Sunday, 21 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1297

Inteligência artesanal

A tecnologia hoje é tão disruptiva que coloca em xeque até a participação humana no processo produtivo. Por isso é melhor você prestar atenção. As notícias dessa revolução não param de aparecer. O Wall Street Journal revelou recentemente que a Ikea, fabricante de móveis sueca, agora cria seus catálogos de vendas apenas com imagens produzidas digitalmente. Não usam fotógrafos, móveis de verdade, modelos ou luz: só imagens digitais. Todas as imagens são criadas por softwares bem programados e alimentados, que substituíram custosas produções em estúdios.

E não são só os móveis da Ikea que fazem parte dessa nova realidade antes chamada virtual. A rede global de moda jovem H&M substituiu as modelos de (pouca) carne e osso por modelos digitais ainda mais perfeitas e muito mais fáceis de lidar e de remunerar. Já uma startup americana, a Narrative Science, criou um software capaz de escrever artigos noticiosos e espirituosos a partir de dados básicos em tempo real, como um relato de um jogo de futebol a partir de sua ficha técnica.

A inteligência humana está fazendo a inteligência artificial avançar do entendimento da linguagem para a formulação da linguagem. E ao mesmo tempo está criando robôs capazes de fazer tarefas que nosso corpo jamais faria ou faria a um custo financeiro e humano muito maior. Colocando de uma outra forma, sua cabeça e o seu corpinho estão a caminho de serem superados por uma dupla concorrência brutal: softwares e robôs. Você só tem uma coisa que eles não têm: alma, emoção, coração, o nome que se queira dar àquilo que de fato nos torna nós.

“Just do it”

Mesmo aqueles entre nós que todo dia vão e voltam do trabalho como se tivessem ido a um jogo de futebol zero a zero, sem grandes lances emocionantes, têm uma alma profunda e única. Quanto mais a usarmos produtiva e criativamente, mais valor traremos para o que fazemos.

Essa revolução tecnológica será destrutiva para quem trabalha como máquina e pensa como máquina já que agora, para isso, já temos as máquinas. Por isso, a revolução das máquinas deve ser uma grande oportunidade para as pessoas. Mas o mundo só vai querer ouvi-lo se você tiver algo a dizer. A atitude quente será muito mais importante do que o conhecimento frio. Acumular conhecimento é preciso, mas sem personalidade e atitude você não será muito diferente da união do software com o robô.

Não paute vida e carreira pelo dinheiro. Realize, e o dinheiro será consequência. Como diz aquele imortal slogan da Nike: “Just do it”. Quem pensa muito em dinheiro geralmente não ganha muito dinheiro. Steve Jobs não criou o iPad pensando em dinheiro. O software e o robô são programados para render o máximo de dinheiro. Esse não deve ser o seu caso porque a concorrência será matadora.

Inteligência artesanal

Será então que os robôs e os softwares, ao libertarem as pessoas dos trabalhos mecânicos e braçais, as levarão para posições mais criativas e inteligentes ou elas acabarão na fila dos desempregados?

Essa antiga pergunta segue sem resposta. O que eu posso dizer é que a melhor maneira de enfrentar as máquinas é não ser uma máquina. Seja sempre você mesmo, mas também não seja sempre o mesmo. Tão importante quanto inventar-se é reinventar-se. Eu sei bem como é isso. Seja o seu próprio programador para que você não seja programado pelos outros. Tenha seu próprio programa para não passar a vida coadjuvando em programas alheios.

Na próxima vez que você olhar no espelho, faça como dizia aquele outro slogan imortal, este da Apple: “Think different”. Pense diferente, olhe à frente e caminhe. Ninguém mais pode fazer essa jornada, nem os robôs e os softwares mais avançados.

Essa é a graça do jogo. Opor à inteligência artificial à sua inteligência artesanal.

***

[Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC]