outra me é feita com freqüência por alunos de pós-graduação. Ambas revelam, de um lado, desconhecimento e desconfiança; de outro, arrogância e menosprezo das fontes sobre o funcionamento moderno dos grandes veículos de comunicação.

A recíproca é verdadeira ? com as exceções de praxe. A mídia erra com mais freqüência do que está disposta a admitir (ignorância) e tem sempre a última palavra (arrogância) no caso de uma reclamação ou pedido de correção. Ela tem, sim, o papel e o dever de ser crítica, cética e fiscalizadora ? como lembrou Alberto Dines na última edição deste Observatório [remissão abaixo]. Ele lamentava que o chamado Terceiro Setor já estivesse começando a "tropeçar nos vícios dos demais", referindo-se mais especificamente à distribuição de prêmios de jornalismo.

É no mínimo tenso o relacionamento entre mídia e fontes, sejam do Estado, da iniciativa privada ou das organizações da sociedade civil. Às fontes sempre interessa noticiar apenas "good news", enquanto que o inverso é verdadeiro para a mídia: "good news is no news". Sendo relações naturalmente "adversárias", é preciso que ambos os lados invistam no conhecimento mútuo: visitas de cortesia, entrevistas individuais e coletivas, conversas apenas para troca de informações ? tudo isso deve fazer parte de uma estratégia de Comunicação (ou de Relações Públicas) das fontes no seu relacionamento com a mídia. Tal estratégia pode contemplar, no seu plano de ação, inclusive uma premiação às melhores reportagens sobre este ou aquele tema. Por que não?

Atenção, porém: se a Imagem Corporativa anda feia, corrijam-se primeiro as causas! É melhor gastar o dinheiro destinado aos prêmios limpando a bagunça da sala, e só depois chamar as visitas para um chá com biscoitos e brindes.

(*) Jornalista e professor da FGV

Leia também