Friday, 19 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1297

Deonísio da Silva

ALMANAQUE ABRIL

"Estranha história da literatura", copyright Jornal
do Brasil, 9/03/03

"O Almanaque Abril 2002 (em dois volumes impressos, apresentando versão também em CD) está em sua 28? edição. Tornou-se ao longo dessas quase três décadas uma fonte muito consultada, principalmente nos circuitos escolares. A longo dos anos, algumas correções indispensáveis vêm sendo feitas. Durante vários lustros o Almanaque informava que a costa oeste do Brasil era banhada pelo Oceano Atlântico. Mas se foi corrigido um erro grave numa disciplina essencial como a Geografia, em Literatura os problemas se acumulam ano após ano. O Almanaque opera com um conceito controverso para definir o que é literatura, excluindo, por conseguinte, obras pertinentes de nossa historiografia literária e incluindo outras baseadas em conceitos ainda mais discutíveis.

Aos exemplos. A certidão de nascimento do Brasil, a Carta de Pero Vaz de Caminha, nossa primeira produção literária, é metida num espartilho teórico em que textos fundadores de nossas letras são espremidos e expressados assim: ?os primeiros registros de atividade literária escrita no Brasil não são obras literárias, e sim textos informativos?. Neste caso, por que o padre Antônio Vieira aparece no século seguinte com os seus Sermões? Sermão é literatura, mas relato de viagem não é? Por quê? Se excluirmos homens de letras como os viajantes, os padres, os cronistas (não foram nossos primeiros jornalistas?) e anônimos autores de relatórios destinados originalmente às vezes a um leitor apenas, mas que em seu conjunto expressaram a terra e o homem brasileiros, nossa literatura sofrerá a amputação de conseqüências nefastas a seu percurso histórico.

Nos registros do século 18, o equívoco conceitual leva a um desacerto maior. Com efeito, a redação incorre em falta ainda mais grave do que a da Inquisição que, ao degolar e queimar em auto-de-fé o nosso Antônio José da Silva, o Judeu, em praça pública, quando o dramaturgo tinha apenas 34 anos, pelo menos reconheceu-lhe, paradoxalmente, a existência e os escritos. O Almanaque destina-se à consulta, não à leitura. Ao indexá-lo fora de lugar, o AA complica a informação.

Nos registros do século 19, a coisa segue piorando. De nada adiantou o engenheiro e escritor Alfredo D Escragnolle Taunnay, mais conhecido como Visconde de Taunnay, ter nos legado o relato de uma das maiores retiradas militares da História, a Retirada da Laguna, e outros livros como o romance Inocência. Esta lacuna, apenas esta, sem alusão a outras igualmente graves nos apontamentos do mesmo século, inviabiliza o verbete.

No século 20, o tropeço conceitual do que seja literatura prossegue com seu séquito de tombos e contradições. Se nossas primeiras manifestações literárias, ocorridas ainda no século 16, foram jogadas ao limbo por serem obras de viajantes esclarecidos e padres letrados, no século 20 o conceito dá uma cambalhota e inclui, acertadamente, aliás, mas incoerente com o conceito abraçado pelo Almanaque, o relato de outro engenheiro, também militar e para sorte da memória nacional também escritor, sobre outra expedição, esta, sim, ao contrário de Retirada da Laguna, vergonhosa para nosso Exército, o massacre de Canudos, eternizado em Os sertões, de Euclides da Cunha.

Exclusões incompreensíveis e sobretudo inaceitáveis continuam no século 20. Excluem a ninguém menos do que quem inventou o monólogo interior antes de James Joyce, ignorado por ter a desvantagem de ter escrito em língua portuguesa, um dialeto da Galáxia Gutenberg. Refiro-me a Adelino Magalhães. Por ser de Niterói, talvez nossos pesquisadores, financiados pelo CNPq ou pelo que eu-não-sei-pra-quê pensem tratar-se de monólogo do interior, a quem ninguém dá a devida importância pelo único motivo de seu autor não estar ao alcance da capital paulista. Vários dos escritores citados pelo Almanaque na breve nota sobre o século 20 não têm a mesma importância desse excluído.

Muitos autores do século 20 são nossos contemporâneos. É justo que um escritor como Rubem Fonseca não apareça nos registros, ainda que sumários, referentes à década de 1960, em que surgiu com sua obra inventiva e vulcânica, aprofundada na década de 1970, quando a proibição de seu livro de contos Feliz ano novo tornou-se um caso-síntese das lutas que escritores e censores travaram, inclusive nos tribunais?

Os equívocos não param. Pero Vaz de Caminha não fez literatura com a Carta, nem os padres letrados com suas poesias e obras de catequese, mas Fernando Morais fez com Chatô, merecendo o destaque negado a outros igualmente importantes.

De resto, não se conclua sem o reconhecimento de que o Almanaque Abril 2002, malgrado a irresponsabilidade editorial no item específico de Literatura – devemos dar às coisas os nomes pelas quais são conhecidas – é uma copiosa, complexa, rica e formidável fonte de pesquisa para os outros quesitos, sendo consultado principalmente nos circuitos escolares. (Deonísio da Silva é escritor e professor universitário, doutor em letras pela USP. Seu livro mais recente é o romance Os guerreiros do campo)"

 

PUBLICIDADE EM QUEDA

"Mídia cai 5,3%; TV aumenta concentração", copyright Folha de S. Paulo, 6/03/02

"Os investimentos publicitários em meios de comunicação no ano passado caíram 5,3% em relação a 2000. É o que revelam dados preliminares do Inter-Meios, o estudo mais confiável sobre publicidade em mídia, que a revista ?Meio & Mensagem? publica no dia 11.

Os 90% dos meios de comunicação que participam da pesquisa movimentaram R$ 9,322 bilhões em 2001, contra R$ 9,847 bilhões em 2000. A queda de 5,3% é nominal. Se fosse considerada a inflação, chegaria a 18%. Em relação ao dólar, a retração atingiria 25%.

O meio televisão aumentou a concentração das verbas publicitárias. Passou de 56% em 2000 para 57,3% sua participação no bolo dos investimentos, mas mesmo assim teve uma queda nominal de 3,3% no faturamento. Revistas mantiveram a fatia de 10,6%. Os demais meios caíram. A participação dos jornais caiu de 21,5% para 21,2%. A TV paga, que faturou R$ 172 milhões em 2000, teve queda de 18,1% no faturamento.

A Globo e suas afiliadas, que detêm 78% do mercado nacional de publicidade em televisão, teriam faturado cerca de R$ 4,2 bilhões.

O Inter-Meios é produzido pela Price-Waterhouse Coopers a partir de informações fornecidas por 90% dos veículos. A esse total, somam-se estimativa referente aos 10% dos veículos não-participantes e outra aos custos de produção de anúncios. Em 2001, esse número deve ficar em torno de R$ 12,5 bilhões (R$ 12,8 bilhões em 2000).

OUTRO CANAL

Panela 1

Diretora-geral da TV Globo, Marluce Dias da Silva não sofre pressão apenas dos acionistas da emissora, que na semana passada nomearam Henri Philippe Reichstul presidente da holding Globopar, com a missão de sanear as contas do grupo.

Panela 2

Marluce também sofre pressão do segundo escalão, os chamados diretores de centrais. Um deles, veterano, está demissionário. Já contratou advogado para estudar rescisão de contrato. Reclama da falta de autonomia.

Comercial 1

A participação de Pelé em ?O Clone? ajudou a novela a dar 50 pontos de média anteontem. Mas foi puro merchandising, um chute no ?padrão Globo de qualidade?.

Comercial 2

Pelé falou mal da seleção, divulgou sua exposição no Masp (que está indo para o Rio, anunciou) e ainda lançou uma ?música caça-níqueis? sobre a Copa do Mundo. O próximo esportista a aparecer na novela, sábado, será Oscar Schmidt.

Pendência

Jorge Kajuru criou um probleminha para a Rede TV!. Se recusa a estrear o ?Kajuru Reality Show?, dia 11, no horário do ?Gabi?, por volta das 23h30. Não quer ser acusado de antiético."