Monday, 24 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1293

Fronteira selvagem

Os problemas de segurança no Norte do México assumem proporções cada vez mais assustadoras. O governo mexicano estuda aumentar as penas para quem assassina jornalistas. Foi um pedido da SIP, Sociedade Interamericana de Imprensa. A autocensura já foi adotada por jornais em cidades abaladas onde o crime organizado trava guerras pelo controle do território. Cinco jornalistas foram mortos na região desde outubro de 2004.

O jornal texano San Antonio Express-News (http://www.mysanantonio.com )publicou há uma semana reportagem sobre o crescente contrabando de roupas usadas em sentido contrário ao das drogas, isto é, dos Estados Unidos para o México. Alguns argumentam que dá emprego a mexicanos, mas para as autoridades é algo ilegal, que precisa ser combatido. Mas as autoridades que se deixam corromper são as mesmas que recebem dinheiro do tráfico de drogas.


Na cidade americana de McAllen, ao norte da mexicana Reynosa, fuciona um conjunto de depósitos de roupa velha ‘que tem uma áarea maior do que a maior loja do Wal-Mart nos Estados Unidos’, diz a reportagem.


Para complicar ainda mais as coisas, uma onda brutal de calor, com temperaturas que passam de 48 graus centígrados, castiga a imigração clandestina na fronteira do México com o Arizona. Morreram nos desertos da região, desde outubro, 229 imigrantes, aumento de 57% em relação a um ano antes.