Friday, 14 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

O dilema do desemprego entre jornalistas


Aproximadamente 60% dos jornalistas graduados em universidades latino-americanas ganham o diploma e vão direto para o desemprego ou para outras atividades. Esta assustadora estatística ocupou o centro de um debate no Colóquio Internacional Sobre a Sociedade da Informação, realizado em Santiago do Chile, no começo de dezembro, no qual fui um dos expositores.


Foi impossível estabelecer números absolutos apesar do evento contar com a participação de diretores de algumas das mais importantes faculdades de jornalismo da América Latina. Mas um expositor chegou a mencionar, conservadoramente, um total anual de três mil recém formados sem emprego, em toda a região.


Um número que provoca imediatamente uma série de perguntas, entre as quais duas foram as mais mencionadas no evento realizado na Universidade do Chile:


1) É necessário desestimular o ingresso de jovens nas faculdades de jornalismo para evitar um crescimento ainda maior do desemprego profissional?
2) Ou a universidade deve entrar para valer no esforço para desenvolver novos projetos jornalísticos capazes de absorver os novos profissionais?


O dilema colocado diante dos professores de jornalismo não é simples, porque a primeira pergunta equivale a um reconhecimento do próprio fracasso, sem falar que uma redução do número de faculdades provocará também desemprego no corpo docente.


A segunda resposta parece mais fácil mas imbute uma série de desafios. A universidade é sem sobra de dúvida a instituição melhor capacitada para buscar alternativas para a atual crise na mídia impressa. É ela que pode explorar os novos caminhos abertos pela internet para a comunicação social e testar a viabilidade de projetos inovadores.


Mas para fazer isto, a universidade também precisa mudar, porque a esmagadora maioria dos cursos de jornalismo ainda estão orientados para a produção de profissionais para a imprensa escrita e só marginalmente preocupam-se com o jornalismo via internet.


Haverá necesidade não só de alterar currículos e programas como reorganizar o corpo de professores para atender às demandas das novas áreas de conhecimento. Esta não é uma tarefa fácil porque mexe com interesses e estruturas já consolidadas.


A nova relação entre cidadãos/jornalistas/veiculos de comunicação pode ser a chave para que os profissionais encontrem funções que não existem atualmente. Os profissionais terão que orientar e capacitar as pessoas comuns sobre como usar a informação para evitar as trágicas consequências da desinformação, que a internet transformou em arma letal, à disposição de qualquer indivíduo.


Outras áreas ainda inexploradas são o jornalismo local e hiperlocal, bem como a informação multimídia em ambiente de convergência de meios. Estes segmentosw da comunicação só poderão crescer como resultado de muita pesquisa e experimentação, coisas que só a universidade pode oferecer neste momento de profunda transformação na mídia convencional.


Aos nossos leitores: Serão desconsiderados os comentários ofensivos, anônimos e os que contiverem endereços eletrônicos falsos.