Tuesday, 21 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1288

(Re)considerações sobre as notícias locais

Em sua coluna de 5/2, a ombudsman do Washington Post, Deborah Howell, revelou que, embora o esforço inicial do jornal em criar o espaço para o cargo que ela ocupa tivesse o objetivo de discutir as notícias locais com o público, para os leitores assíduos este tipo de notícias teria quase a mesma importância das nacionais e das internacionais, segundo pesquisas realizadas pelo Post. Para entender melhor por que isto ocorre, a ombudsman pediu aos leitores que lhe dessem suas opiniões sobre a cobertura local – e ela dedica a coluna deste domingo [26/2/06] para discutir as respostas recebidas ao longo da semana.

Deborah esclarece que ficou claro que os leitores querem uma cobertura local maior e melhor. Ela afirmou que irá repassar todos os comentários recebidos – tanto os elogios quanto às críticas – aos editores. A leitora Bárbara Somson disse que os jornais Washington Times, City Paper e Current apresentam melhor cobertura das notícias locais; o leitor William Malone acha que a cobertura do Post não reflete ‘o interesse concreto dos leitores’. Edward Cowan foi um dos leitores que elogiaram o trabalho da repórter Yolanda Woodlee, que ‘faz uma cobertura independente e agressiva do Distrito’, mas acredita que o Post tem muitos jornalistas experientes destinados à cobertura local. Betsy Martin revelou que não vê muita cobertura das agências federais, o que, na opinião da leitora, é indispensável para um jornal de Washington.

Além destes, muitos outros fizeram críticas e reclamaram que sua região não estava sendo devidamente coberta pelo jornal. Deborah mostrou-se satisfeita ao saber que, ao contrário do que havia afirmado em sua coluna anterior, os leitores se importam com as notícias locais. E ficou ainda mais grata ao receber o e-mail do professor Michael Feldman, que costuma discutir o conteúdo do jornal com seus alunos de história americana. ‘Estes estudantes se tornaram leitores assíduos’, revela ele. ‘Jornais precisam de todos os leitores jovens que conseguirem atrair’, conclui Deborah.