Saturday, 13 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1296

Jornal do Brasil

GLOBO & BNDES

"Prejuízo da Globo Cabo cresceu 61%", copyright Jornal do Brasil, 14/03/02

"O principal concorrente da Globo Cabo, maior operadora de televisão a cabo do país, é a dívida que levou a empresa a um prejuízo de R$ 699,9 milhões no ano passado. O balanço divulgado nesta quarta-feira mostrou prejuízo 61% maior em relação a 2000. Mais da metade da dívida está vinculada à variação do dólar.

A expectativa da Globo Cabo para este ano é assegurar que 70% do seu endividamento esteja vinculado ao real e, para tanto, conta com uma injeção de R$ 1 bilhão, anunciada na terça-feira, na qual o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES) se dispõe a participar com R$ 284 milhões. Se concretizada a operação, o banco federal vai dar à Globo mais que o triplo do dinheiro que deve ser injetado pelos outros sócios minoritários. Na área técnica do BNDES há resistência, mas a decisão política de socorrer a Globo já foi tomada.

Parte do negócio deve ser realizada por conversão de debêntures em ações, o que reduzirá a dívida automaticamente. Outra parte, de até 450 milhões de reais, será em dinheiro, a ser utilizado prioritariamente no pagamento de dívidas de curto prazo, superiores a R$ 1,6 bilhão.

A dívida líquida da Globo Cabo cresceu 7,1 por cento no ano passado para 1,522 bilhão de reais, mas houve uma melhora no último trimestre do ano com a recuperação do real. Segundo a companhia, a participação da dívida indexada ao dólar caiu de 60 por cento para 54 por cento no final do ano passado.

O diretor de Relações com Investidores da Globo Cabo, Leonardo Pereira, disse ontem em teleconferência com analistas do mercado de capitais que ?uma estrutura de capital mais forte vai facilitar o refinanciamento da dívida?.

No final do ano passado, a dívida da empresa era seis vezes maior que sua capacidade de geração de caixa operacional – se tomados como parâmetro os lucros obtidos antes dos pagamentos de juros, impostos, depreciação e amortização de dívidas. A meta agora, segundo Pereira, é chegar a uma proporção de dívida 3 ou 3,5 vezes maior que o caixa.

Essa expectativa foi confirmada pelo vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), José Mauro Carneiro da Cunha (leia no quadro). ?A empresa estava em uma situação em que a estrutura de capital não suportava o negócio?, afirmou Cunha. ?A rentabilidade operacional da Globo Cabo será suficiente para carregar a dívida que terá depois da operação.?

A geração de caixa operacional ficou em linha com a projeção feita em janeiro, que variava de R$ 280 milhões a R$ 300 milhões. O Ebitda (lucro operacional, antes dos impostos, juros e amortizações) foi 19,7% maior entre 2000 e 2001.

Cunha revelou que a Globo Cabo vai quitar um financiamento de R$ 57 milhões com o BNDES que venceria este ano, utilizando recursos que serão levantados com o aumento de capital, no qual o banco federal seria o segundo principal ator, depois is das Organizações Globo, que entrariam com R$ 540 milhões .

A participação da BNDESPar, subsidiária do BNDES, pode passar de dos atuais 6,4 % para cerca de 12% no total do capital da Globo Cabo. O banco está negociando um assento no Conselho de Administração da operadora.

A Globo Cabo perdeu clientes no ano passado. A base total de assinantes da TV paga encolheu de 1,504 milhão no ano 2000 para 1,447 milhão em 2001, uma queda de 3,8 por cento. Houve expansão de 89,5 por cento no Vírtua, serviço de Internet rápida, que passou de 28,1 mil para 53,3 mil clientes.

A receita bruta em 2001 cresceu 9 por cento para 1,146 bilhão de reais. Segundo a companhia, ?o crescimento é consequência do reajuste das mensalidades e do aumento das receitas do Vírtua?."

 

"José Roberto Marinho vê erro de interpretação", copyright Folha de S. Paulo, 13/03/02

"João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, rebateu as críticas de outras emissoras de TV que tiveram pedidos de empréstimos negados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

?Acho que houve um erro na interpretação dessa operação,? disse Marinho

Segundo ele, o BNDES vai participar dessa operação como sócio da Globo Cabo, que é uma empresa de capital aberto. ?Essas outras empresas [as emissoras de TV? não são de capital aberto?, disse ele.

Também foram anunciadas ontem pela Globo Cabo medidas que beneficiarão os acionistas minoritários.

Os pequenos sócios da empresa passarão a ter, por exemplo, direito de receber o mesmo valor pago aos acionistas majoritários em ofertas públicas de papéis da empresa.

Com o novo acordo de acionistas que será fechado, a Globo Cabo pretende adotar medidas que visam a melhorar o nível de transparência das informações que são prestadas ao público.

A Globo Cabo não confirmou nem desmentiu a informação de que o Banco do Brasil esteja envolvido na operação de socorro. ?O Banco do Brasil poderá participar, assim como qualquer outro banco poderá participar?, disse Viana."

***

"BNDES vai à Anatel para tentar integrar Conselho de Administração da Globo Cabo", copyright Folha de S. Paulo, 16/03/02

"O fato de o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) não ter assento no Conselho de Administração da Globo Cabo inviabiliza uma das exigências que a instituição faz para assinar sua participação no aumento de capital da empresa, no valor total de R$ 1 bilhão. A participação do BNDES será de até R$ 284 milhões.

De acordo com o superintendente do banco responsável pela operação, Wallim Vasconcellos, uma das exigências mais importantes é que todas as decisões estratégicas da Globo Cabo, incluindo opções tecnológicas, compra de equipamentos e até a demissão do diretor-geral, devem, obrigatoriamente, ser aprovadas com o voto do BNDES ou o do Bradesco (também acionista da empresa).

Na linguagem empresarial, isso é uma variação do que se chama de ?quórum qualificado?. Acontece que a exigência esbarra na decisão da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) de não aceitar que o BNDES participe ao mesmo tempo dos conselhos de duas empresas de telecomunicações. O banco já é membro do Conselho de Administração da Telemar.

Vasconcellos disse que o BNDES já iniciou contatos informais para convencer a Anatel a flexibilizar a exigência e que na próxima semana formalizará, por meio de ofício, o pedido. Entre os argumentos, o banco estatal vai dizer que Telemar e Globo Cabo atuam em nichos diferentes e que não há conflito de interesses no fato de participar da gestão de ambas.

No caso de a Anatel não se sensibilizar com os argumentos, Vasconcellos disse que o banco estudará uma alternativa para manter sua exigência. ?Ainda não temos um plano B.?

A exigência de ?quórum qualificado? no Conselho de Administração, aliada ao aumento do papel desse órgão nas decisões da empresa, é considerada pela equipe técnica do BNDES como essencial para que o aumento de capital da Globo Cabo se concretize.

Pressionado pelas suspeitas de que o banco esteja na verdade participando de uma ?operação hospital? para uma empresa controlada pelas Organizações Globo, o banco quer, segundo Vasconcellos, conduzir a operação de forma a transformá-la em um caso de sucesso em termos de reestruturação empresarial."

***

"Procuradores apuram investimentos do BNDES", copyright Folha de S. Paulo, 13/03/02

"Os procuradores da República Luiz Francisco de Souza e Celso Três decidiram promover uma devassa nos investimentos feitos pelo BNDES. O Ministério Público vai pedir à instituição a relação de todas as empresas nas quais tem participação acionária, entre as quais a Globo Cabo. Com isso, esperam obter informações sobre a participação do banco no aumento de capital de R$ 1 bilhão da empresa. O BNDES entrou com R$ 284 milhões. Sob o argumento de que o banco usa dinheiro público nas operações financeiras, os procuradores querem investigar os critérios que vêm sendo adotados para a realização dos investimentos."

 

"BNDES", copyright Folha de S. Paulo, 17/03/02

"Bom, com R$ 1 bilhão em forma de ?empréstimo? à Globo Cabo, daria, talvez, para erradicar a dengue, dizimar a malária e tirar do vocabulário a palavra hanseníase, por exemplo. Esse seria o verdadeiro ?S? do BNDES. Deyvid Leite (São Paulo, SP)

É revoltante que as Organizações Globo, depois de tantos equívocos administrativos, sejam ?premiadas? pelo BNDE (o S é falso, como já escreveu Janio de Freitas). Mas é preciso continuar com ?Big Brother Brasil?, ?Faustão? e ?Zorra Total?, entre outros programas que tanto dignificam a cultura brasileira. Enquanto isso, as universidades públicas estão à míngua, com escassos recursos para pesquisas e para sua manutenção. Seus professores são destratados pelo presidente e pelo ministro da Educação e precisam fazer uma greve de mais de cem dias para conseguir uma pequena reposição salarial de 10% -depois de perdas que ultrapassam 80% em quase oito anos. Tarcísio Mauro Vago, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte, MG)

Somos quatro abnegados aposentados que trabalham voluntariamente oito horas por dia para reerguer a Santa Casa de Misericórdia de Cravinhos, entidade filantrópica que vive em estado de penúria e que não consegue ajuda financeira do município, do Estado ou da União. Senhores políticos, se necessário for, mudaremos o nome da nossa santa casa para Globo Cabo das Misericórdias ou para Santa Lunus Casa. Osmar Loureiro (Cravinhos, SP)"