Saturday, 13 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1296

Família real processa edição francesa da Closer

Paparazzi assombram novamente a família real britânica – desta vez, o alvo foi Kate Middleton, cujas fotos de topless foram publicadas na edição francesa da revista Closer. Ela e o marido, príncipe William, abriram um processo legal contra a publicação, por quebra de privacidade. As fotos foram tiradas antes da visita oficial do casal ao Oriente Médio, enquanto estavam de férias em um castelo de propriedade de Lord Linley, sobrinho da rainha.

Na França, a revista foi para as bancas com a foto de Kate de topless na capa, com o título: “Oh, meu Deus! As fotos que percorrerão o mundo”. Dentro, diversas fotos de qualidade ruim que mostravam o casal tomando sol ao lado de uma piscina. “O palácio de St James confirma que procedimentos legais por quebra de privacidade começaram hoje na França pelo duque e pela duquesa de Cambridge contra a editora da edição francesa da revista Closer”, disse a declaração.

No mês passado, foram divulgadas fotos do príncipe Harry, o filho mais novo da princesa Diana, nu em uma festa em Las Vegas. As novas fotografias levantam questões profundas sobre os limites da privacidade real e ameaçam reviver antigas questões com a imprensa.

Lembranças da Lady Di

Antes de seu casamento com Kate no ano passado, o príncipe William sinalizou repetidas vezes que ele queria protegê-la do que a família real descreveu como a caça da princesa Diana, antes, durante de depois de seu casamento com seu pai, o príncipe Charles, herdeiro do trono britânico. No momento de sua morte, em um acidente de carro em Paris, em 1997, fotógrafos estavam perseguindo-a. “William e Harry perderam sua mãe na França, em circunstâncias nas quais a imprensa, na época, estava completamente fora do controle”, disse Michael Ellis, legislador conservador. “Isto trará memórias dolorosas”. A princesa Diana nunca teve privacidade e seu filho William foi testemunha do comportamento intrusivo dos paparazzi. No aniversário de 25 anos de Kate, William já havia ficado furioso com os cerca de 30 fotógrafos que a esperavam do lado de fora do seu flat.

Em declaração, o escritório do casal chamou a publicação das fotos “grotesca e totalmente injustificáveis”, comparando as imagens “aos piores excessos da imprensa e dos paparazzi durante a vida de Diana, princesa de Wales”. “As altezas reais tinham expectativas de privacidade em sua casa remota. É impensável que qualquer um tirasse tais fotografias, quanto mais publicá-las”. O escritório do primeiro-ministro britânico David Cameron também condenou a publicação das fotos.

Reino Unido vs. França

Inicialmente, as fotos não foram publicadas no Reino Unido, onde os padrões e práticas jornalísticas ficaram sob os holofotes depois do escândalo dos grampos. A edição britânica da Closer disse que não publicaria as fotos. Paul Keenan, executivo-chefe da Bauer Media, que publica a edição britânica da Closer, afirmou que a Bauer pediu à Closer francesa que retirasse as fotos do site e não as publicasse mais.

A mídia britânica também foi contra, trazendo de volta antigas rivalidades entre França e Reino Unido. Uma manchete no tabloide The Daily Mirror chamou a Closer de “revista francesa sorrateira”. Segundo o The Evening Standard, fotógrafos, incluindo câmeras locais não relacionados aos paparazzi internacionais, disseram que o casal estava visível de uma estrada próxima. “Se duas figuras públicas escolhem despir-se à vista de uma estrada pública, então eles podem esperar serem fotografados, como foram”, disse uma fonte não identificada da Closer ao The Evening Standard.

Desde que o casal se casou, a imprensa britânica recebeu diversos pedidos informais por privacidade, embora o The Sun, do grupo de Rupert Murdoch, descumpriu um pedido real de abster-se de publicar as fotos do príncipe Harry nu depois que elas foram amplamente divulgadas.

Segundo Jean-Frédéric Gaultier, advogado do escritório Olswang, o casal pode processar a revista e forçá-la a retirar a edição com as fotos das bancas e a não vender as imagens para nenhuma publicação. O casal pode, ainda, processar por danos. A mídia francesa sempre teve um cuidado especial para não invadir a privacidade de figuras públicas, mas isso diminuiu desde o escândalo sexual com Dominique Strauss-Kahn, ex-ministro da Economia da França e ex-chefe do Fundo Monetário Internacional. “Há mudanças, mas não ao nível de as cortes francesas aceitarem paparazzi usando câmeras de longo alcance para invadir a privacidade de duques e duquesas. O interesse público não é óbvio nesse caso”, afirmou.

Para Thomas Roussineau, advogado especialista em lei de privacidade, a publicação das fotos certamente quebrou as leis de privacidade francesas. “O castelo não é a rua e eles estavam em um lugar privado”, afirmou, acrescentando, no entanto, que a revista pesou o custo potencial de uma multa com o lucro que as fotos trariam.

A editora da revista na França, Laurence Pieau, defendeu a decisão de publicar as fotos. “Para mim, as fotos não são chocantes. É apenas um casal bonito, apaixonado, no sul da França”, disse. “Kate é uma jovem de topless, como milhões de mulheres que vocês veem nas praias”. Informações de Alan Cowell e John F. Burns [The New York Times, 14/9/12], de Tony Jones [The Independent, 14/9/12] e de Caroline Davies [The Guardian, 14/9/12].