Saturday, 18 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1288

Walter Ceneviva


"Emissoras ensaiam um contrato anti-assédio", copyright Folha de S. Paulo, 16 /10/00

"Está circulando nas redes de TV uma minuta de termo de compromisso que pretende pôr fim ao assédio, por parte de uma emissora, a artistas, técnicos e executivos que estejam cumprindo contrato na concorrência.

A primeira versão do documento é datada de 17 de fevereiro e previa multa de R$ 10 milhões para a emissora que tirasse um artista da outra. Há um mês, chegou aos departamentos jurídicos das TVs uma nova versão do rascunho de contrato, desta vez prevendo multa de R$ 150 milhões.

O primeiro texto foi sugerido pelo SBT, como uma forma de criar uma ‘aliança das geradoras de programação nacional’ diante do esvaziamento da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV, que hoje só congrega a Globo). O código de ética da Abert prevê a expulsão da emissora que assediar artista de outra.

O pacto ganhou força com a recente contratação pela Record de Adriane Galisteu, que tinha contrato com a Rede TV! até 2001.

No entanto, executivos ouvidos pela Folha acham que o pacto não deverá se realizar. ‘A Globo tira quem ela quiser. Isso apenas penalizaria as outras emissoras’, diz um dirigente de TV que pede para não ser identificado.

Volta ao índice

Qualidade na TV – bloco anterior