Friday, 12 de April de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1283

Jornais usam blogs para patrulhar candidatos nos EUA

A campanha para as eleições que escolherão o sucessor do presidente Geroge W. Bush presidenciais norte-americanas promete ser a mais patrulhada em toda a história norte-americana.


 


Pelo menos quatro grandes projetos baseados na internet já começaram a monitorar declarações, discursos, documentos e projetos dos 17 pré-candidatos inscritos num sistema de patrulhamento político em tempo real.


 Medidor de Veracidade - majoritariamente verdadeiro


PolitiFact.com é uma iniciativa conjunta do jornal Saint Pertersburg Times, da cidade de Saint Petersburg, Florida, e pela revista de estudos políticos, Congressional Quarterly. A grande atração do projeto é o Truth-o-Meter (medidor de veracidade) que é uma espécie de relógio onde um ponteiro indica se a declaração é verdadeira, parcialmente verdadeira, parcialmente falsa, falsa ou absurdamente falsa.Medidor de Veracidade - Falso
 


O Centro Annenberg de Políticas Públicas, da Universidade da Pennsylvania também criou o seu detector de mentiras eleitorais, batizando-o sob o nome de FactCheck. O site conta com quase 20 pesquisadores em tempo integral, que vão checando uma a uma das principais declarações dos candidatos e publicando os resultados em ordem cronológica.


Verdadeiro



O site Primary Monitor Blog preferiu concentrar-se no patrulhamento dos resultados das votações primárias em urna por urna. Trata-se de um projeto do jornal Concord Monitor visando tornar transparente tanto a organização e apuração das primárias em todo o território norte-americano. O Concord é um jornal fundado há 200 anos no estado de New Hampshire.Grotescamente Falso


 


O jornalista Michael Dobbs é o responsável pelo blog Fact Checker , hospedado no site do jornal The Washington Post e que prefere destrinchar documentos e projetos produzidos pelos candidatos para classificá-los de acordo com o Índice Pinochio, de acordo com o seu grau de confiabilidade e veracidade.


 


Em novembro do ano passado os responsáveis por estes projetos organizaram um seminário chamado sugestivamente Calças em Chamas[1] (Pants on Fire) para avaliar o resultado de pesquisas mostrando como a audiência dos sites de patrulhamento eleitoral cresce duas vezes mais rápido que o noticiário político convencional.


 


O aumento da popularidade dos detectores de mentiras eleitorais mostrou como os jornais podem recuperar parte de sua credibilidade e ao mesmo tempo encontrar alternativas para a crescente desilusão dos leitores em relação à cobertura política convencional.


 


Os críticos do patrulhamento eleitoral afirmam que esta opção de monitoramento jornalístico, até agora, não produziu resultados espetaculares em matéria de desmascarar argumentos falsos ou falaciosos dos candidatos nas atuais primárias norte-americanas.


 


Mas, os pesquisadores da Universidade da Pennsylania contra-argumentaram mostrando que tanto os candidatos como suas respectivas assessorias se tornaram muito mais cuidadosos na divulgação de propostas e promessas, justamente porque temem o efeito dos recursos como o Medidor de Veracidade, do site PolitiFact.


 


Até agora os jornais e revistas adotavam o sistema de checagem de dados e informações apenas para o material recolhido por seus repórteres e pesquisadores. Aqui no Brasil a revista Veja usa este sistema desde a sua criação, mas os demais jornais nunca cogitaram em criar uma seção especial de monitoramento.


 


A avalancha informativa gerada pela Internet e a perda de credibilidade dos políticos criaram as condições necessárias para que o patrulhamento esteja se transformando numa necessidade, especialmente durante processos eleitorais, quando cresce a produção de factóides para aumentar a visibilildade de candidatos.


 


Por sua flexibilidade, agilidade e interatividade, os blogs surgem como a ferramenta mais adequada ao monitoramento eleitoral. Tanto que segundo o site Technorati, já existem mais de 500 blogs, em sua maioria produzidos por indivíduos sem formação jornalística, e que se especializaram em ficar no pé de candidatos a procura erros, gaffes, meias verdades e mentiras completas. A moda bem que poderia pegar por aqui também, porque matéria prima é que não falta.






[1] A expressão Pants on Fire (Calças em Chamas) é muito usada nos Estados Unidos para referir-se a mentirosos. Ele surgiu a partir da frase Liar, liar, pants on fire, hang them up on telephone wire (Mentiroso, mentiroso, calças em chama, enforque-os num fio telefônico).