Wednesday, 28 de February de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1276

Jornalismo local em Campo Grande – MS

(Imagem de kalhh por Pixabay)

No mês de novembro, os estudantes de Jornalismo da UFMS analisaram veículos locais de Campo Grande em busca de indicadores de qualidade jornalística em temas específicos: Educação, Saneamento, Arte e Cultura, Transporte Público e Saúde. 

Os sites analisados foram:

  • Primeira página
  • Campo Grande News
  • MidiaMax
  • Correio do Estado
  • O Jacaré

O panorama local encontrado mostrou que há bons exemplos, mas ainda muito o que melhorar na qualidade da reportagem local campo-grandense. (Laura Seligman)

EDUCAÇÃO

O primeiro tema analisado foram as pautas referentes a Educação, pelos estudantes Beatriz Barreto, Gabriel Barbosa, Sarai Brauna e Luana Guimarães.

Primeira Página

Durante o período analisado, o Jornal Primeira Página, totalizou 30 publicações sobre a temática Educação. Grande parte do conteúdo se parece com textos feitos por assessoria de imprensa, principalmente a matéria “TCE abre mão de R$12 milhões para abertura de vagas em creches de MS”, feito pelo próprio órgão TCE-MS, para divulgação. Na página onde é possível ler essa matéria, o site está rodeado de publicidades patrocinadas pelo TCE-MS. 

Nenhum título ou linha-fina do período analisado se encaixa nos padrões jornalísticos e são utilizados para gerar cliques dos leitores, consequentemente não trazem fontes alternativas, o que mostra a falta de apuração da equipe do jornal. Foi possível notar o padrão de escrita na linguagem formal. Não apresentam conteúdos sensacionalistas e, em média, poucas matérias apresentam características publicitárias ou pluralidade de fontes (a maior parte sequer apresentava fonte). 

As imagens de apoio para contextualização são todas fotográficas, sendo a maioria de autoria de integrantes do próprio jornal, contudo, algumas não apresentaram detalhamento de autoria, apenas informaram se tratar de divulgações de outros veículos e portais informativos. Em uma visão geral, a maioria dos textos estava adequada á editoria, mas os assuntos que envolvem a temática também estavam incluídos em outras editorias, apresentando notícias de acontecimentos ou oferecendo serviços para a população. Foram abordados adequadamente os critérios de atualidade, veracidade (tendo informações apuradas com detalhamentos adicionais) e relevância da pauta.

Campo Grande News

O Jornal Campo Grande News possui uma editoria específica para temas de Educação em seu site, focados no estado de Mato Grosso do Sul. A maioria das notícias sobre esse tema são releases de concursos públicos, empresas de cursinhos pré-Enem e vestibular, cursos profissionalizantes e anúncios de aberturas de provas .

Em todos os textos durante o período analisado foram encontrados problemas nos títulos e nas linhas-finas, eles possuem excesso de informação e raramente se encaixam nos padrões jornalísticos de qualidade. Como por exemplo no dia 02/10: “Parcerias e R$ 12,5 milhões vão viabilizar cursos a 132 mil em MS”, que além de confuso está mal escrito. Consequentemente, afetam a estrutura do lead e dos parágrafos que o seguem, pois repetem informações já ditas anteriormente ou não apresentam a ordem da pirâmide invertida que seriam as informações mais importantes nos primeiros parágrafos do texto.

Em relação à pluralidade de vozes, percebemos durante a análise que ele geralmente não apresenta personagens afetados diretamente pelos problemas, apenas fontes oficiais, notas ou outros veículos, o que mostra a falta de apuração por parte dos jornalistas.

Midiamax

A maioria dos textos com viés jornalístico do jornal MidiaMax, possui o formato noticioso (com exceção da série de reportagens sobre aulões preparatórios para o Enem), respeitando o padrão de escrita na linguagem formal. Além disso, foram assinados como autoria do próprio jornal, com exceção de uma matéria que teve procedência externa evidenciada (Agência Brasil). Não apresentam conteúdos sensacionalistas e, em média, poucas matérias apresentam características publicitárias ou pluralidade de fontes (a maior parte sequer apresentava fonte). As imagens de apoio para contextualização são todas fotográficas, sendo a maioria de autoria de integrantes do próprio jornal, contudo, algumas não apresentaram detalhamento de autoria, apenas informaram se tratar de divulgações de outros veículos e portais informativos. 

Em uma visão geral, a maioria dos textos estava nas editorias de Cotidiano ou de Oportunidades, já que não possuem uma editoria específica voltada à Educação, apresentando notícias de acontecimentos ou oferecendo serviços para a população. Abordaram adequadamente os critérios de atualidade, veracidade (tendo informações apuradas com detalhamentos adicionais) e relevância da pauta. Além disso, apresentam uma série de reportagens voltadas para a entrega de serviço social à população na temática de Educação (aulões do Enem).

Não foram encontradas publicações no jornal Midiamax com a temática Educação durante o período do dia 02 ao 05 de outubro.

Correio do Estado

Parte de seus textos foram retirados de outros veículos de comunicação, ou seja, não tem autoria própria. Os que são escritos pela redação do jornal têm uma abordagem jornalística clara, se percebe a diferença em publicações, pela quantidade de fontes utilizadas, e a diferença na escrita. No geral, os textos feitos pelo jornal seguem um formato jornalístico informativo com qualidade, incluindo mais de uma fonte, ou seja, demonstra pluralidade e checagem, mas a angulação e temas abordados poderiam ser melhores e diversificados.

Resumo

Em suma, a maioria das notícias foi sobre a mesma pauta em todos os jornais, nos mesmo dias, a partir disso, pode-se observar a falta de divulgação e análise de questões educacionais pois a Educação não é apenas sobre estatísticas e políticas, mas também sobre a qualidade do ensino, desafios enfrentados por alunos e professores, eventos científicos, as inovações no setor e diversos temas abrangentes possíveis de se encaixar na pauta Educação. 

Todos os conteúdos abordados envolveram a política na Educação, como, “Governo oferece 14,95% de aumento aos professores da Rede Estadual de Ensino”. Infelizmente, muitas vezes o jornalismo se contenta em apresentar apenas cobertura superficial dos problemas enfrentados pelo sistema educacional. A tendência em focar apenas nos aspectos negativos também se torna uma limitação. Embora seja essencial destacar os desafios enfrentados pela educação, a mídia muitas vezes negligencia histórias positivas e exemplos inspiradores. Essas narrativas poderiam servir como fonte de motivação e inspiração para mudanças positivas.

SAÚDE

Emilly Nunes, Emelin Gabrielle, Pedro Vieira

Os textos foram avaliados levando em consideração se discutiam temáticas sobre Saneamento, a qualidade nos quesitos jornalísticos e como o tema foi discutido. O jornal Primeira Página estava entre os que seriam analisados, mas não possuía nenhuma matéria sobre Saneamento no período avaliado, logo foi desconsiderado. Foi concluído que a temática, nos veículos de notícia, aparece – de maneira geral – com pouca frequência e de maneira superficial.

Foram encontrados e analisados 16 textos jornalísticos. A maioria trouxe títulos e linhas finas de fácil entendimento para o leitor. Há pluralidade de fontes e o jornal acompanha o desenrolar das matérias até sua solução. Por vezes, somente a população é ouvida, sem o contraponto governamental, o que pode denotar um tom apelativo. É o caso da A reportagem “Com bancos quebrados e lixo, abandono frustra visitantes do Parque Ayrton Senna” tem bastante fontes, mas tem um enfoque nos frequentadores do parque e o que eles pensam sobre a falta de manutenção do espaço, e não apresenta o lado dos responsáveis pela manutenção.

O Jacaré

O jornal O Jacaré apresentou apenas uma matéria sobre o tema saneamento: “Campanha contra privatização em SP cita água 87% mais cara em Campo Grande”. A única matéria do site sobre saneamento no período analisado, é quase um release com foco em São Paulo e Campo Grande. A notícia faz uma comparação do preço da água nas duas cidades para fazer uma crítica e enfatizar campanha contra a privatização. Ela usa Campo Grande como exemplo da consequência do aumento do preço da água. É uma reportagem curta de dados, sem citações diretas ou qualquer indício de outra fonte além de documental.

MidiaMax

Outra vez, a única matéria sobre saneamento no período analisado. “Tradicional Drive-thru da Reciclagem começa na quinta-feira no estacionamento do Bioparque”. O texto nada mais é que um release, informando sobre o evento de reciclagem, a única fonte é a assessoria da prefeitura, a foto é de divulgação do órgão responsável pela iniciativa, o qual não foi procurado como fonte.

Correio do Estado

“Mais da metade das crianças de MS tem alguma vulnerabilidade”. Única matéria que fala sobre saneamento no período analisado, a notícia fala sobre vulnerabilidade de crianças em MS. O texto tem bastantes dados, todos atuais, e revisa os pontos de: educação, informação, moradia, água, saneamento e renda. Em questão das fontes, além dos dados, há duas não oficiais e fonte documentais, mas não há fontes oficiais, não há pronunciamento estatal nem há indícios de tentativa de ir atrás de uma declaração oficial, ou seja, falta pluralidade de vozes.

Resumo

Os resultados obtidos na análise foram: as abordagens das matérias são superficiais. Poderiam ter sido mais exploradas e melhor desenvolvidas, com mais apuração. Quando os temas são relacionados a problemas de infraestrutura, todas elas seguem um padrão de denúncia, por exemplo, de enchentes que trouxeram lixo nas casas, ou descarte indevido em áreas públicas, e trazem a perspectiva da fonte que está sofrendo com o problema e precisa de intervenção do órgão responsável, que raramente aparece com uma declaração dando seu posicionamento sobre o problema.  Em notícias e notas sobre eventos voltados à coleta de lixo há falta de fontes, a angulação é voltada apenas à divulgação dos eventos, sem preocupação em explorar e apurar os resultados obtidos com a iniciativa, quem participou, como contribuíram. Em geral, é possível ver que são pautas necessárias e que possuem relevância social, mas que são tratadas sem a devida importância.

ARTE E CULTURA

Felipe Araújo, Fernanda Sá, Maria Gabriela Arcanjo e Mariana Pesquero

Primeira Página

A maioria das matérias não apresenta fonte direta e às vezes nenhuma fonte, o que revela que os textos não têm aprofundamento no tema tratado. A maior parte das matérias é, também, informativa, muitas vezes apresentando apenas a programação de eventos culturais. As imagens são poucas e genéricas. Em alguns casos há o aprofundamento e maior contextualização do tema, com maior número de entrevistas. Os artigos de opinião também são interessantes. O jornal tem a opção de busca por Cinema, Cultura, Música, Comportamento e TV (além dos demais) que facilita ao leitor encontrar matérias relacionadas à arte.

Midiamax

O periódico apresenta pouca variedade no quesito estilo musical, já que, no meio das artes, é o tema mais noticiado. As informações no geral são verídicas mas em alguns casos percebe-se uma manipulação ou opinião/valoração pela linguagem do jornalista. Na maioria dos textos há informações complementares ao assunto principal. Temas como fotografia ou artes gráficas no geral aparecem pouco ou nenhuma vez, mesmo a cidade tendo, recentemente, feiras de artesanato, por exemplo. Portanto, percebe-se que o critério de noticiabilidade do jornal está relacionado aos interesses do público tradicional, ou o que eles julgam sê-lo, como fãs de sertanejo.

Campo Grande News

As notícias relacionadas a Arte estão inseridas na editoria “lado B” do Campo Grande News, pouca variedade de notícias durante a semana, tanto que em duas semanas de análise apenas sete notícias foram publicadas. Apresentam poucas fontes em geral, mal utilizadas e repetitivas. Apenas o texto “Exposição de mulheres indígenas” apresenta uma pluralidade de fontes que acrescentam bem no texto. Além disso, poucas imagens são apresentadas, além de serem desconexas com o texto muitas vezes. Elas poderiam dar lugar a outras fotos com função atrair mais o público para o evento anunciado, entretanto a carência de imagens empobrece a notícia e seu valor atrativo.

O Jacaré

No período de análise que escolhemos, o veículo não apresenta uma única notícia sobre arte ou outro tipo de entretenimento. Ao ir na aba “Sobre o que falamos” do site, eles explicam que o enfoque do jornal é na política regional. Acredito que é uma escolha equivocada, principalmente por estarmos em um Estado recheado de cultura e arte espalhados pelo território. Ou seja, não há o que analisar sobre o tema escolhido.

Correio do Estado

A maioria das notícias é extensa e bem contextualizada, com informações que complementam o foco do texto. Em alguns casos, essa contextualização se sobrepõe ao assunto, o que pode causar uma confusão. Há a presença de uma agenda cultural, o que amplia a divulgação de eventos diversos. A existência de uma editoria específica para cultura, arte, entretenimento e afins, a “Correio B”, faz com que o jornal produza matérias que escapem do habitual.

Resumo

A cobertura de arte e entretenimento nos jornais locais revela desafios comuns e distintas abordagens. O Primeira Página carece de aprofundamento e fontes diretas, muitas vezes limitando-se a informações informativas. O Midiamax, embora verídico, destaca-se pela falta de variedade e foco nos interesses do público tradicional. O Campo Grande News enfrenta desafios de quantidade e uso de fontes e imagens adequadas. O Jacaré, ao concentrar-se exclusivamente em política, negligencia a rica cena cultural do estado. Em contrapartida, o Correio do Estado se destaca pela contextualização e extensão das notícias, além da “Correio B”, que diversifica a cobertura cultural. A análise aponta para a necessidade de aprimoramentos visando uma cobertura mais abrangente e representativa da cena cultural local.

TRANSPORTE PÚBLICO

Lívia Barros Medina e Giovanna Fernandes

Primeira Página

Foram encontradas dez matérias sobre o tema no período analisado. A maioria dos textos abordados está em formato de nota bem breve, carece de fontes, citações e a procedência das informações apresentadas. É o caso da matéria: “Enem: tarifa é gratuita em Campo Grande para quem fez solicitação”. A notícia informa que o transporte público de Campos Grande tem tarifa gratuita para aqueles que irão fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), fizeram solicitação e foram aprovados de acordo com a lei aprovada na Câmara Municipal e sancionada pela prefeita Adriane Lopes (PP) no mês passado que garante ao candidato duas passagens gratuitas somente para o trajeto de ida e volta do local de prova. Além disso, o texto contribui com as informações necessárias sobre o funcionamento dos ônibus em circulação, como por exemplo,  a quantidade de veículos disponibilizados e o horário de circulação dos principais ônibus utilizados. Mas, o texto não contém nenhuma fonte direta ou indireta, sendo da prefeitura, do consórcio ou dos candidatos beneficiados. Apesar disso, as notícias contêm  as informações mais essenciais relatadas de forma breve.

O Jacaré

O site publicou apenas uma matéria sobre transporte público no período analisado, apesar de se apresentar como um veículo especializado em política. Foi a reportagem: “Juíza determina reajuste da passagem de ônibus e transporte coletivo pode ter tarifaço”. , as informações trazidas ao decorrer da matéria são acompanhadas com dados que comprovam e complementam o texto. Os autores optaram em desenvolver e escrever o ponto de vista da juíza e não sobre os dois principais envolvidos (o consórcio e a prefeitura). O ângulo e o impacto nos cidadãos que utilizam o transporte coletivo não foi abordado e o texto só possui uma fonte direta.

Campo Grande News

O site publicou oito matérias sobre transporte público no período analisado. O jornal apresenta muitos textos informativos, alguns carecem de fontes e aprofundamento na pauta; outros não conseguiram tirar proveito e aprofundar mais os textos. Também apresenta ideias interessantes como a reportagem descritiva “Em ônibus, não falta exemplo de amor, fé e uma vida além do cansaço”, que foi bem desenvolvida. A repórter apresenta descrição e vários personagens seguindo um mesmo cenário, o ônibus. Esse tipo de texto jornalístico e a forma como foi escrito prende o leitor. Não possui dados ou falas de fontes, apenas a observação de quem publicou, se assemelhando a uma crônica.

Acreditamos que o jornal deva abordar mais fontes em seus textos, não só especializadas, já que faz bastante uso das mesmas, fontes do dia-a-dia, cidadãos que presenciam determinadas pautas que serão abordadas futuramente.

MidiaMax

O jornal apresentou nove textos com tópicos bem detalhados, que apresentam ambos os lados de forma equilibrada e imparcial na maioria das vezes. Alguns textos são rasos e com poucas fontes, outros possuem muitas citações, chegando a ocupar um parágrafos inteiro. Acreditamos que isso seja um problema, usar falas grandes e informações que possuem menos linhas – quando as citações devem complementar a informação. 

Correio do Estado

Por último, o Correio do estado apresentou duas matérias sobre o tema duas notas, sem evidência de fontes. Apenas notas rápidas e informativas.

SAÚDE

Ana Beatriz Leal e Isadora Colete

Primeira Página

As notícias da editoria de Saúde no Jornal Primeira Página abrangem os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e, mesmo que haja um afunilamento, as notícias expostas podem ser de interesse comum entre os diferentes lugares. Ele cita mais as capitais, Campo Grande e Cuiabá, por esse mesmo motivo (sua relevância diante do estado) mas diferentes cidades também são objeto de análise, como por exemplo Sorriso (MS) e Chapada (MT). 

Ainda assim, o jornal produz muitas notícias em nível nacional. Matérias como “Luto – A dor de quem fica” e “Raiva – Intolerância ou medo?” retratam assuntos com mais abrangência e menos recorte. 

O Jacaré

Diferente dos outros veículos citados na análise, o jornal O Jacaré se apresenta como uma mídia alternativa, promete mostrar outros recortes das mais variadas temáticas e com diferentes angulações. Ele também é um veículo menor e com menos postagens. Por isso, os assuntos são mais variados e não há tantas notícias sobre saúde. As notícias tratam o tema indiretamente, como na matéria: “Religiosos criticam STF e promovem caminhada contra o aborto neste domingo na Capital”. A matéria tem teor político, fala de legislação e mostra muito da população, mas o assunto no final entra em uma questão de saúde pública: o aborto. Outra notícia encontrada que tem esse mesmo segmento é “Médicos de postos de saúde devem emitir receita e pedidos de exames impressos, decide Justiça”, é uma situação de saúde do campo-grandense, mas a abordagem é muito mais burocrática. 

Campo Grande News 

O Campo Grande News, por ser predominantemente focado em notícias de impacto imediato, explora a temática da saúde por meio de colunas específicas, nomeadas Saúde em Equilíbrio e Momento Saúde Bucal. Essas colunas adotam uma abordagem educativa, apresentando à população informações sobre diversas condições e doenças, além de destacar métodos de tratamento, como mostrado nas matérias Amplitude de movimento: o que é o ADM? e Como ocorre o tratamento da osteocondrite na fisioterapia?. O diferencial desse veículo em relação a outros é sua concentração exclusiva em aspectos opinativos/educativos, sem abordar temas relacionados à saúde pública ou nacional na parte informativa/interpretativa.

Mídia Max 

Como um veículo online, a editoria de Saúde se repete várias vezes ao dia. Assim como já apresentado nos canais anteriores, há praticamente dois segmentos de notícias acerca do tema: Notícias mais informativas sobre situações burocráticas da área da saúde  e questões de saúde pública diretamente (como acidentes). Um ponto importante para a análise é que, devido à grande quantidade de notícias produzidas, muitas vezes o conteúdo não é aprofundado. Essa urgência do jornalismo prejudica a produção de materiais devidamente checadas e completas. 

O veículo utiliza muito o interesse público (e do público) em suas tiragens. Podemos perceber esse fato com as postagens do dia 10 de novembro, pois metade tratava sobre o mesmo assunto: o calor. Entretanto, utilizava diferentes abordagens, como por exemplo:

-Temperatura passa dos 40°C em oito cidades de MS, mas calor deve piorar nos próximos dias; 

-Onda de calor: escolas de Campo Grande terão cardápio leve e aulas práticas reduzidas; 

-Preço do ar-condicionado sobe devido ao calor e impacta na inflação de Campo Grande;

-Escolas estaduais suspendem exercícios físicos em horários de picos em dias de calor intenso

Correio do Estado

É o Jornal mais tradicional da cidade, e assim como o Midiamax, atua como um veículo de notícias imediatas, havendo uma frequente repetição da editoria de saúde ao longo do dia. Observamos que as notícias abrangem tanto assuntos de âmbito nacional quanto regional. Além disso, o conteúdo apresenta dois enfoques distintos: um viés mais educativo, explorando informações sobre doenças e síndromes, destacando seus tratamentos; e outro mais centrado nos problemas de saúde pública que estão ocorrendo no momento. 

É o caso da reportagem “Com indígenas de Dourados passando sede, caminhões pipa são solução emergencial”. Categorizada em Atenção Primária, os desafios relacionados à saúde pública assumem uma relevância significativa

em comparação a outras notícias de saúde. Isso ocorre devido ao seu impacto como tema de interesse público, capaz de atrair a atenção de muitas pessoas.

Resumo

Nos diferentes veículos encontramos diversas angulações sobre saúde, mas o principal ponto a ser notado é que, mais ou menos reportado, com muitos ou poucos desdobramentos, o essencial é que a sociedade se mantenha informada acerca do tema. Com isso, concluímos que abordar a temática é importante na cidade de Campo Grande, afinal, é bem noticiado e bastante consumido pela população.

***