Saturday, 13 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1283

A importância dos Observatórios de Mídia em debate no curso de jornalismo da UFRRj

(Foto: Unsplash)

“Os observatórios de mídia são agentes de incentivo à reflexão e à participação da sociedade, no sentido de uma democratização dos processos comunicacionais. Em tempos tão difíceis, marcados pela disseminação de fake news, é fundamental aprender a analisar o conteúdo que a mídia produz. O cidadão não pode receber passivamente esse conteúdo sem sobre ele refletir”. Foi com essa fala que a jornalista e professora do curso de Jornalismo da UFRRJ, Ivana Barreto, abriu a mesa redonda “Observatórios de mídia: crítica, educação e cidadania”, no dia 24 de setembro.

Parte das comemorações dos dez anos do curso de Jornalismo da Rural, o evento teve como convidados o jornalista Pedro Varoni, editor do Observatório da Imprensa, e a também jornalista, doutora em Comunicação pela Universidade do Minho, Cristiane Parente. O encontro ainda contou com as presenças do coordenador do curso, André Holanda, e das professoras Rejane Moreira e Simone Orlando.

A partir de algumas citações de Alberto Dines, jornalista e fundador do Observatório da Imprensa, a mesa começou com uma reflexão sobre a importância do olhar analítico, capaz de entender as problemáticas sociais, e o papel das empresas jornalísticas nesse processo. Especificamente sobre o Observatório, Pedro Varoni ressaltou que ele surgiu quando o modelo da mídia de massa ainda era predominante, não tão influenciado pelas mídias sociais, sendo o primeiro fórum brasileiro de crítica da imprensa e do jornalismo.

“O discurso produz realidade, então, se estamos fazendo circular crítica de mídia, estamos interferindo no modo de fazer jornalismo”, lembrou.

Segundo ele, o Observatório contribuiu para um amadurecimento do jornalismo brasileiro, criando uma instância de verificação crítica, autônoma, pluralista, apartidária e com viés progressista.

O Observatório

A importância de um espaço constituído por contribuições voluntárias de articulistas também foi salientada por Pedro Varoni. Espaço extremamente necessário dentro do jornalismo brasileiro. Os colaboradores — jornalistas, professores universitários e estudantes de diversas partes do Brasil, trazem uma nova vitalidade ao veículo, explicitando ainda mais a urgência de um modelo representativo, onde as pessoas possam trazer e reconhecer as suas vivências.

Para o jornalista, embora hoje todo mundo seja comunicador em algum sentido, produzindo e compartilhando conteúdos, é necessário um investimento em educação midiática, que ajude a sociedade a entender a diferença entre desinformação e informação. Apesar de ser um momento propício para as fake news, o atual contexto também criou um jornalismo de resistência no meio digital com novos formatos e modelos de negócio, muitas vezes trabalhando nichos específicos.

Os observatórios de mídia se encarregam, nesse cenário, de ajudar na criação de pautas mais cidadãs e na correção de distorções, fiscalizando os meios, os conteúdos e a atuação dos profissionais da área. Eles são fundamentais, conforme destacou Cristiane Parente, para “emprestar” essa visão à sociedade, podendo ajudar a população a compreender os bastidores de cada processo.

Educação para a cidadania

A jornalista lembrou ainda a importância das universidades e da educação nesse processo: “É relevante o papel das universidades, da educação. Afinal, são espaços da crítica, da reflexão. O próprio Observatório da Imprensa nasceu da parceria com uma universidade, a Unicamp”.

Além disso, estender a rede de comunicação, por meio de parcerias entre os observatórios, imprensa e grupos de pesquisa, é essencial no Brasil, onde os próprios observatórios desconhecem uns aos outros. De acordo com a jornalista, essas instâncias estão ligadas a uma educação para a cidadania, sendo, assim, responsabilidade de todos.

Cristiane igualmente lembrou a relevância de, no processo de criação de um observatório, haver o questionamento acerca daquilo que se deseja, de fato, observar, assumindo o lugar de onde se observa.

Já Ivana Barreto destacou a necessidade de um espaço que abrigue o jornalismo contextualizado, jornalismo de imersão e de dados: “Se falta espaço nos veículos de imprensa tradicionais, é importante que os observatórios abram caminho para essa outra leitura do fazer jornalístico.”

Antes das perguntas dos participantes, também fizeram ponderações e questionamentos os professores do curso presentes no evento. O primeiro a trazer seu posicionamento foi o professor André Holanda, que abordou questões relacionadas à liberação do polo emissor da comunicação e à pós-verdade. Ainda lembrou a necessidade de se pensar o receptor muito além do papel de consumidor passivo da informação.

Já Rejane Moreira, especialista em estudos de mídia, evidenciou o valor da contextualização histórica para o estabelecimento das relações de confiabilidade. Lembrou, a partir do exemplo da reportagem “O nascimento de Joyci”, de Fabiana Moraes, vencedora do prêmio Esso de 2009, a urgência do jornalista demonstrar em seu texto, de forma clara, sua visão de mundo e, assim, contribuir para o surgimento de uma relação de confiança com o leitor.

A professora Simone Orlando, por sua vez, citou os observatórios como espaços para a formação acadêmica. E destacou que o compromisso dos jornalistas, enquanto formadores de opinião, é com a imersão do leitor.

O evento, que teve na organização, programação visual e suporte o aluno Pedro Henrique Cabo, terminou com os professores do curso e os palestrantes respondendo as perguntas dos que participaram da mesa, transmitida no canal do YouTube do Observatório de Mídia do Curso de Jornalismo da UFRRJ.

Você pode conferir o evento na íntegra através do QR Code:

Reportagem e redação:

Laryssa Baião e Lucas França, estudantes de Jornalismo UFRRJ.

Edição:

Ivana Barreto, Professora de Jornalismo da UFRRJ.

Observatório de Mídia da UFRRJ.