Friday, 23 de February de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1276

O torpor e o sonho

Entrevista com Heródoto Barbeiro (*)

Mauro Malin

 

O.I. Você sente que a mídia está mais atenta a repercussões das dificuldades econômicas, refletindo preocupações práticas de seu público? Na CBN, nos últimos dias, foram questionados aumentos em preços atribuídos à desvalorização do real frente ao dólar.
Heródoto – De repente alguns setores da mídia despertaram de um torpor que durou tanto quanto o sonho de se realizar uma reforma econômica indolor e sem responsabilizar dolosamente as camadas humildes da população. Divergir dos caminhos da política econômica oficial era correr o risco de ser rotulado de ignorante e de desconhecer o processo histórico em curso no mundo. De outro lado o charme intelectual que seguia as iniciativas da atual política, atraia uns por admiração, outros por desconhecimento do que se propunha para o país. Agora o rei está nu, ou melhor, atrás do manto diáfano da âncora cambial revela-se o combalido real. Mais cedo ou mais tarde vai se revelar nas gôndolas dos supermercados.

O.I. – Em que medida a abordagem desses temas é facilitada pela maior interatividade adquirida pelo rádio (telefone, fax, correio eletrônico)?
Heródoto – As pessoas comuns começam a entender o que os economistas explicavam em linguagem indecifrável. Por mais que paguem impostos não conseguem saciar a fome dos gastos públicos e assistem impotentes a novas medidas econômicas que alteram o seu dia a dia. Por isso recorrem por e-mail, fax, telefone, carta aos setores da mídia que parecem mais permeáveis, como o rádio.

O.I. – Você acha que aumentou a preocupação de ouvir “os dois lados”, ou os vários lados envolvidos? Isto tem dado resultados práticos (greve da Ford, por exemplo)?
4. No rádio corre-se o perigo de julgar o todo pela parte. Por isso instituímos que os assuntos mais polêmicos sempre são apresentados de forma “casada”. Isto vale para as edições, quando usamos o bordão : “agora, o outro lado“, ou nas entrevistas-debates, ou nas reportagens do local dos acontecimentos, ou ainda no noticiário geral, quando se tem o cuidado de dizer que a outra parte ainda não se manifestou mas que o espaço para o contraditório está garantido e a produção está em busca de alguém que defenda outra opinião sobre o mesmo assunto. É mais do que uma postura operacional. É um compromisso ético de toda a equipe envolvida no programa.

O.I – Você acha que uma maior consciência dos problemas arma a sociedade para enfrentá-los com mais realismo e serenidade, e permite a descoberta de novos caminhos, ou evitar falsos caminhos?
Heródoto – É uma falácia acreditar que um jornal de rádio é um formador de opinião. Ele é um difusor de opiniões. Quem forma a opinião pública é ela mesma através das inúmeras variáveis com que a notícia chega até as pessoas. O jornalista não é um condutor de povos. É um difusor de idéias. É responsável por contar para uma parte da sociedade o que a outra está fazendo, e as atuais circunstâncias sociais favorecem a mídia rádio, uma vez que grande parte dos ouvintes estão se deslocando de sua casa para o trabalho sem ter lido ainda o jornal e sem poder parar para assistir ao noticiário da televisão. As circunstâncias atuais favorecem a mídia rádio e entre elas a CBN, que alcança números expressivos na pesquisa de audiência do IBOPE.

(*) Gerente Regional de Jornalismo/SP da CBN.

 

H.B.

 

Heródoto Barbeiro foi convidado pelo Ministério da Justiça a comentar o artigo 24 da Declaração dos Direitos do Homem, do ponto de vista da comunicação. Escreveu:

 

“Toda pessoa tem o direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas”.

Direitos Humanos e Comunicação

Jornalismo, interesse público.

Notícias, isenção, informação, credibilidade, investigação, privacidade.

Declaração, fidelidade.

Crítica, independência.

Opinião, moderação.

Acusação, contraditório.

Improviso, segurança.

Fontes, integridade.

Afirmação, decência.

Vítimas, proteção, interpretação, honestidade.

Identificação, precisão.

Entrevista, respeito.

Denúncia, ética.

Reportagem, liberdade.

Exclusividade, confiança.

Apresentação, humildade.

Seleção, sensibilidade.

Debate, eqüidade.

Diversão, dignidade.

Comunicação, Direitos Humanos.