Thursday, 30 de May de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1289

RS embaixo d’água: observações neste início da cobertura do desastre

(Fotografia: Isabelle Rieger)

Nesta semana estamos acompanhando a cobertura da imprensa sobre mais um desastre que assola o estado do Rio Grande do Sul. Chuvas extremas provocaram alagamentos, aumentaram o volume dos rios e encharcaram encostas. A cidade de Santa registrou o maior volume de chuva no mundo nesta quarta-feira, com Bento Gonçalves, Santa Cruz do Sul e Soledade também presentes no topo do ranking, conforme dados do site Ogimet. Na mesma noite, do dia 1º de maio, o governador Eduardo Leite decretou estado de calamidade pública. Mais de 110 municípios foram atingidos; alguns deles, no Vale do Taquari, ainda se recuperavam da cheia de setembro de 2023, considerada a maior em, pelo menos, 150 anos.

Enquanto a chuva cai sem parar, a imprensa busca, em tempo real, dimensionar os impactos do que esse fenômeno climático extremo significa no cotidiano das pessoas. No feriado do Dia do Trabalhador, o Jornal do Almoço trouxe um panorama de diversas cidades atingidas pelas cheias, relatando, principalmente, as dores daqueles que tiveram que deixar suas casas e perderam tudo o que tinham. Se, por um lado, os testemunhos aproximam os telespectadores da situação e podem ser importantes impulsionadores de doações e pressão pública por resposta emergencial, por outro, podem sobrepor outras questões importantes. Para além da necessidade de empatia dos profissionais que entrevistam os afetados, pessoas em situação de alta vulnerabilidade, é preciso entender qual o propósito de tal cobertura. Quem, afinal, beneficia-se com tamanha exposição? Quem mais poderia ser ouvido? É possível reportar o desastre de outra forma?

Também reforçamos a urgência de desnaturalizar os desastres. De forma geral, os gatilhos que desencadeiam as tragédias são tidos como os causadores. A imprensa reproduz que as chuvas matamprovocam destruiçãocausam estragos. Contudo, é importante pontuar que o risco de desastre decorre de uma articulação entre as ameaças naturais, que estão sendo intensificadas em magnitude e frequência pela emergência climática, e a vulnerabilidade, decorrente de aspectos sociais, econômicos e culturais. O desastre não ocorre apenas em razão de uma chuva extrema, mas também porque há ações humanas que colocam pessoas em situações frágeis, como o valor da moradia em espaços seguros e a falta de medidas preventivas ou de investimento na adaptação das construções diante dos novos cenários. Culpar as chuvas ou os temporais é um discurso que desvia o olhar dos problemas estruturais das nossas cidades e do que entendemos por desenvolvimento.

A cobertura de desastres, especialmente este com extensão e impactos inéditos, é um grande desafio. A informação correta e atualizada sobre a situação dos resgates, abrigos e fornecimento de insumos básicos, como água e alimentos, assim como de novos alertas, tem sido realizada de forma incessante por boa parte da imprensa gaúcha. A programação habitual foi suspensa para orientar a população sobre as prioridades de cada dia, auxiliar na gestão da resposta e desfazer boatos e outras formas de desinformação que geram pânico e prejudicam o trabalho de manter as pessoas a salvo de perigos.

Além disso, os jornais locais têm priorizado relatar a atuação imediata do governo – no  âmbito municipal, estadual e federal, diante dos efeitos desse evento extremo. É crucial manter a população atualizada neste momento de calamidade, no entanto, uma abordagem que se limita a apresentar os fatos de forma simplista e factual não oferece aos cidadãos uma compreensão completa das reais causas da tragédia na qual estão submetidos e das estratégias possíveis para enfrentá-las.

É essencial que o jornalismo local também questione sobre o andamento do plano de enfrentamento do governo para prevenção, adaptação e mitigação aos efeitos das mudanças climáticas. Na matéria “Em meio à tragédia no RS, Eduardo Leite e deputado do PSOL discutem por orçamento destinado à Defesa Civil”, O Globo repercutiu as críticas feitas pelo deputado estadual da oposição Matheus Gomes (PSOL) ao governador Eduardo Leite (PSDB) sobre o baixo investimento estadual no enfrentamento da crise climática. Para o ano de 2024, o Rio Grande do Sul possui um orçamento de menos de 0,2% para enfrentar eventos climáticos. Apenas R$ 115 milhões foram investidos pelo Governo Leite nessa área, de um valor total de R$ 83 bilhões. Desse valor, somente R$ 50 mil foram destinados para a Defesa Civil.

Vale lembrar ainda que a flexibilização das leis ambientais vai na contramão das ações de prevenção e mitigação de acontecimentos como esse. Mesmo que os tomadores de decisão reforcem o discurso que não seja hora de apontar culpados, justificando que é preciso salvar vidas e restabelecer os serviços básicos para não colapsar as cidades, a cobertura não pode silenciar sobre as decisões que tornaram a população gaúcha mais vulnerável às consequências climáticas.

No contexto atual, é inaceitável que o jornalismo trate eventos extremos como uma mera ameaça natural. O alto impacto dos desastres nas cidades é também uma consequência da falta de planejamento governamental na gestão da emergência climática. Na cobertura pós-desastre, os jornalistas devem ser mais cautelosos ao apontar o microfone para o rosto das vítimas e optar por direcioná-lo mais incisivamente ao governador (e outras autoridades competentes), buscando questioná-lo sobre o andamento de planos de curto, médio e longo prazo de adaptação e mitigação aos efeitos das mudanças climáticas.

Um último aspecto que destacamos é a pouca visibilidade da ligação entre desastres e mudanças climáticas. Embora alguns especialistas sejam entrevistados, como foi o caso do pesquisador Francisco Aquino na cobertura do dia 1º de maio no Jornal do Almoço, a mensagem deve ser consistente e não pontual.  O ponto de partida dos impactos hoje presenciados é a escolha por um sistema socioeconômico que explora a natureza em razão de benefício de curtíssimo prazo para alguns poucos, que ignora a finitude dos recursos e suas externalidades negativas. É essa forma de viver, apresentada como a única possível, que não deve ser esquecida quando um novo desastre eclode.

***

Clara Aguiar é estudante de Jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). E-mail: claraaguiar14@hotmail.com.

Eloisa Beling Loose é jornalista e pesquisadora na área de Comunicação de Riscos e Desastres. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). E-mail: eloisa.beling@gmail.com.