Wednesday, 24 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1284

Wanessa, Davi, Bahia e os Dois Filhos de Francisco

(Foto: Reprodução da TV)

Assistindo à entrevista de Wanessa Camargo para o Fantástico, percebemos um papel importante que programas como o BBB tem na configuração de debates que ultrapassam os limites de um programa de entretenimento, gerando para a sociedade como um todo uma gama de discussões importantes.

No caso da cantora Wanessa, vemos um tema muito importante vindo à tona: o racismo estrutural. Na entrevista para o dominical, a cantora admite que muitos dos seus comportamentos tinham o cunho do racismo, evidenciado e sofrido pelo participante Davi. 

Essa reflexão feita pela cantora tem muito mais do que uma nova postura, um pedido de desculpas, ou até mesmo uma forma de limpar a imagem. Vemos aí uma grande oportunidade de se discutir o tema em uma grande audiência em TV aberta, em horário nobre. 

Neste ponto, o programa BBB sobe muito no conceito. Sem roteiro, ou sem a intenção de ser didático, os preconceitos e as ofensas se multiplicam e se desenrolam no programa e podemos ver nele o reflexo da nossa sociedade patriarcal e racista.  Os desdobramentos desse enredo “grotesco de veracidade”,  nos coloca de frente com uma realidade dura e difícil de encarar. 

Wanessa se descobre e se reconhece como racista e, pelas falas na entrevista, estaria disposta a mudar essa sua velha configuração, que, suponho, viria do berço ou possivelmente da estrutura que a protege e desenquadra o branco e privilegiado de entender as marcas deixadas por séculos de atrocidades escravocratas.

Uma bolsa para Davi

Uma bolsa de medicina em uma universidade, que o participante Davi ganhou durante o jogo, seria o bastante para um negro vindo da periferia, e muito mais do que o aceitável  para que ele ficasse calado e adorasse de joelhos a Casa Grande reinar no BBB 2024. 

Dois Filhos de Francisco, uma neta de seu Francisco, um Davi, uma Bahia: várias histórias se entrelaçam e a gente dá de cara com a bizarrice de um Brasil que não sabe sobre os significados de sua própria estrutura como povo e gente. 

Davi é rei, vindo da Bahia. Prevejo que vencerá o BBB. Prevejo, ainda, que Vanessa vencerá seu próprio racismo e superará os gatilhos que a paralisam diante de um cara que fala alto e intimida: o branco e ex-galã Dado Dolabella. Prevejo Dois Filhos de Francisco passar novamente na “Sessão da Tarde” e uma menina que um dia virou cantora se reconhecer parte integrante dessa gente brasileira. 

Falta Brasil no BBB, vemos gente do Brasil neste reality. Que, de nome traduzido, reluz a realidade de um país que segue colando e tirando nota fraca em matéria de história de “nós mesmos”. 

BBB 2025 vem aí, terá milhões de novas oportunidades de sermos maiores e melhores em uma reality brasileira.

***

Francisco Julio Bárbaro Xavier é ator, jornalista e apresentador potiguar, com curso de atuação UERN(2019). Apresentador pelo Senac SP (2023) e Comunicação Social- Jornalismo pela Laureate Universities. Fez curso de atuação avançado com o Diretor Guto Pasko (2023) e de atuação na Técnica Meisner com Tomas Resende (2023). Em janeiro de 2024 fez parte do núcleo do elenco principal do Longa Marfia de Pelúcia (Vândalo). Em TV, fez participação nas séries do Globoplay, As Five e Betinho no Fio da Navalha. Além de Salve Guys, curta para NBA (O2 Filmes). Seu último curta (Hashtag), ganhou 2 prêmios no Festival Curta Caicó.