Saturday, 13 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1296

O Sr. Frias, tintim por tintim

LEITURAS DA FOLHA

Nelson Cunha (*)

O Sr. Otavio Frias Filho, em artigo no dia 14/3, procura alertar o eleitor brasileiro com preciosas informações que só mesmo um jornal tão aparelhado como a Folha de S.Paulo seria capaz de fazer. Procurei tornar ainda mais didática as afirmações do gênio da imprensa brasileira. Como um leitor comum recolhi o verdadeiro sentido das afirmações .


"O diretor da Polícia Federal que executou a diligência na firma de Roseana Sarney é filiado ao PSDB, partido pelo qual pretende fazer carreira política."


Portanto, o mandado judicial não seria suficiente para que o diretor da PF se movesse. Foi sim o desejo de mostrar serviço ao patrão FHC. Afinal, a Folha deve ter em seus arquivos a declaração do diretor de que pretende fazer carreira política ou não ousaria esta ilação. Fosse o diretor filiado ao PFL, Roseana estaria livre destes aborrecimentos.


"Não faz sentido pensar que o dinheiro apreendido tenha dormido na empresa por muito tempo, sinal de que os agentes sabiam o que iam encontrar."


Portanto, houve escuta para saber a melhor hora de recolher a bolada. Parece mesmo ser impossível que se guarde tanto dinheiro no cofre por muito tempo desprezando os 0,5% de juro da poupança. Seria naturalmente o dinheiro recolhido só naquela semana.


"O ambiente político está turvado de indícios de que a operação determinada pela Justiça contra a pré-candidata foi apenas a cobertura legal para manobra mais oculta e suspeita."


Portanto, o Ministério Público está também a serviço de FHC. O promotor arrependido deve ter confessado à Folha, ou a afirmação soaria como uma calúnia. A Folha tão deontologicamente zelosa não cometeria esta injúria.


"A governadora foi alvo de uma rede de espionagem particular, denunciada de antemão, e que resultou num ?dossiê? destinado a prejudicá-la."


Portanto, a acusação do PFL é procedente. Garotinho também fez (sem muita pressa) esta afirmação. Ambos, partido e governador, de ilibada credibilidade. Quem não merece fé neste episódio é o Ministério Público e a Polícia Federal.


"Em seguida veio a campanha na mídia governista, a martelar as imagens do dinheiro para chocar a audiência incauta e ingênua,"


Portanto, todos os jornais e TVs do Brasil pertencem à mídia governista (Globo, SBT, Record, Veja, IstoÉ, Época, JB, Estadão, Estado de Minas e todo o resto), exceto naturalmente a Folha. Honesto seria não publicar a foto do dinheiro até o fim do inquérito, mas como disse o Sr. Frias, o objetivo era chocar a audiência como parte do plano maior "Serra Presidente"


"(…) que não tem como saber que as cédulas de Roseana equivalem a troco para a feira se comparadas às quantias que escorrem neste exato momento dos bancos para certa candidatura mais consistente e bem aparelhada."


Portanto, os bancos estão despejando milhões no candidato Serra. Realmente R$ 1,3 milhão são um troco de feira, um dinheiro menor que não precisaria causar esta celeuma toda. O Sr. Frias quer dizer que o crime só é verdadeiro quando envolve quantias maiores do que aquela ninharia. Faz também uma denúncia grave contra os bancos. Alô, Polícia Federal (alerta só para os filiados ao PT), movimentem-se!


"Tudo isso ocorre quando uma das grandes emissoras de TV faz acerto gigantesco com o BNDES em torno da dívida que a vinha estrangulando."


Portanto, o BNDES também está no jogo. O BNDES como sócio da GloboCabo não faria este aporte de capital se não houvesse a contrapartida da Globo em apoiar Serra. Toma lá dá cá. Policia neles, não na Roseana, no BNDES.


"Isso acontece, ademais, sob o silêncio obsequioso de sua rival, ela mesma às voltas com problemas para cuja superação espera contar com a simpatia do governo federal."


Portanto, o SBT (cuja vida financeira está aberta ao escrutínio da Folha) espera sua vez de ser socorrido pelo BNDES. Naturalmente com a contrapartida de apoiar Serra.


"Qualquer pessoa informada sabe que o eleitorado só decide nominalmente na democracia, aqui ou onde for.

Na realidade, e nem poderia ser diferente, o sistema político oferece ao eleitor um cardápio pronto.

Seu direito de opção é seguir manietado por influências poderosas como o peso da máquina e sobretudo o poder do dinheiro ilícito."


Portanto, este negócio de democracia é uma fraude. O eleitor só decide nominalmente. Está errado. Deveria, isto sim, tomar a si as soluções. O eleitor só pode votar nos partidos legais e candidatos registrados, é o que chama o Sr. Frias um cardápio pronto. Certo seria poder-se votar em qualquer um: no vizinho, no quitandeiro da esquina etc. Sem essa de partido ou chapa pronta. Com esta original constatação do Sr. Frias, quem sabe ele próprio não apresente outro modelo de democracia representativa.


"Ninguém se elege para um cargo executivo sem lançar mão de contabilidade paralela e inconfessável."


Portanto, a Justiça Eleitoral tem de anular os mandatos de todos os vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores e imediatamente convocar novas eleições gerais. A acusação é abrangente e definitiva ("Ninguém se elege…")


"Foi o caso da própria campanha presidencial de Fernando Henrique, conforme documentada reportagem já publicada nesta Folha."


Não sei o que a Justiça Eleitoral está esperando para cassar o FHC. A "documentada reportagem da Folha" é a prova mais cabal e irrefutável.


"Nada disso é novo nem causa escândalo, e mesmo as democracias mais avançadas sofrem do mesmo problema."


Portanto, a denúncia da Folha ultrapassa nossas fronteiras e atinge a Europa e os Estados Unidos, que devem estar preocupadíssimos com esta revela&ccccedil;ão.


"Diga-se de passagem que, em condições normais, o bombardeio contra a candidata pelo PFL faria parte do processo pelo qual, durante a campanha, os mais vulneráveis vão sendo alijados da disputa."


Numa eleição, os mais vulneráveis vão ficando pelo caminho? Eu não tinha reparado nisso! Ou ainda, seria a vulnerabilidade da Roseana resultado da fortuna acumulada pelos Sarneys, fraudes na Sudam ou a ninharia apreendida?


"Não dá para lamentar a derrocada de uma candidata que nunca apresentou propostas e que vivia da própria imagem virtual na TV."


Roseana abdicou de apresentar propostas em favor do marido. Era ele quem recebia e apresentava propostas no governo do Maranhão. Devia ser um gênio das finanças, pois tudo tinha de passar por ele. Contratos, autorizações de pagamento etc. Para não onerar o estado despachava em escritório particular. Ela, coitada, vivia mesmo só da "imagem virtual da TV". E eu pensava que a imagem da TV era real. Obrigado, Sr. Frias, pelo esclarecimento.


"Mas estamos diante de algo preocupante. Trata-se do mais impressionante rolo compressor já montado na política recente. Dinheiro, recursos políticos, mídia, pressões, ameaças, tudo é usado para favorecer o candidato oficial. Detalhe importante: está sendo organizada uma estrutura paralela ao governo e a seu partido, algo sem precedentes."


A Folha, naturalmente, sabe o que está dizendo. A estrutura paralela pró-Serra já começou a funcionar. Valha-nos Deus, deve ser coisa terrível. Algo como "A organização", daquele filme do James Bond. Coisa sofisticadíssima. Vai ser de assombrar o mundo. Cá tenho minhas suspeitas de que a indústria farmacêutica esteja a tudo financiar. O Serra fez aquilo tudo para não levantar suspeitas. Foi mesmo um golpe de mestre. Quem poderia imaginar o Serra a serviço das multinacionais?


"Salvo melhor juízo, Lula é um candidato que vai ao segundo turno fazer figuração e enfeitar a vitória do oponente, qualquer que seja."


Portanto, Lula é um inocente útil que está sendo usado pela "organização". Eu, em seu lugar, renunciaria para não servir de cereja de bolo.


"É grande a chance de a eleição ser definida, portanto, em primeiro turno."


Portanto, Serra já pode encomendar a faixa. O Datafolha deve dispor de alguma novíssima técnica de antecipar o voto dos eleitores com oito meses de antecedência. Deve estar usando esta nova matemática dos Fractais ou do CAos.


"Ainda é tempo de evitar que tal definição seja um jogo de cartas marcadas para que reste algum grau de opção ao eleitor, esse desavisado."


Sr. Frias, sou um destes eleitores desavisados e gostaria de saber como fazer para evitar que o AntiCristo, o Átila moderno, o DengueDoctor, o Assassino da Serra Elétrica não venha infelicitar a nação brasileira. A ameaça que o Serra representa para o Brasil é coisa apavorante. Depreendi de seu genial alerta que ainda há tempo. Homens como ACM, os Sarneys, Quercia, Garotinho, Maluf, Collor, Amazonino, Newton, Albano Franco, José Ignácio poderiam se apresentar para evitarmos este jogo de cartas marcadas.

(*) Médico